Congresso Nacional em Lisboa

Misericórdias debatem desafios do setor social e solidário

| 24 Mai 2023

Manuel de Lemos, eleito presidente da União das Misericórdias Portuguesas, discursa no Centro Paulo VI em Fátima, dezembro 2019. Foto © UMP

“Regressaremos à cidade para reposicionar o espírito e os valores que orientam a nossa missão”, sublinha Manuel de Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Foto © UMP.

 

Os cada vez maiores desafios do setor social e solidário e o contributo da economia social para o desenvolvimento do país e no apoio à população estarão em debate no 14º Congresso Nacional das Misericórdias, que se realizará entre os dias 1 e 3 de junho, em Lisboa, após um interregno de quatro anos marcado pela pandemia. O encontro contará com representantes de Santas Casas de todo o país, investigadores, responsáveis políticos e personalidades relevantes da sociedade portuguesa.

No ano em que a Santa Casa de Lisboa celebra 525 anos e praticamente um século após o primeiro congresso das Misericórdias (que aconteceu em Lisboa, no ano de 1924), “regressaremos à cidade para reposicionar o espírito e os valores que orientam a nossa missão”, sublinha Manuel de Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP).

O primeiro dia do congresso, que tem por mote “Valorizar o passado, viver o presente, projetar o futuro”, vai centrar-se na identidade das Misericórdias na atualidade, e particularmente na importância da “salvaguarda do património como instrumento do desenvolvimento” económico e turístico do país, mas também na “demografia como fator de coesão”, refere o comunicado enviado pela UMP ao 7MARGENS.

O segundo dia, 2 de junho, será dedicado a analisar o papel do Estado no financiamento das políticas sociais de saúde, bem como a sua responsabilidade na execução das mesmas, assegurando a sustentabilidade das Misericórdias. Serão ainda analisadas a “prestação de cuidados de saúde a idosos” e “as respostas inovadores como motor de emprego e qualificação”.

No último dia, 3 de junho, o objetivo será aprofundar a visão “dos jovens provedores sobre o futuro das Misericórdias”.

Marcarão presença, em diferentes painéis ao longo dos três dias, o ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva; a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa; o secretário de estado da Saúde, Ricardo Mestre; e a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. Na sessão de abertura, estará presente o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e a sessão de encerramento será presidida pelo Primeiro-Ministro, António Costa.

O congresso será precedido, no dia 31 de maio (em que se assinala o Dia de Nossa Senhora das Misericórdias), de uma missa que terá lugar na igreja de São Roque, às 18h, a qual será presidida pelo padre Vítor Melícias (presidente honorário da UMP) e contará com a participação especial da fadista Katia Guerreiro.

O programa completo do congresso e o formulário para inscrições pode ser encontrado em https://congresso.ump.pt.

Existem atualmente em Portugal 388 Misericórdias, algumas com mais de 500 anos de vida. Apoiando diariamente mais de 165 mil pessoas em todo o país em áreas sociais estratégicas como a educação, saúde, e inclusão socioprofissional, as Misericórdias detêm 23 hospitais e 117 unidades de cuidados continuados.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This