Investigação de ONG

Migrantes no mar Egeu: 27 mil maltratados e abandonados no mar

| 15 Jul 2022

A prática de abandonar os requerentes de asilo no mar tornou-se “ocorrência rotineira em todo o Egeu, resultando muitas vezes em ferimentos e afogamentos”, diz o relatório. Foto: Direitos reservados.

 

Uma base de registos de embarcações frágeis encontradas à deriva pelas patrulhas costeiras do governo da Turquia, bem como dados resultantes do cruzamento de outras fontes, indicam que, entre 28 de fevereiro e 22 de junho de 2022, mais de 27 mil migrantes foram abandonados à sua sorte no mar Egeu e encaminhados para águas turcas, quando tentavam entrar no espaço europeu.

A Frontex, agência da União Europeia que “promove, coordena e desenvolve a gestão das fronteiras europeias em conformidade com a Carta dos Direitos Fundamentais da UE”, aparece envolvida em mais de uma centena dos para cima de mil casos identificados, chamando a algumas destas operações ilegais “prevenção de entrada”. Mas os documentos encontrados mostram que teve conhecimento de muitos mais casos.

A revelação destas preocupantes informações foi feita pelo DiEM25, “um movimento progressista pan-europeu que visa democratizar a UE antes que ela se desintegre”, sendo possível verificar as bases de dados em que se apoia a organização para a denúncia. O 7MARGENS consultou também muita dessa informação.

A investigação cruza informações de diversas organizações não governamentais que acompanham a situação dos migrantes e dos pedidos de asilo, além de registos das autoridades, em alguns casos obtidos invocando o direito de acesso à informação. A base assim obtida poderá, doravante, ser atualizada à medida que novas situações se forem registando.

Na maior parte dos casos, os migrantes, oriundos de África ou do Médio Oriente muitos dos quais em busca de asilo, atravessam clandestinamente o mar Egeu a partir da Turquia, boa parte deles rumando à ilha de Lesbos. Segundo relatos recolhidos pelas ONG, os migrantes dizem “ter sido intercetados nas águas territoriais gregas, ou presos depois de chegarem às costas gregas, espancados, despojados dos seus bens e, em seguida, carregados à força em botes salva-vidas sem motor e deixados à deriva de volta à costa turca”, ao sabor das correntes e dos ventos.

Esta prática de abandonar os requerentes de asilo no mar também designada drift-backs (algo como “regressar à deriva”) tornou-se, no dizer dos responsáveis da plataforma, “ocorrência rotineira em todo o Egeu, resultando muitas vezes em ferimentos e afogamentos. Hoje, a escala e a gravidade da prática continuam a aumentar, com ‘regressos’ relatados da costa do continente grego e até o sul de Creta”.

Muitos dos casos surgem também relatados pelo comando da Guarda Costeira da Turquia de uma forma burocrática e sempre com um registo idêntico: “às tantas horas do dia e mês tal, foi relatada a deteção de um grupo de imigrantes irregulares num barco insuflável (ou num bote salva-vidas) vindos da costa tal. Foram repelidos para as águas territoriais  turcas por agentes gregos. Foram salvos X migrantes irregulares no barco tal [das autoridades]”.

Comentando estas situações e o caráter normalizado e continuado de práticas que o direito internacional condena, a DiEM25 observa: “demonstrando a escala e a crueldade desse crime duradouro, o nosso estudo ergue um muro de evidências contra as negações cada vez mais vazias do governo grego”, afirmou Stefanos Levidis, investigador forense.

“Mostra como a Guarda Costeira grega usa cinicamente o equipamento de resgate ao contrário, para negar acesso à segurança a milhares de requerentes de asilo, deixando-os à deriva nas correntes marítimas”.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This