Matar é cobardia, coragem é conviver!

| 20 Mar 19

Imaginemos que um islamita armado entrava num domingo na Sé de Lisboa e assassinava cinquenta católicos, entre adultos e crianças. Foi o que fez o supremacista branco Brenton Tarrant. Só que os mortos são muçulmanos, abatidos em duas mesquitas de Cristchurch (Nova Zelândia). Para alguns é mais fácil a cobardia do assassinato do que a coragem da convivência.

A Mesquita Al Noor, um dos dois alvos do ataque, numa foto de arquivo; Foto © página da Associação Muçulmana de Canterbury, NZ, no Facebook

 

O recente massacre de meia centena de emigrantes e refugiados muçulmanos em duas mesquitas da Nova Zelândia, quando estavam reunidos em oração, não choca apenas o mundo civilizado ou o islão. Deveria envergonhar a espécie humana. A primeira-ministra, Jacinda Ardern, foi firme: “Muitos dos afetados por este ato de violência são migrantes e refugiados. Esta é a sua casa. Eles são nós. Quem perpetrou isto não é”, reagindo à tragédia no Twitter e em conferência de imprensa. O objectivo confessado do terrorista australiano, que deixou um longo manifesto de ódio e se apresentou como fascista, racista e admirador de Donald Trump,era “criar uma atmosfera de medo” e “incitar à violência” contra os muçulmanos. Por isso esteextremista de direita filmou o massacre e transmitiu-o em directo na internet. Ainda tinha bombas no carro prontas a explodir.

Não podemos ignorar os sinais preocupantes à volta da carnificina. No dia seguinte, verificou-se uma relativa indiferença do mundo cristão face à tragédia, excepto a mensagem do Papa e alguns sites protestantes que fizeram eco do apelo solidário da Rede Cristã da Nova Zelândia, que expressou horror e grande tristeza pelos ataques: “Os ataques são totalmente aterradores e serão deplorados por todas as pessoas da Nova Zelândia de todas as religiões ou de nenhuma”, exortando à oração por “todas as famílias e comunidades que serão profundamente afectadas, e a oferecer-lhes apoio de todas as formas possíveis” (Evangelical Focus). A Aliança Evangélica Mundial (WEA) só reagiu mais tarde, tendo o ataque ocorrido no mesmo dia em que apresentou uma declaração verbal no Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, denunciando o populismo nacionalista. Além disso, como parte do esforço para construir pontes de respeito e compreensão entre pessoas de diferentes religiões e sem fé, a WEA também se tem empenhado em dialogar com o islão há muito, como é o caso da participação na Conferência Global sobre Fraternidade Humana, em Abu Dhabi, no mês passado. Os cristãos não podem fazer outra coisa se acaso aprenderam algo com o episódio do bom samaritano, onde Jesus Cristo quis explicar quem é o nosso próximo. Mas o histórico mostra que nem sempre os cristãos conseguem olhar os muçulmanos como próximos e vice-versa.

Ao assumir-se como admirador de Donald Trump este terrorista revela que se devem responsabilizar política e moralmente os políticos que, na oposição ou no poder, alimentam um discurso de ódio contra sectores da sociedade global. Tais líderes políticos e governantes não podem sair incólumes deste tipo de situações. Têm que assumir as suas responsabilidades. Não podem andar todos os dias a instilar ódio contra estrangeiros, emigrantes e refugiados, contra pessoas com outra cor de pele, fiéis de outras tradições religiosas e contra quaisquer minorias, promovendo um clima de ódio, e depois lavar as mãos quando acontece isto.

O conceito de espaço sagrado, que até em situações de guerra é normalmente respeitado e considerado neutro, perdeu validade. Isto deve-se a uma sociedade secularizada em défice de respeito pelos direitos humanos e que não reconhece nem respeita a fé alheia, que é tão legítima como a sua ou como a ausência de fé religiosa.

Cada vez se comprova mais o imperativo de implementar, promover e aprofundar o diálogo inter-religioso em nome da paz entre os povos e do desenvolvimento da humanidade. Torna-se indispensável combater os estereótipos culturais e religiosos que levantam muros de separação entre seres humanos em vez de lançar pontes que aproximam. O reconhecimento da existência legítima de outras culturas, religiões e civilizações não pode amedrontar quem está seguro da sua própria identidade. A presunção de superioridade moral só será posta em causa através do conhecimento do outro e da descoberta do que ele nos acrescenta. O monopólio da verdade não pertence a ninguém e todos têm rabos-de-palha históricos. Segundo Catarina Belo, especialista em Filosofia Islâmica e professora da Universidade Americana do Cairo: “a violência não faz parte da essência do islão”. Ou como disse um imã: “Estes extremistas não representam a maioria dos neozelandeses, do mesmo modo que os muçulmanos extremistas não nos representam”.  

Mas ainda há sinais de esperança. As sinagogas judaicas na Nova Zelândia fecharam no sábado seguinte: “Oferecemos toda a assistência e apoio à comunidade muçulmana e estamos unidos a ela contra o flagelo do terrorismo e do racismo, que devemos fazer tudo o que pudermos para banir da Nova Zelândia. Estamos a orar por todos os afectados e suas famílias.” É que, além da solidariedade, amanhã pode ser (de novo) a vez dos judeus ou dos cristãos.

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na Visão Online.

Artigos relacionados

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia 

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar novidade

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Fátima e “Avante”

Permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana”

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

O que nos aconteceu? A pergunta do cardeal Tolentino e os pactos necessários

São precisos novos pactos – na comunicação, entre gerações, na comunidade e para o ambiente. Ideias defendidas pelo cardeal Tolentino Mendonça, que vê este tempo como uma oportunidade para novas experiências que a Igreja Católica deve fazer para se aproximar de quem se afastou. E que aponta uma necessária “conversão ecológica” por parte das comunidades cristãs, que ainda não integraram a encíclica Laudato Si’, na sua prática.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco