Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

| 23 Set 20

Michael Lonsdalee, em Abril de 2013 © Claude Truong-Ngoc / Wikimedia Commons

 

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes. E foi também o irmão Luc, no filme Dos Homens e dos Deuses, que reconstituía a história dos monges trapistas assassinados no Atlas argelino, e cuja interpretação lhe valeu o prémio César de melhor actor secundário, em 2011.

Foi amigo de Marguerite Duras e de Samuel Beckett, recordava, em 2010, o primeiro número do jornal francês L’1visible, que fez de uma entrevista com ele o seu tema de capa, acrescentando que Michael Lonsdale nasceu num dia de Pentecostes e que o Espírito Santo era, então, o seu oxigénio.

O jornal decidira escutá-lo a partir de uma série de perguntas de questionário rápido, sobre a sua actividade e o seu olhar sobre a vida e a fé. Essa entrevista foi agora recuperada pelo jornal e aqui se reproduz a seguir a tradução.

Michael Lonsdale

Michael Lonsdale na capa do primeiro L’1visible.

Qual é o principal traço do seu carácter?
A vontade de conhecer. Não a curiosidade, mas a necessidade de conhecer.

O que gostaria de ser?
O que sou, um artista. Nenhum lamento!

Que defeito reconhece em si?
A lentidão.

Que virtude cultiva?
A sede dos outros, de os conhecer, de os amar.

A sua maior asneira?
Não ter cumprido a vontade da minha madrinha de ir ver Marthe Robin, uma grande mística. Lamentei-o muito e ainda o lamento agora.

O seu sonho mais louco?
Que a humanidade responda às palavras de Cristo: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei.”

Que faz ao domingo?
Trabalho muito! No teatro, ou diante das telas quando pinto. E depois a missa. Repouso entre dois trabalhos.

Em que pensa mais frequentemente durante o dia?
Em Cristo.

Qual é o seu primeiro gesto de manhã?
Abrir os olhos!

O seu herói?
É um religioso. O padre Maurice Zundel. Por causa da sua profundidade, da sua capacidade de nunca dizer mal dos outros. É um verdadeiro herói da fé.

O seu santo preferido?
Santa Teresa de Lisieux.

O seu actor favorito?
Charles Laughton e Michel Simon.

A sua pior filmagem?
Foi em 1984 com Coluche, em Le Bon Roi Dagobert. Foi verdadeiramente terrível…

A sua cor?
Azul-esverdeado. A cor do céu e da natureza.

O seu pintor preferido?
Cézanne.

A sua estação do ano?
O Verão. Quando há mais luz.

A última vez em que se confessou?
Vejamos… Há dois, três meses.

Quem lhe mostrou o caminho para Deus?
A minha madrinha, Denise Robert. Uma mulher cega, mas uma mulher de luz, que me levou à fonte baptismal quando eu tinha 22 anos.

Um grande testemunho de fé?
S. Francisco de Assis.

A palavra que mais detesta?
Hipocrisia. É terrível ser hipócrita.

Quem mais gostaria de encontrar frente-a-frente?
Pergunta difícil! Há tanta gente…

O nome do seu pároco?
Pierre-Marie. É o fundador das Fraternités de Jérusalem e o pároco de Saint-Gervais, em Paris. Se não, há também Jean-Pierre, meu confessor.

O lugar onde gostaria mais de viver?
Onde me encontro agora. É preciso viver no presente.

Como cultiva a sua vida interior?
Pela oração silenciosa e a intercessão pelas pessoas que amo, pelas que sofrem, que estão em dificuldade.

A sua oração preferida?
O Pai-nosso.

Como gostaria de morrer?
Tranquilamente, em paz. Em Deus sobretudo.

 

(A tradução desta entrevista foi publicada pela primeira vez no blogue os dias da semana a 7/2/2010.)

 

A ideia de Deus

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade novidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos

Editorial

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos novidade

Hoje, todos os leitores receberão um inquérito organizado pelo 7MARGENS como forma de auscultação de quem nos tem acompanhado nesta aventura editorial que iniciámos há dias, relacionada com o Sínodo dos Bispos que se inicia no próximo dia 9 de outubro. É a primeira vez que tomamos uma iniciativa deste género.

EUA deportam haitianos para um “país colapsado”

Ponte aérea "inumana"

EUA deportam haitianos para um “país colapsado”

Há 13 mil pessoas debaixo da ponte que liga Del Rio, no Texas (EUA), a Ciudad Acuña, no México, para tentar atravessar deste país para os EUA. Desde domingo, um ritmo de sete aviões por dia começaram a levar essas pessoas de volta ao seu país. No principal aeroporto do Haiti, muitos deportados tentaram voltar para o avião. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This