Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

| 23 Set 20

Michael Lonsdalee, em Abril de 2013 © Claude Truong-Ngoc / Wikimedia Commons

 

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes. E foi também o irmão Luc, no filme Dos Homens e dos Deuses, que reconstituía a história dos monges trapistas assassinados no Atlas argelino, e cuja interpretação lhe valeu o prémio César de melhor actor secundário, em 2011.

Foi amigo de Marguerite Duras e de Samuel Beckett, recordava, em 2010, o primeiro número do jornal francês L’1visible, que fez de uma entrevista com ele o seu tema de capa, acrescentando que Michael Lonsdale nasceu num dia de Pentecostes e que o Espírito Santo era, então, o seu oxigénio.

O jornal decidira escutá-lo a partir de uma série de perguntas de questionário rápido, sobre a sua actividade e o seu olhar sobre a vida e a fé. Essa entrevista foi agora recuperada pelo jornal e aqui se reproduz a seguir a tradução.

Michael Lonsdale

Michael Lonsdale na capa do primeiro L’1visible.

Qual é o principal traço do seu carácter?
A vontade de conhecer. Não a curiosidade, mas a necessidade de conhecer.

O que gostaria de ser?
O que sou, um artista. Nenhum lamento!

Que defeito reconhece em si?
A lentidão.

Que virtude cultiva?
A sede dos outros, de os conhecer, de os amar.

A sua maior asneira?
Não ter cumprido a vontade da minha madrinha de ir ver Marthe Robin, uma grande mística. Lamentei-o muito e ainda o lamento agora.

O seu sonho mais louco?
Que a humanidade responda às palavras de Cristo: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei.”

Que faz ao domingo?
Trabalho muito! No teatro, ou diante das telas quando pinto. E depois a missa. Repouso entre dois trabalhos.

Em que pensa mais frequentemente durante o dia?
Em Cristo.

Qual é o seu primeiro gesto de manhã?
Abrir os olhos!

O seu herói?
É um religioso. O padre Maurice Zundel. Por causa da sua profundidade, da sua capacidade de nunca dizer mal dos outros. É um verdadeiro herói da fé.

O seu santo preferido?
Santa Teresa de Lisieux.

O seu actor favorito?
Charles Laughton e Michel Simon.

A sua pior filmagem?
Foi em 1984 com Coluche, em Le Bon Roi Dagobert. Foi verdadeiramente terrível…

A sua cor?
Azul-esverdeado. A cor do céu e da natureza.

O seu pintor preferido?
Cézanne.

A sua estação do ano?
O Verão. Quando há mais luz.

A última vez em que se confessou?
Vejamos… Há dois, três meses.

Quem lhe mostrou o caminho para Deus?
A minha madrinha, Denise Robert. Uma mulher cega, mas uma mulher de luz, que me levou à fonte baptismal quando eu tinha 22 anos.

Um grande testemunho de fé?
S. Francisco de Assis.

A palavra que mais detesta?
Hipocrisia. É terrível ser hipócrita.

Quem mais gostaria de encontrar frente-a-frente?
Pergunta difícil! Há tanta gente…

O nome do seu pároco?
Pierre-Marie. É o fundador das Fraternités de Jérusalem e o pároco de Saint-Gervais, em Paris. Se não, há também Jean-Pierre, meu confessor.

O lugar onde gostaria mais de viver?
Onde me encontro agora. É preciso viver no presente.

Como cultiva a sua vida interior?
Pela oração silenciosa e a intercessão pelas pessoas que amo, pelas que sofrem, que estão em dificuldade.

A sua oração preferida?
O Pai-nosso.

Como gostaria de morrer?
Tranquilamente, em paz. Em Deus sobretudo.

 

(A tradução desta entrevista foi publicada pela primeira vez no blogue os dias da semana a 7/2/2010.)

 

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Manifesto inédito em todo o mundo

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI novidade

Um total de 125 pessoas, incluindo vários padres, trabalhadores a tempo inteiro ou voluntários na Igreja Católica nos países de língua alemã, anunciam hoje a sua condição LGBTQI+. A iniciativa tem o título #OutInChurch. Por uma Igreja sem medo e acompanha, também, a emissão de um documentário televisivo. É a primeira vez na história, em todo o mundo, que um grupo de crentes se assume deste modo, colectivamente, na praça pública.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This