Meditações de Taizé na Semana Santa: a experiência humana plena, incluindo a rejeição e a morte

| 2 Abr 21

“Jesus veio partilhar a experiência humana plena, incluindo a rejeição, o sofrimento e a morte”, diz a irmã Clare, das irmãs de Santo André, que trabalham com a comunidade de Taizé no acolhimento a jovens e famílias, na pequena aldeia da Borgonha (França).

Nas meditações que Taizé está a propor no seu canal YouTube, durante esta Semana Santa do calendário cristão, a irmã Clare toma, para esta Sexta-Feira Santa, o texto do Evangelho Segundo Lucas (23, 33-46) que conta os últimos momentos da vida de Jesus e o diálogo com o designado “bom ladrão”.

“Ao longo de toda a sua vida, Jesus foi ao encontro daqueles que viviam à margem da sociedade, daqueles que haviam sido rejeitados por diversos motivos”, diz a irmã Clare.

“Para nós, enquanto cristãos, vemos aqui o que significa realmente a incarnação – Deus que se faz humano”, acrescenta.

O vídeo com a meditação de Sexta-Feira Santa pode ser visto a seguir (para aceder às legendas em português, clicar na roda dentada, em baixo à direita; aí, selecionar “legendas” e, depois, português):

 

Uma Teofania nos corações humanos

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

As causas que sobrevivem às coisas

As causas que sobrevivem às coisas novidade

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

2022: aprender a construir a paz

2022: aprender a construir a paz novidade

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This