Meca e Medina só aceitam peregrinos imunizados contra a covid-19

| 6 Abr 2021

mesquita meca, Foto Wikipedia Al Jazeera

Mesquita de Meca. Foto © Wikipedia/Al Jazeera

 

A partir do início do Ramadão (no próximo dia 13 de abril) só peregrinos imunizados contra a covid-19 serão aceites em Meca e na Mesquita do Profeta, em Medina, anunciaram as autoridades sauditas sem precisarem quando tal restrição será levantada.

A condição de imunizado será concedida a todos os peregrinos que apresentem prova de terem recebido duas doses de vacina, de terem recebido a primeira dose há pelo menos duas semanas antes de entrarem na Arábia Saudita ou que já tenham tido covid-19, explicava The Guardian na sua edição de 5 de abril.

Números atualizados sobre a pandemia indicam que mais de 6700 pessoas morreram e 393 mil foram infetadas na Arábia Saudita, um país com uma população superior a 34 milhões que já administrou cinco milhões de doses de vacina.

Em 2021, a maior peregrinação a Meca – o hajj – tem lugar na terceira semana de julho e muito provavelmente decorrerá sob as restrições agora anunciadas. Já no ano passado apenas 10 mil residentes puderam realizar o hajj, o que compara com os 2,5 milhões de peregrinos que o reino saudita acolheu na mesma ocasião em 2019.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This