Primeira grande cidade dos EUA

Minneapolis vai ouvir o azan cinco vezes por dia

| 14 Abr 2023

Mesquita Masjid An-Nur, em Minneapolis. Foto © Masjid An-Nur

A mesquita Masjid An-Nur, em Minneapolis. será uma das várias mesquitas da cidade a fazer soar o azan cinco vezes ao dia. Foto © Masjid An-Nur.

 

A cidade de Minneapolis, capital do Estado do Minesota (EUA), na região dos Grandes Lagos, vai tornar-se na primeira grande urbe americana em que se vão ouvir todas as cinco chamadas diárias para a oração muçulmana, anunciou o jornal Star Tribune na sua edição de dia 13 de abril, citando a resolução tomada nesse dia pelo conselho municipal que integra três conselheiros muçulmanos.

A votação implicou uma alteração na lei de ruído da cidade para garantir que a chamada à oração, o azan (ou adhan) possa ser transmitido pelos alto-falantes das várias mesquitas da cidade. O número de lugares de culto muçulmanos tem vindo a aumentar significativamente em Minneapolis, acompanhando o crescimento da imigração originária da África Oriental.

No ano passado foram permitidas as transmissões do azan, mas apenas entre as 7h e as 22h. Essa permissão excluía sempre a oração matinal e, conforme as estações do ano, também a oração noturna. Agora cabe a Jacob Frey, presidente de Minneapolis, assinar a alteração à lei, o que se espera aconteça durante a próxima semana.

“A Constituição não dorme à noite”, disse Jaylani Hussein, diretor executivo do Conselho de Relações Americano-Islâmicas do Minnesota, após a votação, acrescentando, segundo o Star Tribune, que uma “nação fundada na liberdade de religião cumpre as suas promessas”. Por seu turno, o imã Mohammed Dukuly, da mesquita Masjid An-Nur, comentou que, com esta decisão, “Minneapolis tornou-se uma cidade para todas as religiões”, porque o grito do azan – “Allahu akbar” [“Deus é grande”] – transporta uma mensagem muito para além das crenças específicas do Islão.

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This