Festival de documentário

Melgaço com 32 filmes e tributo a Jean-Loup Passek

| 25 Jul 2022

Imagem do filme Paraíso, de Sérgio Trefaut. Foto © Diretos Reservados

Imagem do filme Paraíso, de Sérgio Trefaut. Foto © Direitos Reservados

 

Não é uma “Viagem ao Princípio do Mundo” (Oliveira) antes uma “Peregrinação Exemplar” (Bresson) ao MDOC/Festival Internacional de Documentário de Melgaço, com exibição de 32 filmes de 12 países, exposições, debates, cursos de Verão, residências cinematográficas e, nesta oitava edição, “X-RayDoc”, título da novíssima secção e curiosidade acrescida diante do clássico “Cabra Marcada para Morrer” (1984) de Eduardo Coutinho, filme épico do cinema brasileiro. De 1 a 7 de Agosto Identidade/ Memória/Fronteira têm encontro marcado nesta terra de fronteira do Alto Minho.

Comecemos pela mais recente aposta do Festival intitulada “X-RayDoc”, com coordenação de Jorge Campos, jornalista, professor e cineasta, autor de vários documentários, entre os quais, “O Meu Coração Ficará no Porto” e “Os Dias de Mário Cláudio: Tocata e Fuga”. O programador da Porto 2001/ Capital Europeia da Cultura será o responsável da apresentação do filme e tem a seu cargo a conversa/debate com Luís Mendonça. “É um filme extraordinariamente importante, rodado ao longo de 20 anos. Começa em democracia, atravessa a ditadura e é retomado, de novo, em democracia”, referiu.

Na reflexão à “Cabra Marcada para Morrer”, o responsável pela iniciativa contextualiza o tempo e o modo como o filme foi concebido, entre o golpe de Estado de João Goulart (1946/1964) e o governo do general Baptista de Figueiredo (1979/1985) ou seja, o último presidente da Ditadura militar brasileira. “É um filme feito de materiais pobres porque pobres são aqueles que o habitam. A logística é a de uma pequena equipa de reportagem. Equipamentos leves, grande mobilidade, som síncrono. Coutinho faz perguntas. Investiga. Viaja. Sobretudo, conversa. Descobre o filho mais velho de Elisabeth Teixeira, Abraão, no sertão da Paraíba e através dele fica a saber que ela vive, ainda na clandestinidade, num lugar remoto do Rio Grande do Norte onde nem sequer chegou a televisão (…)” escreveu Jorge Campos na reflexão sobre o filme de Eduardo Coutinho.

Voltemos ao festival feito no “sítio mais impensável” (Manoel Baptista, presidente da Câmara de Melgaço, durante a sua apresentação, nas galerias Mira, Porto) e cuja geografia continua, ano após ano, a constituir “uma grande alegria e privilégio” no sentido de animar culturalmente o território, a região e o país.

Assim, na competição ao cobiçado Prémio Jean-Loup Passek cujo festival presta, anualmente, homenagem ao historiador e crítico francês e ao Prémio D. Quixote, encontram-se 32 filmes a concurso tais como: “Mara”, de Sasha Kulak (França); ”Alcindo”, de Miguel Dores, a partir da história do homicídio de Alcindo Monteiro, no Bairro Alto; “Paraíso”, de Sérgio Tréfaut, rodado no Brasil; “Viagem ao Sol”, de Ansgar Schaefer/ Suzana de Sousa Dias, investigadora e cineasta já galardoada em 2019 com o prémio para o melhor documentário.

Pela narrativa assente em testemunhos de crianças austríacas, enviadas para Portugal após a II Guerra Mundial, o filme está a causar, naturalmente, forte expectativa. Na secção Curtas e Médias realce para algumas obras: “Paz”, de José Oliveira/Marta Ramos; “Transit”, de Hugo dos Santos; “Quis saber quem sou”, de António Aleixo e “In Flow of Words”, de Eliane Esther Bots.

O júri oficial é formado por Aida Vallejo, professora de cinema Anna Huth, directora do Instituto de Cinema e Artes Teatrais da Universidade da Silésia, na Polónia; Carlos Natálio, crítico de cinema e professor na Escola das Artes da UCP; Juan Pablo Gonzalez, realizador mexicano e professor no Instituto de Artes da Califórnia e Marion Schmidt,co-diretora da Documentary Association of Europe. O Prémio D. Quixote é atribuído pela Federação Internacional de Cineclubes.

 

Identidade/Memória/Fronteira

Num festival marcado pela diversidade de propostas, experimentação e estudo, acontecem várias cursos de verão, residências artísticas, projectos assentes no triângulo Identidade/Memória/Fronteira. No seminário “Fora do Campo”, orientado por José da Silva Ribeiro, estará em confronto o binómio Antropologia Visual/Antropologia e Cinema, onde os participantes serão levados a discutir “projectos de pesquisa, produção audiovisual e narrativas digitais”.

No “Plano Frontal”, orientado pelo cineasta Pedro Sena Nunes, a residência cinematográfica e fotográfica irá trocar experiências e contribuir no alargamento do arquivo audiovisual e património imaterial de Melgaço. Neste âmbito, serão apresentados os documentários e exposições de fotografia produzidos em 2021. Não é tudo: em colaboração com La Plantación, a realizadora Mercedes Álvarez orientará a oficina “Olhar e Filmar” e Filipe M. Guerra inicia os mais jovens no mundo do documentário.

Por fim, o geógrafo Álvaro Domingues, outra presença habitual no festival, coordenará o projecto “Quem somos os que aqui estamos”, este ano tendo como foco as freguesias de Lamas de Mouro e Castro Laboreiro e João Gigante apresenta o projecto fotográfico “Uma Paisagem dita Casa”.

Resta, ainda, uma notícia preciosa: no Museu de Cinema Jean-Loup Passek (1936-2016) está agendada a inauguração (dia 1 de Agosto, 18 horas) de uma exposição intitulada Cinema Português, pretexto para prestar homenagem ao fundador do Museu, cujo valioso espólio tem vindo a ser estudado e catalogado com vista à sua conservação e também ao estabelecimento de uma parceria com o Festival de Cinema de La Rochelle, fundado e dirigido durante vários anos pelo crítico, investigador e colecionador de Cinema.

No âmbito das residências de criação realizadas no ano passado, o Festival dará continuidade a este tipo de criações e, em 2022, exibirá quatro documentários: A Inverneira de Pontes, de Luís Miguel Pereira; Alua Pólen – Para Ela, D’Ele, de Beatriz Walviesse Dias; Até ao Amanhecer, de José Luís Peixoto, Henrique Queirós e Sebastião Guimarães; e Cristóval – Pontebarxas, de Alexandra Guimarães e Gonçalo Almeida. Contas feitas, já foram produzidos 28 filmes desde 2015. Nada mau na contabilidade de um festival com seis anos de vida e um longo futuro pela frente.

O Festival Internacional de Documentário de Melgaço é organizado pela Associação Ao Norte e desde o seu início, tem assegurado a colaboração da Câmara Municipal de Melgaço.

 

Manuel Vitorino é jornalista

Luigino Bruni: “Se organizarmos a JMJ Lisboa como há dez anos, será um falhanço total”

Diretor d'A Economia de Francisco, em Assis, ao 7M

Luigino Bruni: “Se organizarmos a JMJ Lisboa como há dez anos, será um falhanço total” novidade

Professor de Economia Política da Universidade Lumsa de Roma, e consultor do Dicastério para os Leigos, Luigino Bruni é um apaixonado pela Bíblia e pelo cruzamento entre disciplinas como a Ética e a Economia. No final do encontro global d’A Economia de Francisco, que decorreu entre os passados dias 22 e 24 de setembro em Assis, falou ao 7MARGENS sobre o balanço que faz desta iniciativa, e deixou alguns conselhos aos organizadores da Jornada Mundial da Juventude 2023, que irá realizar-se em Lisboa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Prémio D. António Francisco homenageou pediatria e Serviço Nacional de Saúde

Ala pediátrica do São João e Centro Materno Infantil

Prémio D. António Francisco homenageou pediatria e Serviço Nacional de Saúde novidade

A ala pediátrica do Centro Hospitalar Universitário de São João e o Centro Materno Infantil do Norte (CMIN) receberam, ao início da tarde desta segunda-feira, o Prémio D. António Francisco correspondente à edição deste galardão para o ano de 2020. Em virtude da pandemia, o prémio só agora foi entregue, em cerimónia que decorreu no Palácio da Bolsa, no Porto. Ambas as entidades foram consideradas pelo júri como cumprindo “de forma exemplar os valores do Prémio”, que com esta atribuição fqaz também um “reconhecimento público ao Serviço Nacional de Saúde, pelo esforço desenvolvido na resposta à pandemia”.

Agenda

Fale connosco

Autores