Missa de Pentecostes ou a festa da linguagem

| 7 Jun 19 | Cultura e artes - homepage, Música, Últimas

 

No próximo domingo, 9 de Junho, dia de Pentecostes, a celebração da eucaristia (11h30) na Capela do Rato, em Lisboa, contará com os Sete Lágrimas a interpretar uma vez mais a minha Missa de Pentecostes (2011). Gostaria, a este propósito, de partilhar quatro ideias-chave, essenciais à sua compreensão; para isso, incluo aqui também palavras minhas sobre esta mesma missa publicadas na revista Communio(ano XXVIII, nº2, Abril, Maio e Junho de 2011; passos assinalados entre aspas).

 

1) É uma missa para todos, crentes e não crentes, por motivos essencialmente religiosos. Desde logo, a ideia de composição de uma missa constitui uma oportunidade para integrar o nosso presente estético musical na leitura de um texto sagrado. E esta relação temdois sentidos: procuramos testemunhar o que sentimos face ao texto, ao mesmo tempo que o texto nos interpela na capacidade que temos de estabelecer um discurso estético referente a este lugar, a este tempo em que vivemos. Por isso, este projecto é importante não apenas na vivência religiosa strictu sensu, mas também abarcando um horizonte cultural mais vasto que é o da construção social e comunitária, onde o religioso tem um lugar natural. A composição desta missa é, portanto, um projecto aberto, pensado para uma função cívica”.

 

2) É uma missa que percebe o tempo de uma forma nova; por isso, e aparentemente em contradição, alguns dos seus momentos usam textos em latim, o que nos leva à ideia de que o texto, tal como a linguagem, é visto como algo de passagem, não definitivo.“O facto de se tratar de uma missa de Pentecostes motivou a integração de uma pluralidade de linguagens musicais e, naturalmente, do ordinário comum da missa, num espaço cultural mais vasto, em que testemunhos de escritores de origens várias e épocas diversas se podem abraçar testemunhos de várias pessoas e tempos que são revisitados como forma de melhor entendermos o tempo que é o nosso e a humanidade que somos.

Por isso, recuperei a tradição gregoriana, com o latim que lhe é próprio, procurando confrontá-la com textos poéticos, além das orações próprias da liturgia de Pentecostes. A presença do latim – neste caso, o latim ibérico, com as suas diferenças de pronúncia face ao latim italiano foi para mim muito importante, não por motivos puramente estéticos, mas porque a partir dessa inclusão poderíamos olhar o português dos poemas e a sua mensagem de uma outra forma; para além disso, revisitar na língua latina o que usualmente dizemos em português na liturgia hoje em dia será um modo de atentarmos à própria oração sob uma outra perspectiva, pelo estranhamento (brechtiano) que esta opção constitui.

Finalmente, o facto de esta missa ser composta para uma formação com instrumentos antigos permitiu contornar uma identidade cronológica excessiva: a viola da gamba de Sofia Diniz e a tiorba de Hugo Sanches são, juntamente com o timbre dos tenores Filipe Faria e Sérgio Peixoto, identidades claramente ligadas à música antiga, e que convocadas para a interpretação de uma obra contemporânea não deixam, por isso, de poder olhar de fora essa mesma obra em que participam, a partir de um lugar que se quer resgatado do tempo e por isso mesmo capaz de abarcar a multiplicidade estética a que se propõe esta missa.”

Capa de “Vento”, a edição em disco da Missa de Pentecostes de João Madureira.

 

3) É uma missa que celebra o encontro entre as dimensões sagrada e profana da vida humana. “A primeira decisão composicional desta missa foi, sem dúvida, a inclusão de poesia portuguesa, que, plasmada sobre o ordinário comum da missa [cantado em latim], não o comprometesse formalmente, mas antes pudesse funcionar em diálogo com o mesmo. […] A missa estrutura-se de forma a que poemas de Teixeira de Pascoaes (1877-1952), de JoséAugusto Mourão (1947-2011), de Maria Gabriela Llansol (1931-2008), de Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004) e de Mário Cesariny (1923-2006) possam alternar, se bem que de modo não demasiadamente previsível, com momentos em que o latim é a língua cantada.” Esta assemblagede diversas proveniências textuais, que podem mudar de contexto conforme a percepção e experiência de cada ouvinte, assume-se como um testemunho de vida: nomeadamente, desengavetando o texto religioso dos seus significados mais comuns, atribuindo-lhe uma forma de expressão mais abrangente, e, por outro lado, dando a ver do texto não religioso a sua luz profundamente espiritual. Nesta óptica, a religiosidade parece-me um factor intrínseco a qualquer expressão textual que dê testemunho da tendência mais humana possível, que é a de descobrir e questionar o que nos rodeia. O humano é religioso porque se permite a questionar aquilo em que tende a acreditar.

 

4) É uma missa que festeja a música como festa da linguagem, olhando-a como um projecto em expansão e não como um produto final e absoluto. Não me refiro a uma estrutura congelada, mas a algo em permanente evolução. Esta ideia de linguagem enquanto projecto designa a incapacidade genuína de nos expressarmos tal e qual como nos sentimos: um projecto em constante evolução e mudança, a que se atribui o seu carácter transitório e elástico. É nesta demanda da linguagem que a festa acontece: festa enquanto complementaridade de sinais, sensações, questões e possíveis entendimentos para o que queremos ainda descobrir sobre a nossa própria existência. Festeja a linguagem, porque esta é a emanação possível de um sentido que nãoé imediatamente detectável. “Por isso, se questionado sobre a existência de espaço para uma ars sacra, respondo afirmativamente. E sim, uma ars sacraindependente da enorme força dos meios de entretenimento dos nossos dias. Mas também plenamente integrada na produção artística do nosso tempo. Porque o espaço religioso, tal como o entendo, é sobretudo um lugar de encontro. É um testemunho de fé, mas é também parte inextricável da produção cultural do seu tempo.”

 

João Madureira é compositor e autor da Missa de Pentecostes. 

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Agustina Bessa-Luís: Relembrar a Voz

Elevadas figuras públicas julgaram e acharam e opinaram e qualificaram a sua pessoa. Agustina dispensaria adjetivos elogiosos, artifícios de oratória, distinções de circunstância. A compensar o vazio da voz ao vivo, ficam as lembranças, folheiam-se as páginas, retoma-se o embalo do texto, saboreiam-se as personagens, guardam-se as suas reflexões. A surpresa acontece, sempre.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco