“Melhor cidadão da Índia” é um padre católico que apoia crianças pobres

| 26 Abr 19 | Boas Notícias, Newsletter, Pessoas, Últimas

O padre Vineeth George, numa foto reproduzida do seu perfil na rede Facebook.

O “melhor cidadão da Índia”, título de um prémio atribuído por uma importante editora indiana, é um padre católico: Vineeth George, de 38 anos, membro da Congregação Claretiana e padre há apenas cinco anos, já tinha trabalhado numa multinacional de computadores, na General Electric, no importante jornal nacional Deccan Chronicle e no Ministério da Energia. Mas tudo isso, sempre desempenhado “com profissionalismo”, foi até há doze anos, quando decidiu ser padre, acabando a ser ordenado em Janeiro de 2014.

“A minha vocação é um presente, nascido durante a minha infância. Sempre pensei que devia usar os talentos que Deus me tinha dado para trabalhar na Igreja”, diz o padre Vineeth, citado pela AsiaNews.

Membro da Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (conhecidos como Claretianos), o padre George decidiu dedicar-se à formação de crianças e jovens de aldeias tribais dos distritos rurais dos Estados do norte da Índia. “Antes de entrar no seminário, trabalhei em educação: prestei serviços num centro de capacitação vocacional numa área remota do distrito de Rewari” (Haryana, arquidiocese de Deli).

O centro educativo, conta ainda Vineeth George, citado pela mesma fonte, está situado numa área habitada apenas por hindus, onde não há qualquer presença cristã. Com 30 crianças, rapazes e raparigas que abandonaram a escola, o centro educativo oferece cursos de costura e estética ou de electricista e canalizador.

Após a ordenação, diz o padre Vineeth à AsiaNews, o seu primeiro trabalho foi numa paróquia na diocese de Daltonganj, no estado de Jharkhand (nordeste), onde também ensinou inglês a jovens de aldeias pobres, que frequentavam a escola da paróquia. Estes compromissos continuam a par com o doutoramento que está a preparar, em Comportamento Organizacional no Indian Institute of Technology de Hyderabad, uma das universidades mais prestigiadas do país. Ao mesmo tempo, apoia ou participa em iniciativas de recolha de fundos para apoiar as comunidades pobres da região.

Desde que decidiu ser padre e entrar no seminário, Vineeth George ensinou no St Claret College, universidade da congregação a que pertence. Entre 2015 e 2018, desempenhou o cargo de vice-reitor da mesma universidade.

O prémio de “melhor cidadão da Índia” foi entregue na semana passada – Semana Santa para os cristãos –, atribuído pela International Publishing House, importante editora especializada em textos biográficos, que desse modo reconhece o mérito do trabalho do padre Vineeth com as populações jovens desfavorecidas.

Os Missionários Claretianos, nascidos em Vic (a cerca de 60 quilómetros a norte de Barcelona) em Julho de 1849, são assim conhecidos por causa do nome do seu fundador, o arcebispo António Maria Claret. Dedica,-se, como se pode ler na página da congregação em Portugal, “ao ministério da palavra de Deus, em resposta às necessidades mais urgentes, com os conteúdos mais oportunos e os meios mais eficazes”.

Presentes em Portugal desde 1898, a província portuguesa (circunscrição eclesiástica) é autónoma desde 1956. Com 3000 membros em 2013, há 74 claretianos na província portuguesa, a trabalhar em Angola,  São Tomé e Príncipe e Portugal. Actualmente, os claretianos portugueses trabalham em colégios, lares de estudantes e residências universitárias, várias paróquias e missões, instituições de solidariedade social, seminários e ensino, entre outras actividades.

Há um mês, o título de melhor professor do mundo foi atribuído a outro padre católico, neste caso um franciscano, o queniano Peter Mokaya Tabichi, como o 7MARGENS noticiou

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco