Migrantes e habitação preocupam Amnistia

Maus-tratos infligidos pela polícia são persistentes em Portugal

| 24 Abr 2024

A Amnistia Internacional divulgou na madrugada desta quarta-feira, 24 de abril, o seu relatório anual sobre “O Estado dos Direitos Humanos no mundo”. O documento alerta para o efeito da tecnologia no mundo, que é usada por forças políticas para criar divisões e ódios, e apresenta uma avaliação dos direitos humanos em 155 países. No que diz respeito a Portugal, o documento aponta para diversos casos denunciados por um conjunto de organismos.

Casas na Baixa do Porto: a Amnistia recorda que 9,2 por cento das pessoas em Portugal vivem em habitações sobrelotadas, afetando quase 20 por cento das famílias que estavam em risco de pobreza. Foto © Khachik Simonian/Unsplash

Impunidade entre forças de segurança

O Comité para a Prevenção da Tortura do Conselho da Europa afirma que os maus-tratos aplicados aos detidos por agentes da polícia são uma prática persistente. O relatório reiterou a obrigação das autoridades portuguesas assegurarem investigações sobre estas alegações e aplicarem medidas para combater a impunidade dentro da polícia. A Amnistia recorda também o momento em que o Tribunal da Relação de Évora absolveu um agente da polícia e reduziu as penas de quatro agentes condenados por tortura de migrantes em Odemira. Depois de uma suspensão inicial de funções, todos os sete polícias envolvidos receberam permissão para retomar funções. Um relatório da Provedora de Justiça é também alvo de referência. O documento mostra que a taxa média de ocupação das prisões em dezembro de 2022 era de 100,8 por cento, com 25 das 49 prisões sobrelotadas.

 

Violência e direitos dos migrantes

O relatório da organização de defesa de direitos humanos aponta também para o Comité dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais da ONU, que manifestou preocupação com o “alto nível persistente de violência doméstica” em Portugal. Esta comissão pediu para que as autoridades se debrucem sobre as baixas taxas de acusação para suspeitos de perpetração de violência doméstica, bem como a insuficiente oferta de abrigos para as vítimas que procuram segurança.

O relatório anual governamental sobre segurança interna estimou um aumento de 18,2 por cento no número de pessoas sujeitas a tráfico humano, quase metade para exploração laboral. Um adulto e uma criança morreram e outras 14 pessoas ficaram gravemente feridas, num incêndio numa casa superlotada no bairro da Mouraria. Todos eram migrantes. Dois anos depois de se ter revelado que a Câmara de Lisboa transmitia a funcionários de embaixadas estrangeiras os dados de pessoas que se manifestavam em frente às representações diplomáticas, três ativistas processaram o município de Lisboa por alegadas violações dos seus direitos. O caso foi instaurado um ano depois da Comissão Nacional de Proteção de Dados ter multado a Câmara de Lisboa em 1.200.000 euros por 255 violações da lei de dados.

 

Habitação e ambiente

O Governo português admitiu que havia 86 mil famílias com necessidades habitacionais, o triplo do número de 2018. Dados do Instituto Nacional de Estatística de janeiro estimavam que 9,2 por cento das pessoas viviam em habitações sobrelotadas, afetando quase 20 por cento das famílias que estavam em risco de pobreza.

No que ao ambiente diz respeito, o relatório refere que o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos começou em setembro a ouvir um caso movido por seis jovens portugueses contra 33 países, incluindo Portugal. Fazendo referência a problemas de calor extremo e incêndios florestais, os jovens portugueses argumentaram que os governos estavam a violar os seus direitos humanos ao não fazerem o suficiente para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e protegê-los dos efeitos das alterações climáticas.

Texto redigido por Juliana Batista/revista Fátima Missionária, ao abrigo da parceria com o 7MARGENS.

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This