“Mas as crianças, Senhor, porque lhes dais tanta dor, porque padecem assim?”

| 19 Fev 19

Acabo de sair do cinema. Fui ver Cafarnaum, de Nadine Labaki (a realizadora de Caramel). Um murro no estômago. Lágrimas me deslizam pela cara numa sensação de dor e raiva. A minha mão, segurando uma caneta, percorre a folha em branco. Pelo menos, palavras posso escrever. A escrita obriga-me a sair de mim. Na minha impotência sei que alguma coisa tem de ser feita.

O filme é passado nos bairros periféricos de Beirute, onde a miséria social e humana vai de par com a fealdade de uma paisagem devastada. A vista, obtida através de um drone, mostra a imensidão dolorosa desses bairros. Ali vivem os “descartados” da sociedade, nas palavras do Papa Francisco.

A câmara incide sobre o quotidiano de uma criança, Zain: um menino-homem de cerca de 12 anos, um lutador que trabalha nas ruas garantindo o pão para si e para seus irmãos mais novos: para sobreviver, rouba, mente, manipula. Cuida da irmã Sahar que é vendida prematuramente em casamento e posteriormente morre de parto, ainda uma criança. Cuida de um bebé de menos de um ano, filho de uma refugiada etíope, a troco de pão e de um tecto. Quando a mulher é apanhada numa rusga e fica na prisão por não ter papéis, é ele que, sozinho, garante a sobrevivência do bebé e de si próprio. A sua capacidade de resolver problemas é absolutamente notável.

Zain, apesar da miséria da sua vida, mantém a capacidade de se indignar, de lutar. Mas é um menino que não ri.

Um momento fulcral e pungente do filme é quando Zain leva os pais a tribunal, culpando-os de o terem trazido ao mundo sem condições para o criar. Na sua convicção e assertividade insiste no direito a não nascer. Àquele menino foi roubada a infância, foi abandonado e violentado, não conhece o direito a brincar nem a viver em segurança. Nem sequer o direito a ir à escola.

Finalmente são dados documentos legais a Zain. Um momento final patético: o fotógrafo quer um sorriso para figurar no cartão de identificação: um pungente sorriso forçado em resposta. Mas talvez haja alguma esperança para Zain. Ele não vai desistir.

Podemos decidir não ver este tipo de filmes para que não percamos o sono. Mas podemos escolher ver para continuarmos desassossegados e convidados a agir. Não haverá muitos meninos Zain entre nós?

Cafarnaumé o grito pungente de uma criança que não desiste de viver. Um crítico chamou-lhe um filme sobre a “pornografia” da pobreza. Detestei a metáfora. Mas as circunstâncias da vida de Zain são obscenas. Há neste filme uma força interpeladora que me lembra a cidade de Cafarnaumda Bíblia, uma das cidades por onde Cristo pregou e peregrinou antes de subir à cruz.

(O título é uma citação de um verso  de Augusto Gil)

Cafarnaum, de Nadine Labaki, é interpretado por Zain Al Rafeea, Yordanos Shiferaw e Boluwatife Treasure Bankole

Prémio do júri do Festival de Cannes, 2018; nomeado para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro

Teresa Vasconcelos é professora do ensino superior e membro do Movimento Graal de mulheres católicas

Artigos relacionados

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração novidade

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Direitos Humanos das Pessoas Idosas. Importa-se de repetir?

Todos os textos são incontroversos, lembram que os idosos têm direito a trabalhar ou a ter uma fonte de rendimento, a viver com dignidade e segurança, a poder residir em casa pelo máximo de tempo possível, a formar associações que defendam os seus interesses ou a aceder a programas educacionais próprios; e reafirmam que os mais velhos contribuem para o desenvolvimento das sociedades de que fazem parte (tem o seu quê de irónico, dada a média etária dos “líderes mundiais”).

Cultura e artes

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This