A covid-19 e o G20

Metropolita ortodoxo quer reconhecimento mútuo das vacinas

| 2 Nov 2021

Metropolita Hilarion de Volokolamsk (ao meio na foto) com preocupações sobre as vacinas russas. Foto © Wikimedia Commons

 

Os países do G20 deveriam pôr de lado as suas diferenças políticas para salvar a vida e a saúde das pessoas durante a pandemia do coronavírus, aceitando o reconhecimento mútuo das vacinas, disse o metropolita Hilarion, um dos principais responsáveis da Igreja Ortodoxa Russa.

“A questão de uma interacção mais estreita entre os países do G20 há muito que se fazia esperar, especialmente na situação actual da pandemia”, afirmou o chefe do Departamento Sinodal para as Relações Externas da Igreja, no programa Igreja e o Mundo na televisão Rossiya-24.

Citado pela agência Interfax, Hilarion acrescentou: “Devemos compreender que os países do G20 podem ter diferenças consideráveis, a um nível político em particular, mas quando se trata da saúde das pessoas, quando se trata da vida das pessoas, quando se trata de um desafio comum a toda a humanidade, as diferenças políticas devem ser postas de lado.”

O metropolita referia-se indirectamente à questão das vacinas russas e do reconhecimento mútuo que o país tem pedido. As vacinas russas não são piores do que as ocidentais, defendeu o metropolita, mas as pessoas vacinadas no país sofrem discriminação quando vêm para países ocidentais, considera.

A União Europeia tem códigos QR especiais que as pessoas utilizam para entrar em restaurantes e outros locais públicos, referiu ainda o responsável. “É impossível receber tal código QR se uma pessoa for vacinada, digamos, com uma vacina russa, e não com nenhuma das vacinas aprovadas na UE.” Mas a mesma coisa funciona ao contrário; ou seja: as vacinas ocidentais não são reconhecidas na Rússia. “Por isso, é claro, esta questão está atrasada, e gostaríamos de esperar que seja resolvida”, disse o metropolita.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim” novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This