Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

| 23 Set 20

Michael Lonsdalee, em Abril de 2013 © Claude Truong-Ngoc / Wikimedia Commons

 

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes. E foi também o irmão Luc, no filme Dos Homens e dos Deuses, que reconstituía a história dos monges trapistas assassinados no Atlas argelino, e cuja interpretação lhe valeu o prémio César de melhor actor secundário, em 2011.

Foi amigo de Marguerite Duras e de Samuel Beckett, recordava, em 2010, o primeiro número do jornal francês L’1visible, que fez de uma entrevista com ele o seu tema de capa, acrescentando que Michael Lonsdale nasceu num dia de Pentecostes e que o Espírito Santo era, então, o seu oxigénio.

O jornal decidira escutá-lo a partir de uma série de perguntas de questionário rápido, sobre a sua actividade e o seu olhar sobre a vida e a fé. Essa entrevista foi agora recuperada pelo jornal e aqui se reproduz a seguir a tradução.

Michael Lonsdale

Michael Lonsdale na capa do primeiro L’1visible.

Qual é o principal traço do seu carácter?
A vontade de conhecer. Não a curiosidade, mas a necessidade de conhecer.

O que gostaria de ser?
O que sou, um artista. Nenhum lamento!

Que defeito reconhece em si?
A lentidão.

Que virtude cultiva?
A sede dos outros, de os conhecer, de os amar.

A sua maior asneira?
Não ter cumprido a vontade da minha madrinha de ir ver Marthe Robin, uma grande mística. Lamentei-o muito e ainda o lamento agora.

O seu sonho mais louco?
Que a humanidade responda às palavras de Cristo: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei.”

Que faz ao domingo?
Trabalho muito! No teatro, ou diante das telas quando pinto. E depois a missa. Repouso entre dois trabalhos.

Em que pensa mais frequentemente durante o dia?
Em Cristo.

Qual é o seu primeiro gesto de manhã?
Abrir os olhos!

O seu herói?
É um religioso. O padre Maurice Zundel. Por causa da sua profundidade, da sua capacidade de nunca dizer mal dos outros. É um verdadeiro herói da fé.

O seu santo preferido?
Santa Teresa de Lisieux.

O seu actor favorito?
Charles Laughton e Michel Simon.

A sua pior filmagem?
Foi em 1984 com Coluche, em Le Bon Roi Dagobert. Foi verdadeiramente terrível…

A sua cor?
Azul-esverdeado. A cor do céu e da natureza.

O seu pintor preferido?
Cézanne.

A sua estação do ano?
O Verão. Quando há mais luz.

A última vez em que se confessou?
Vejamos… Há dois, três meses.

Quem lhe mostrou o caminho para Deus?
A minha madrinha, Denise Robert. Uma mulher cega, mas uma mulher de luz, que me levou à fonte baptismal quando eu tinha 22 anos.

Um grande testemunho de fé?
S. Francisco de Assis.

A palavra que mais detesta?
Hipocrisia. É terrível ser hipócrita.

Quem mais gostaria de encontrar frente-a-frente?
Pergunta difícil! Há tanta gente…

O nome do seu pároco?
Pierre-Marie. É o fundador das Fraternités de Jérusalem e o pároco de Saint-Gervais, em Paris. Se não, há também Jean-Pierre, meu confessor.

O lugar onde gostaria mais de viver?
Onde me encontro agora. É preciso viver no presente.

Como cultiva a sua vida interior?
Pela oração silenciosa e a intercessão pelas pessoas que amo, pelas que sofrem, que estão em dificuldade.

A sua oração preferida?
O Pai-nosso.

Como gostaria de morrer?
Tranquilamente, em paz. Em Deus sobretudo.

 

(A tradução desta entrevista foi publicada pela primeira vez no blogue os dias da semana a 7/2/2010.)

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Fátima entra no Inverno e mantém restrições novidade

O Santuário de Fátima anunciou que, a partir do próximo dia 1 de Novembro, domingo, entra em vigor o horário de Inverno do programa celebrativo na instituição, mantendo entretanto em vigor as regras definias pelas autoridades de saúde para o combate à pandemia.

Uma viagem global pela santidade com o padre Adelino Ascenso

Do Tibete a Varanasi e ao Líbano, do budismo ao cristianismo, passando pelo hinduísmo. Uma viagem pela santidade em tempos de globalização é o que irá propor o padre Adelino Ascenso, no âmbito do Seminário Internacional de Estudos Globais, numa sessão presencial e em vídeo.

Uma “Teo Conversa” no Facebook

A propósito da nova revista de Teologia Ad Aeternum, a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona vai iniciar nesta quinta-feira, 29, às 22h (19h em Brasília) um conjunto de debates em vídeo, que podem ser acompanhados na respectiva página no Facebook. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Entre margens

“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo novidade

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

Este país ainda não é para velhos

A pandemia só veio tornar evidente o abandono social dos mais velhos. Colocar um familiar num lar de idosos tornou-se potencialmente perigoso, por isso há que apostar num novo modelo de respostas sociais para os seniores.

Uma espiritualidade com ou sem Deus?

Sempre que o Homem procura ser o centro-de-si-mesmo, o individualismo e o relativismo crescem gerando o autoconsumo de si mesmo. Espiritualmente, há uma espiral autocentrada presente nos livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, que na bondade da intenção, não têm a capacidade de ajudar a sair de um ciclo vicioso egoísta e possessivo. No vazio cabem sempre muitas coisas, mas nenhuma se encaixa verdadeiramente.

Cultura e artes

Museus do Vaticano com cursos e iniciativas online

Os Patronos de Artes dos Museus do Vaticano lançaram uma série de iniciativas e cursos em vídeo, que incluem conferências ao vivo ou uma “hora do café” de perguntas e respostas com especialistas. O objectivo é que os participantes e apoiantes dos museus permaneçam ligados durante a pandemia.

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco