No Museu Judaico do Porto

Mil estudantes portugueses recordaram vítimas da Inquisição

| 21 Mar 2024

Jovens visitam Museu Judaico do Porto. Foto Museu Judaico do Porto

Cerca de mil jovens de todo o país passaram esta terça-feira pelo Museu Judaico do Porto. Foto © Museu Judaico do Porto

 

O Museu Judaico do Porto recebeu esta quinta-feira, 21 de março, um milhar de alunos de escolas de todo o país, que com esta visita de estudo assinalaram o Dia Nacional da Memória das Vítimas da Inquisição. A iniciativa antecipou a data oficial da efeméride, 31 de março, que este ano coincide com o domingo de Páscoa católica.

O alunos conheceram as diversas salas dedicadas à história dos judeus no mundo e em Portugal, detendo-se sobretudo na relativa ao período inquisitorial e na sala de cinema, onde puderam ver algumas das cenas mais marcantes do filme 1618, sobre a inquisição no Porto, o filme português mais internacionalmente premiado de sempre.

Entre outros objetos de valor e simbolismo, estão em exibição neste museu a réplica de uma carroça-prisão do tempo da Inquisição e o famoso livro do século XVII Sentinela Contra os Judeus, que afirma que estes têm uma cauda. O objeto mais destacado é um memorial, com quatro metros de largura e dois de altura, colocado na parte exterior do museu, onde estão registados os nomes de 842 vítimas nascidas na cidade do Porto.

Jovens visitam Museu Judaico do Porto. Foto Museu Judaico do Porto

Neste memorial, estão registados os nomes de 842 vítimas da Inquisição nascidas na cidade do Porto. Foto © Museu Judaico do Porto

O diretor do Museu Judaico do Porto, Michael Rothwell, lembra que a Inquisição portuguesa esteve ativa entre 1536 e 1821. “Foram quase três séculos em que se proibiu uma crença religiosa ou qualquer aparência com ela. Não houve na história da Humanidade, em continente algum, uma perseguição tão sistemática e duradoura devido a uma causa tão inocente”, sublinha, citado num comunicado enviado ao 7MARGENS.

O Museu Judaico do Porto, inaugurado em junho de 2019, está aberto para as visitas de escolas e para a comunidade judaica nacional e internacional, mas apenas abre portas para o público em geral no Dia Europeu da Cultura Judaica, que ocorre no primeiro domingo do mês de setembro de cada ano.

“O museu nunca abriu ao público porque o Estado não garantiu o policiamento do recinto, antes declarou que o policiamento não seria necessário, mesmo se fosse pago pela Comunidade. Numa Europa de fronteiras abertas onde os judeus são um alvo, decidimos não abrir ao público, pois cedo ou tarde haveria um atentado”, justifica Michael Rothwell.

A par do Museu Judaico, a Comunidade Judaica do Porto possui também um museu do Holocausto, que foi inaugurado em dezembro de 2020. “No museu do Holocausto, recebemos cerca de 150 mil adolescentes de escolas de Portugal nos últimos três anos, o que corresponde a cerca de 15% da população adolescente do país”, estima Rothwell. “Os museus complementam-se admiravelmente. O Museu do Holocausto centra-se no século XX, ao passo que o museu judaico retrata a presença dos judeus em Portugal desde os primórdios até ao século XXI”.

Jovens visitam Museu Judaico do Porto. Foto Museu Judaico do Porto

O Museu Judaico do Porto está aberto para as visitas de escolas e para a comunidade judaica nacional e internacional, mas apenas abre portas para o público em geral no Dia Europeu da Cultura Judaica. Foto © Museu Judaico do Porto

 

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo” novidade

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This