Meditações de Taizé na Semana Santa: Um tempo vazio, um intervalo num teatro

| 4 Abr 21

Ícone da Descida ao reino dos mortos: “O sofrimento e a morte de Jesus tornam possível que ele chegue a todos aqueles e aquelas que sofrem.”

O Sábado Santo do calendário cristão, o dia que antecede o Domingo de Páscoa, é um “tempo vazio”, mesmo na narrativa bíblica: não há relatos deste “dia de luto e de interiorização”, mas ele é um dia “com muitas coisas a dizer-nos”, diz o irmão András, de Taizé, na meditação que a comunidade ecuménica de monges propõe para esta Semana.

O tempo de Sábado – como o intervalo num teatro, em que por detrás da cortina já se prepara algo que não vemos – revela “uma tensão da fé”. Ele remonta ao tempo da criação, ao Shabath judaico, traduzindo “a alegria de ter terminado algo” e de ter “tudo o que temos”.

Ligando o dia ao ícone da Ressurreição/Descida ao reino dos mortos, que se pode ver na Igreja da Reconciliação, em Taizé, o irmão András acrescenta: “Neste ícone, vemos como o sofrimento e a morte de Jesus tornam possível que ele chegue a todos aqueles e aquelas que sofrem. Jesus desce ao lugar mais baixo, às prisões feitas por outros ou por nós próprios. Ele deita por terra os portões para libertar todos.”

Nos corações de cada pessoa, acrescenta, há também um espaço vazio. “O silêncio e o vazio podem ser sentidos como uma falta, e vividos como uma ausência. Mas podem tornar-se também um lugar de encontro, um lugar onde Deus fala enquanto se mantém em silêncio, onde Deus se mostra enquanto se mantém invisível, onde cria ao retirar-se, onde está presente enquanto se mantém ausente.”

A comunidade de Taizé, situada na Borgonha (França), a poucos quilómetros de Cluny, tinha reaberto o acolhimento de jovens há pouco tempo. Mas nesta segunda-feira, 5 de Abril, com as novas medidas anunciadas na quarta-feira pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, o acolhimento voltará a fechar.

Este facto voltará a ter consequências na vida da comunidade, do ponto de vista do sustento dos irmãos: estes vivem normalmente do seu trabalho e desde o início da pandemia que diversificaram actividades, começando a produzir bolachas, chás e outros produtos artesanais, ou fazendo, vários deles, trabalhos agrícolas e outros na região. Os produtos para venda estão disponíveis na loja virtual de Taizé.

Desde Quinta-Feira Santa e até este Domingo de Páscoa, a comunidade, que reúne monges católicos e de diversas proveniências evangélicas, propõe um programa especial, animado ao vivo às 18 horas por jovens voluntários, no canal YouTube da comunidade.

O vídeo com a meditação deste Sábado Santo pode ser visto a seguir (para aceder às legendas em português, clicar na roda dentada, em baixo à direita; aí, selecionar “legendas” e, depois, português):

 

Investigação sobre Goa e catolicismo oriental distingue Ângela Xavier na Índia

Infosys premeia historiadora

Investigação sobre Goa e catolicismo oriental distingue Ângela Xavier na Índia novidade

O Prémio Infosys 2021 em Humanidades, da prestigiada fundação indiana Infosys Science Foundation, foi atribuído à historiadora portuguesa Ângela Barreto Xavier “pela sua profunda pesquisa e sofisticada análise da conversão e violência no Império Português na Índia, especialmente em Goa”. O júri destaca a contribuição significativa da galardoada para a “história social e cultural do colonialismo português”, concretizando uma voz “importante e original” no que à história colonial e imperial diz respeito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Novo arcebispo de Braga quer “portas abertas” para todos novidade

O novo arcebispo de Braga, D. José Cordeiro, saudou a sua nova diocese manifestando a vontade de construir uma “Igreja em saída” missionária e “uma Igreja sinodal samaritana de portas abertas para todos”. O até agora bispo de Bragança-Miranda propõe as atitudes de escuta, conversão, confiança, comunhão, coragem criativa e oração como “caminhos sempre a percorrer no processo sinodal para uma Igreja de hoje”.

Dois terços dos jovens adultos católicos não vão à missa

EUA

Dois terços dos jovens adultos católicos não vão à missa novidade

Mais de um terço (36%) dos jovens adultos católicos americanos nunca frequentava a missa e quase um terço (31%) raramente o fazia, revela um inquérito realizado pelo centro de estudos CARA e divulgado esta quinta-feira, 2 de dezembro. Os dados recolhidos dizem respeito às práticas deste grupo anteriores à pandemia.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This