Abusos sexuais na Igreja

Miriam: o relato na primeira pessoa de vítima de abuso sexual

| 19 Nov 2022

Infância. Abusos. Série "Childhood Fracture" (V), de Allen Vandever

Infância. Abusos. Série “Childhood Fracture” (V), de Allen Vandever. Reproduzido de Wikimedia Commons

 

Miriam foi abusada sexualmente quando tinha 17 anos, por um padre diocesano e em contexto de confissão, testemunhou a própria ao PontoSJ, a publicação online dos jesuítas. 

“A experiência do abuso é algo avassalador; muda a nossa vida por completo; é como se houvesse uma pessoa antes do abuso e uma pessoa depois do abuso”, conta Miriam (nome fictício), acrescentando: “A dor que é causada na hora, depois perpetua-se no tempo enquanto não conseguimos pedir ajuda e enquanto não temos uma ajuda efetiva que nos consiga ajudar a lidar com esta situação.”

Na conversa mantida com Sofia Marques, coordenadora provincial do Serviço de Proteção e Cuidado da Província Portuguesa da Companhia de Jesus, Miriam, descreve o impacto que o abuso teve na sua vida, pretendendo este relato — como é dito — “ser uma ajuda para compreender melhor o que sente quem passa por esta experiência traumática”. 

Hoje adulta, “Miriam pediu ajuda, deu o seu testemunho e denunciou o abuso sofrido há mais de 20 anos, encontrando-se em caminho de reparação e reconciliação”.

Este testemunho foi publicado nesta sexta-feira, assinalando assim o Dia Europeu da Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e os Abusos Sexuais, uma data que, segundo o PontoSJ, “pretende sensibilizar a sociedade para a relevância e prevalência destes crimes que acontecem em todos os contextos, em especial no círculo intra-familiar”.

Segundo a publicação dos jesuítas, este testemunho de uma vítima de abuso sexual é divulgado “numa altura em que Portugal atravessa um período de melhor conhecimento desta problemática, através da revelação de vários casos concretos que ocorreram no seio da Igreja Católica ao longo das últimas décadas”.

Como crente em Deus e na Igreja, Miriam expressa o seu desejo de “poder ser um rosto dessa Igreja que confia e que pode ser confiada” e conta, na primeira pessoa, o que sente uma pessoa vítima de abuso. A partir do que sentiu perante quem passou ao lado e perante quem parou para cuidar das suas feridas, o seu testemunho é uma ajuda para percebermos melhor como devemos agir para que uma vítima de abusos se sinta verdadeiramente acolhida e escutada.

Em relação a Deus, cuja existência nunca pôs em causa, mas sim a sua presença no momento do abuso, relata também como a sua fé a salvou nos momentos de maior agonia “Ele permite-nos revoltarmo-nos contra Ele sem ficar magoado e permite-nos revoltar-nos contra os outros sem sermos vingativos e permite-nos revoltar-nos contra a Igreja sem a abandonar na totalidade”.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This