Investigação de ONG

Migrantes no mar Egeu: 27 mil maltratados e abandonados no mar

| 15 Jul 2022

A prática de abandonar os requerentes de asilo no mar tornou-se “ocorrência rotineira em todo o Egeu, resultando muitas vezes em ferimentos e afogamentos”, diz o relatório. Foto: Direitos reservados.

 

Uma base de registos de embarcações frágeis encontradas à deriva pelas patrulhas costeiras do governo da Turquia, bem como dados resultantes do cruzamento de outras fontes, indicam que, entre 28 de fevereiro e 22 de junho de 2022, mais de 27 mil migrantes foram abandonados à sua sorte no mar Egeu e encaminhados para águas turcas, quando tentavam entrar no espaço europeu.

A Frontex, agência da União Europeia que “promove, coordena e desenvolve a gestão das fronteiras europeias em conformidade com a Carta dos Direitos Fundamentais da UE”, aparece envolvida em mais de uma centena dos para cima de mil casos identificados, chamando a algumas destas operações ilegais “prevenção de entrada”. Mas os documentos encontrados mostram que teve conhecimento de muitos mais casos.

A revelação destas preocupantes informações foi feita pelo DiEM25, “um movimento progressista pan-europeu que visa democratizar a UE antes que ela se desintegre”, sendo possível verificar as bases de dados em que se apoia a organização para a denúncia. O 7MARGENS consultou também muita dessa informação.

A investigação cruza informações de diversas organizações não governamentais que acompanham a situação dos migrantes e dos pedidos de asilo, além de registos das autoridades, em alguns casos obtidos invocando o direito de acesso à informação. A base assim obtida poderá, doravante, ser atualizada à medida que novas situações se forem registando.

Na maior parte dos casos, os migrantes, oriundos de África ou do Médio Oriente muitos dos quais em busca de asilo, atravessam clandestinamente o mar Egeu a partir da Turquia, boa parte deles rumando à ilha de Lesbos. Segundo relatos recolhidos pelas ONG, os migrantes dizem “ter sido intercetados nas águas territoriais gregas, ou presos depois de chegarem às costas gregas, espancados, despojados dos seus bens e, em seguida, carregados à força em botes salva-vidas sem motor e deixados à deriva de volta à costa turca”, ao sabor das correntes e dos ventos.

Esta prática de abandonar os requerentes de asilo no mar também designada drift-backs (algo como “regressar à deriva”) tornou-se, no dizer dos responsáveis da plataforma, “ocorrência rotineira em todo o Egeu, resultando muitas vezes em ferimentos e afogamentos. Hoje, a escala e a gravidade da prática continuam a aumentar, com ‘regressos’ relatados da costa do continente grego e até o sul de Creta”.

Muitos dos casos surgem também relatados pelo comando da Guarda Costeira da Turquia de uma forma burocrática e sempre com um registo idêntico: “às tantas horas do dia e mês tal, foi relatada a deteção de um grupo de imigrantes irregulares num barco insuflável (ou num bote salva-vidas) vindos da costa tal. Foram repelidos para as águas territoriais  turcas por agentes gregos. Foram salvos X migrantes irregulares no barco tal [das autoridades]”.

Comentando estas situações e o caráter normalizado e continuado de práticas que o direito internacional condena, a DiEM25 observa: “demonstrando a escala e a crueldade desse crime duradouro, o nosso estudo ergue um muro de evidências contra as negações cada vez mais vazias do governo grego”, afirmou Stefanos Levidis, investigador forense.

“Mostra como a Guarda Costeira grega usa cinicamente o equipamento de resgate ao contrário, para negar acesso à segurança a milhares de requerentes de asilo, deixando-os à deriva nas correntes marítimas”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This