Meca e Medina só aceitam peregrinos imunizados contra a covid-19

| 6 Abr 21

mesquita meca, Foto Wikipedia Al Jazeera

Mesquita de Meca. Foto © Wikipedia/Al Jazeera

 

A partir do início do Ramadão (no próximo dia 13 de abril) só peregrinos imunizados contra a covid-19 serão aceites em Meca e na Mesquita do Profeta, em Medina, anunciaram as autoridades sauditas sem precisarem quando tal restrição será levantada.

A condição de imunizado será concedida a todos os peregrinos que apresentem prova de terem recebido duas doses de vacina, de terem recebido a primeira dose há pelo menos duas semanas antes de entrarem na Arábia Saudita ou que já tenham tido covid-19, explicava The Guardian na sua edição de 5 de abril.

Números atualizados sobre a pandemia indicam que mais de 6700 pessoas morreram e 393 mil foram infetadas na Arábia Saudita, um país com uma população superior a 34 milhões que já administrou cinco milhões de doses de vacina.

Em 2021, a maior peregrinação a Meca – o hajj – tem lugar na terceira semana de julho e muito provavelmente decorrerá sob as restrições agora anunciadas. Já no ano passado apenas 10 mil residentes puderam realizar o hajj, o que compara com os 2,5 milhões de peregrinos que o reino saudita acolheu na mesma ocasião em 2019.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This