Ministro Santos Silva ao 7MARGENS: “O Tratado de Proibição das Armas Nucleares não é resposta” à necessidade de desarmamento nuclear

e | 20 Jan 2021

O Tratado para a Proibição das Armas Nucleares, aprovado na Assembleia Geral da ONU e já subscrito por 50 países, entra em vigor às zero horas de sexta-feira, 22, mas ele não constitui “a resposta” ao necessário desarmamento nuclear, “uma vez que não toma em conta as legítimas preocupações de segurança de muitos países e a conjuntura internacional”, defende o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva.

Em entrevista ao 7MARGENS, o responsável pela diplomacia portuguesa apresenta esse argumento como uma das razões para Portugal não subscrever aquele documento. E acrescenta que, sendo membro da NATO, a aliança tem capacidade nuclear e “continuará a dispor dessa capacidade enquanto as armas nucleares continuarem a existir”.

Augusto Santos Silva, MNE Portugal

Augusto Santos Silva: “Acreditamos que o desarmamento nuclear só poderá ser alcançado de forma gradual e progressiva e, naturalmente, com o envolvimento dos países nucleares.” Foto: MNE

 

7MARGENS – Como é que o Estado Português avalia a relevância do problema do armamento nuclear na cena internacional e, em particular, o Tratado de 2017, que visa proibir esse tipo de armas?

AUGUSTO SANTOS SILVA – Portugal partilha o objectivo último de se alcançar um mundo livre de armas nucleares e tem afirmado essa sua posição e expressado a sua preocupação, em inúmeras ocasiões e fora, com as consequências humanitárias de uma eventual utilização deste tipo de armas.

Todavia, tal como um número considerável de outros países, incluindo mais de metade dos nossos parceiros na UE e praticamente a totalidade dos países não nucleares da NATO, acreditamos que tal só poderá ser alcançado de forma gradual e progressiva e, naturalmente, com o envolvimento dos países nucleares. O objectivo será travar a proliferação nuclear, reduzir ao máximo os arsenais existentes e criar a confiança necessária para, numa fase posterior, eliminar de forma irreversível e verificável todas as armas nucleares.

 

7M – O Estado Português não assinou, até ao presente, o Tratado para a Proibição das Armas Nucleares, aprovado pela ONU e já subscrito por mais de 50 Estados Membros. Há razões para essa não assinatura? 

A.S.S. – Portugal constata que o processo de desarmamento nuclear está a ser demasiado lento. Porém, o TPAN não se constitui como a resposta, uma vez que não toma em conta as legítimas preocupações de segurança de muitos países e a conjuntura internacional. Além disso, carece de significativo valor prático ao nível dos seus objetivos e implementação, uma vez que foi negociado à revelia de todos os países que possuem armas nucleares. De igual forma, não estabelece medidas credíveis e eficazes de fiscalização do seu eventual cumprimento.

Acresce o facto de Portugal ser membro da NATO, uma aliança com capacidade nuclear que no seu conceito estratégico afirma que continuará a dispor dessa capacidade enquanto as armas nucleares continuarem a existir.

 

7M – Quer dizer que não está prevista nenhuma iniciativa concreta para que o Tratado seja ratificado por Portugal?

A.S.S. – Face aos argumentos elencados, não se afigura possível que, na atual conjuntura, Portugal assine o TPAN.

 

7M – O facto de Portugal presidir, no atual semestre, à União Europeia, prevê que Portugal insista com os seus parceiros da UE no sentido de o Tratado ser assinado por todos os 27? E a Presidência portuguesa tomará alguma iniciativa no sentido de reduzir os riscos que o armamento nuclear representa no Mundo?

A.S.S. – Não existe a prática de a Presidência rotativa do Conselho da UE propor iniciativas específicas nesta área. Mas, não obstante, e apesar de algumas diferenças de opinião entre os Estados-Membros quanto à melhor forma e quadro temporal para se alcançar o objetivo último de um mundo livre de armas nucleares, por todos nós partilhado, a UE continuará, durante a nossa Presidência, a ser um dos mais empenhados defensores da não-proliferação e desarmamento nucleares e da promoção, reforço e universalização dos instrumentos jurídicos internacionais que enquadram e regulam essas matérias, bem como de outros acordos de redução, controlo e verificação de arsenais negociados entre países nucleares.

 

“Há mais mártires hoje do que no início do cristianismo… a sua coragem é uma bênção”

Vídeo do Papa de março

“Há mais mártires hoje do que no início do cristianismo… a sua coragem é uma bênção” novidade

“Sempre haverá mártires entre nós. É o sinal de que estamos no caminho certo”, afirma o Papa Francisco na edição de março d’O Vídeo do Papa, que acaba de ser divulgada. “Uma pessoa que sabe dizia-me que há mais mártires hoje do que no início do cristianismo. A coragem dos mártires, o testemunho dos mártires, é uma bênção para todos”, acrescenta. E é por isso que pede a todos que rezem pelos novos mártires deste tempo, para que “contagiem a Igreja com a sua coragem e o seu impulso missionário”.

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém

Via Sacra ecuménica

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém novidade

A guerra em Israel prossegue e o sentimento de insegurança em Jerusalém cresce. Ainda assim, ou talvez por isso mesmo, a tradicional Via Sacra que ali se realiza anualmente por ocasião da segunda semana da Quaresma não foi cancelada. Na passada sexta-feira, 23 de fevereiro, mais de mil crianças e jovens que frequentam as escolas cristãs da cidade, acompanhados de inúmeros familiares e professores, percorreram as ruas de lenços brancos na mão, pedindo a paz para todo o mundo, e em particular para a Terra Santa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This