Metade das crianças do mundo são vítimas de violência. Países falham na prevenção, denuncia ONU

| 19 Jun 20

Um rapaz de 13 anos transporta água no campo Ammar Bin Yasser, destinado a pessoas deslocadas por causa do conflito no Iémen. Foto © UNICEF 

Aproximadamente mil milhões de crianças, cerca de metade no mundo inteiro, são anualmente vítimas de violência física, sexual ou psicológica. A informação é avançada pelo relatório publicado esta quinta-feira numa iniciativa conjunta de diversas agências das Nações Unidas, que acusam a generalidade dos países de não cumprir as estratégias estabelecidas para proteger os menores.

De acordo com o Relatório sobre o estado global da Prevenção da Violência Contra as Crianças, de 2020, o primeiro do género a diagnosticar a evolução da violência contra as crianças em 155 estados, “embora quase todos os países (88%) possuam leis importantes para proteger as crianças da violência, menos de metade (47%) afirmou que essas legislações estão a ser aplicadas consistentemente”.

O relatório revela que 300 milhões de crianças dos dois aos quatro anos são frequentemente submetidas a castigos violentos pelos seus cuidadores e que um terço dos estudantes dos 11 aos 15 anos foram vítimas de intimidação por parte dos seus pares no último mês.

Calcula-se ainda que 120 milhões de raparigas tenham tido algum tipo de contacto sexual contra a sua vontade antes dos 20 anos e que uma em cada quatro crianças no mundo viva com uma mãe vítima de violência doméstica.

O estudo divulga também as primeiras estimativas globais sobre homicídios de menores de 18 anos, revelando que, em 2017, cerca de 40.150 crianças foram assassinadas em todo o mundo.

A pandemia de covid-19 e as medidas tomadas para a sua contenção por parte da generalidade dos países “influenciaram enormemente a prevalência de atos de violência contra as crianças e o mais provável é que tenham consequências adversas de longa duração”, acrescenta o relatório.

“A violência contra as crianças sempre foi generalizada e as coisas podem piorar agora”, alertou Henrietta Fore, diretora geral da UNICEF, uma das entidades envolvidas no estudo. “Confinamento, escolas fechadas, restrições à liberdade de circulação, deixaram muitas crianças presas com aqueles que as maltratam, sem os espaços seguros que as escolas normalmente ofereceriam. Há uma necessidade urgente de ampliar os esforços para proteger as crianças nesses períodos e não só, incluindo a designação dos trabalhadores dos serviços sociais como essenciais, e o fortalecimento das linhas de assistência à infância”.

Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), que também contribuiu para a realização do relatório, afirmou por seu lado que “nunca há desculpa para a violência contra crianças”. “Dispomos de comprovados instrumentos para preveni-la e pedimos a todos os Estados para implementá-las. Proteger a saúde e o bem-estar das crianças é crucial para proteger a saúde e o bem-estar coletivos, agora e no futuro.”

 

ONG criticam retirada do Iémen da “lista negra” 

Num outro relatório divulgado na segunda-feira,15 de junho, pela ONU, que referencia os Estados e grupos que violam os direitos das crianças, foi retirada da lista a coligação liderada pela Arábia Saudita a operar no Iémen. Esta alteração, que segundo o documento fica a dever-se a uma diminuição dos crimes contra crianças naquele país, está a ser fortemente criticada por diversas organizações de defesa dos direitos humanos e dos direitos das crianças.

Esta decisão ignora “as próprias provas da ONU sobre a continuação das violações graves contra as crianças” no Iémen, realçou a dirigente da Human Rights Watch, Jo Becker, que alertou também para a retirada de países como a Rússia e Israel. “O secretário-geral da ONU expõe as crianças a novos ataques e prejudica seriamente um mecanismo importante de responsabilização”, considerou, por seu lado, a Watchlist on Children and Armed Conflict.

Em conferência de imprensa, a enviada de Guterres para as crianças e os conflitos armados, Virginia Gamba, assegurou que a ONU não tinha sofrido “qualquer pressão” da Arábia Saudita e que o relatório se baseava em “números”.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Autor de clip de protesto viral preso pelas autoridades iranianas

Assassínio de Masha Amini

Autor de clip de protesto viral preso pelas autoridades iranianas

O artista iraniano Shervin Hajipour, cujo clip de música de apoio aos protestos populares contra o assassínio de Masha Amini teve milhões de visualizações em poucos dias, foi preso no dia 29 de setembro, de acordo com a Iran Human Rights. Veja aqui o clip.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Dia 4 de outubro

Filme “A Carta” exibido em Campo de Ourique

O documentário “A Carta” que relata a história da Encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco vai ser exibido no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo na terça-feira, dia 4 de outubro, às 21h15.

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Apoio escolar a crianças de Cabo Delgado

Cristãos e muçulmanos juntos

Apoio escolar a crianças de Cabo Delgado

A tragédia que ocorre na província moçambicana de Cabo Delgado em consequência de ataques de insurgentes que se reivindicam do jihadismo obriga, constantemente, a rever o número de mortos e de deslocados. Mas também impõe que se olhe com muita atenção para o trabalho de apoio aos que se apresentam numa situação mais vulnerável

É notícia

Entre margens

John Rawls: a religião nos limites da razão

John Rawls: a religião nos limites da razão

John Rawls nasceu há pouco mais de 100 anos (21.2.1921) e A theory of justice, a sua obra mais conhecida e seguramente o mais importante tratado de filosofia política de todo o século XX, data de 1971. Duas datas que os amantes da liberdade e da democracia política têm abundantes razões para celebrar, mas quase despercebidas na imprensa e na pomposamente chamada academia, territórios onde a razão serena vem tendo evidente dificuldade em singrar.

Como árvores desfolhadas

Como árvores desfolhadas

Um dia destes, alguém chamou a minha atenção para as duas árvores defronte à minha casa. Duas árvores da mesma natureza; mas enquanto uma delas estava coberta de folhas, a outra estava desfolhada.

Cultura e artes

Como podem a fé e a amizade salvar o planeta? O documentário “A Carta” responde

Estreia no YouTube

Como podem a fé e a amizade salvar o planeta? O documentário “A Carta” responde

Estreia esta terça-feira, 4 de outubro, o documentário “The letter. A message for our earth” (em português, “A Carta. Uma mensagem para o nosso planeta”), que apresenta quatro protagonistas (um refugiado climático do Senegal, uma ativista adolescente da Índia, cientistas do Havaí e um indígena da Amazónia brasileira), em diálogo com o Papa Francisco. A estreia mundial decorre no Vaticano, por ocasião da festa de São Francisco de Assis, pelas 10h30 (hora de Portugal continental), no canal do Vatican News no YouTube.

Sete Partidas

Vigília

Vigília

Cai a noite. Esta noite é em Berlim. As noites são agora aqui, mas já foram em Coimbra, no Porto, em Lisboa. E estas noites acontecem em todo o mundo, disso tenho a certeza. O que faz um(a) médico(a) passar a noite à volta de um doente que sabe que, após uma primeira avaliação, é quase certo que não vai sobreviver? É quase certo.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This