Meditações de Taizé na Semana Santa: “Crescer como pessoas que estamos destinadas a ser”

| 31 Mar 21

“Deus quer que cresçamos, para que nos possamos tornar nas pessoas que estamos destinadas a ser”, diz o irmão Sébastien, de Taizé, nas meditações que a comunidade ecuménica de monges, na Borgonha, está a propor para estes dias de Semana Santa.

Na meditação para esta quarta-feira, 31 de março, o irmão Sébastien parte do episódio em que Simão e três companheiros enchem as redes de peixe, depois de Jesus lhes ter dito para lançarem as redes de novo, após uma noite sem nada pescarem. Uma história, contada no Evangelho Segundo São Lucas (5, 1-11), que traduz a ideia de que, mesmo se não é fácil “compreender a misteriosa presença de Deus”, este “sabe tudo, mas isso nunca é usado como uma arma contra nós”.

O irmão Sébastien recorda que a expressão do Salmo que diz “A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo”, se refere não a “um Deus abstrato, mas ao Deus vivo, o Deus de amor, o único Deus em quem podemos confiar”.

O vídeo pode ser visto a seguir (para aceder às legendas em português, clicar na roda dentada, em baixo à direita; aí, selecionar “legendas” e, depois, português):

 

“Roma, temos um problema” – e este livro ajuda a entendê-lo

Abusos sexuais na Igreja

“Roma, temos um problema” – e este livro ajuda a entendê-lo novidade

Roma, Temos um Problema pode ser apresentado em quatro partes, assumidas aliás pela organização que o autor lhe dá: um primeiro levantamento histórico; uma segunda parte sobre casos marcantes a nível internacional, incluindo alguns pouco conhecidos; e uma terceira parte sobre os casos portugueses até agora vindos a público. Em síntese, faz-se uma descrição e análise de causas e consequências sobre o que aconteceu em 20 séculos de história do cristianismo (sobretudo ocidental).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma Teofania nos corações humanos

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This