Fundação AIS alerta para terrorismo

Missionário alemão desaparecido no Mali

| 23 Nov 2022

padre Ha-Jo Lohre, sequestrado no Mali, Foto Raphael Atenas (1)

O padre alemão, de 65 anos, já havia manifestado estar ciente dos riscos que corria no Mali. Foto © Raphael Atenas.

 

Há pouco mais de um ano, era libertada no Mali a religiosa colombiana Gloria Cecilia Narváez, depois de ter passado quatro anos em cativeiro. Agora, está desaparecido o padre alemão Hans-Joachim Lohre, missionário há 30 anos naquele país, e a hipótese de sequestro ganha cada vez mais força. Para a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), que tem apoiado os projetos do padre Lohre, “o que está a acontecer é uma tragédia, uma ferida aberta no mundo” causada pelo terrorismo.

“Pedimos orações a todos os nossos benfeitores e amigos para a libertação imediata do padre Ha-Jo [como é conhecido]. Ele é um construtor de paz no meio da violência e do terrorismo. A nossa Fundação tem apoiado a sua missão nos últimos anos e agora ele precisa das nossas orações e solidariedade”, afirmou esta terça-feira, 22 de novembro, Thomas Hene-Geldern, presidente executivo internacional da Fundação AIS, quando soube do desaparecimento do padre Hans-Joachim, da Sociedade dos Missionários de África (também conhecidos como Padres Brancos), em Bamako, a capital do Mali.

“Além das orações, a AIS encoraja a comunidade internacional a fazer todos os possíveis para aliviar a situação causada pelos jihadistas nas populações do Sahel que estão a sofrer, não apenas no Mali mas também nos países vizinhos”, afirmou ainda Heine-Geldern num comunicado emitido em Köignstein, a sede da Ajuda à Igreja que Sofre. “O que está a acontecer é uma tragédia, uma ferida aberta no mundo”, disse ainda o presidente da instituição.

 

“Avisaram-nos de que os jihadistas estão a observar-nos”

O padre Hans-Joachim Lohre desenvolvia um importante trabalho ao nível do diálogo inter-religioso, lecionando no Instituto de Educação Cristã-Islâmica. O misionário alemão terá sido raptado no domingo perto da escola onde trabalhava, quando se preparava para celebrar missa numa igreja na região. O seu automóvel foi encontrado abandonado e a cruz que ele trazia sempre consigo estava no chão.

O padre alemão, de 65 anos, já havia manifestado estar ciente dos riscos que corria no Mali, tendo-o referido em declarações à AIS: “Avisaram-nos de que os jihadistas estão a observar-nos”, afirmou. Mas o seu foco era cultivar o diálogo entre religiões, mesmo num ambiente relativamente hostil: “Há quase 30 anos que vivo no Mali, na África Ocidental, mais precisamente em Bamako, onde temos um grande centro para o diálogo cristão-muçulmano, que forma leigos, padres e religiosas nos estudos islâmicos. Damos-lhes um conhecimento aprofundado do Islão. Assim, quando regressarem à sua comunidade, poderão construir pontes para terem contacto com as mesquitas das proximidades. Existem fortes correntes fundamentalistas no Mali neste momento, mas a grande maioria quer apenas viver em paz. Por isso, é essencial que nós fomentemos uma boa relação com os muçulmanos que nos rodeiam”.

De acordo com a agência Fides, a nacionalidade do missionário poderá ter “atraído” o interesse de alguns grupos terroristas que operam no Mali, visto que a Alemanha é um dos poucos países europeus que continua a ter os seus militares na região, depois da retirada da França e de a Grã-Bretanha ter anunciado que fará o mesmo.

 

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé novidade

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: esta é uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas”

Comissão Justiça e Paz de Braga

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas” novidade

A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga associa-se à comemoração do Dia da Consciência – que se celebra anualmente a 17 de junho em homenagem a Aristides de Sousa Mendes – através de uma mensagem que assinala a importância de, tal como fez o cônsul de Portugal em Bordéus no século passado, “seguir a voz da consciência” e assim contribuir, no tempo presente, para “salvar vidas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas novidade

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This