Entrevista ao La Stampa

Marx: Sacerdócio feminino “está em aberto”

| 20 Jun 2022

Reinhard Marx Foto © Klaus D. Wolf/Erzbischöfliches Ordinariat München

Reinhard Marx. Foto © Klaus D. Wolf/Erzbischöfliches Ordinariat München

 

O Cardeal Reinhard Marx considera que o papel da mulher na Igreja está mais “maduro” que nunca e que elas podem ser colocadas em lugares de poder e decisão, que os escândalos dos abusos sexuais têm como “problema de fundo o abuso de poder” e que os homossexuais são “parte da Igreja”, numa entrevista ao La Stampa citado aqui pelo Religion Digital.

O cardeal não acha que a Igreja seja uma “fortaleza”, onde nos podemos abrigar a aguardar que “passem as tormentas”, mas antes deve ser um “testemunho de nova esperança”. “O povo de Deus, para dar consolo e ânimo, para procurar a paz, está chamado a derrubar muros”, considera o purpurado alemão.

Sobre as mulheres, reforça que é preciso ler os “sinais dos tempos”, e que hoje homem e mulher são iguais, algo que está “fundamentado na Bíblia”. “Sobre o sacerdócio feminino, João Paulo tomou uma decisão clara em sentido contrário, mas este debate ainda não acabou”, considera, acrescentando que, agora, a prioridade deve ser “fazer com que as mulheres participem mais intensamente na vida da Igreja, inclusive nos postos mais altos: não para agradar, mas porque é algo que vem do Evangelho”.

Sobre o celibato obrigatório, Reinhard Marx põe em causa que apenas “os solteiros possa consagrar e presidir à celebração da Eucaristia”, e dá o exemplo dos agentes pastorais leigos na Alemanha, que “pregam, que acompanham funerais”, ou a Amazónia, onde “os crentes esperam dois ou três anos pela celebração da Eucaristia”. “Estou certo que o celibato é um sinal forte de seguir a Cristo”, afirma, mas questiona se “manter o celibato obrigatório não é mais do que manter viva uma tradição” que impede acolher “as vocações presbiterais que existem entre homens casados”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This