Memória de Maria

| 26 Dez 2020

Maria e o Menino, pormenor da obra “Descanso na Fuga para o Egito” (1594-1596), Caravaggio / Wikimedia Commons

 

Neste dia nasceu Jesus
Todos os anos vos conto como foi
Para que se mantenha viva a Sua memória

Esperava-O desde que me lembro
Mesmo antes do Anjo já sonhava com Ele
Mas quando soube que O tinha em mim, estremeci
Ao perceber que se cumpria a Sua Presença
Em que eu acreditei sempre

No dia seguinte a vida seguiu igual
Só eu estava diferente
O mistério indizível crescia em mim
Sentia a Salvação mexer-se no meu ventre
E apesar dos enjoos normais acreditava

Quando chegou a altura de partir
Custava-me andar e não foi fácil a viagem
Sentada no burrico sonhei com Jesus feito homem
Também Ele assim entrava em Jerusalém
E entre o pó e o calor imenso acreditei

Procurámos pousada quando chegámos
E eu humanamente pensei que as portas se abririam
Mas a noite e o frio caíram sobre nós
Somente a natureza nos abrigou numa gruta
E limpando uma manjedoura continuei a acreditar

Quando chegou o momento fiz força como as outras mulheres
E como elas gritei encostada a José
No silêncio só ouvia a respiração melodiosa dos animais
No céu uma estrela em particular brilhava ardentemente
E envolto em sangue e palha segurei e acreditei no Filho de Deus

O seu corpo quente estava mudo e inerte
E conheci a agonia que me iria acompanhar
Chorando e gemendo disse “Meu Deus porque me abandonaste?”
E docemente o apertei contra o meu peito e o beijei
E diante dos meus olhos chorou pela primeira vez, e eu acreditei

Naquele momento aquela criança divina era apenas o meu filho
Cortei o cordão que nos ligava com os meus dentes
A sua primeira ceia foi o meu leite
O que aconteceu depois já o sabeis, Jesus entrou na história
E eu continuei a amá-lo, acreditando sempre

 

Liomarevi (pseudónimo literário), 26 de Dezembro de 2020

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This