7MARGENS divulga estudo de Frei José Nunes, O.P.

Missões cristãs nas colónias de África: submissão e resistência ao colonialismo português

| 2 Ago 21

Frei José Nunes a apresentar o estudo sobre missões cristãs nas colónias de África. Foto © Direitos Reservados

 

“Durante o Estado Novo, a Igreja conheceu momentos de grande entendimento e submissão ao poder colonial, mas também assumiu posturas críticas de profundo distanciamento das políticas governamentais”.

É esta a principal conclusão de um estudo do frade dominicano José Nunes, que foi a base de uma conferência por ele proferida recentemente na Universidade do Minho, com o título “As missões cristãs nas colónias portuguesas de África: submissão e resistência ao colonialismo durante o Estado Novo”. A sessão, moderada pelo Prof.  Moisés de Lemos Martins, inscreveu-se num ciclo sobre “Interpelações a partir d’ O Silêncio da Terra. Visualidades (pós)coloniais intercetadas pelo arquivo Diamang”.

Frei José Nunes, ele próprio missionário durante nove anos em Angola, sustenta no seu trabalho que “o governo português tentou controlar a situação colonial com intervenções legais que colavam a Igreja mais forte (a Católica romana) ao agir do próprio regime (com a Concordata e o Acordo Missionário de 1940 e o Estatuto Missionário de 1941)”. Por sua vez, “a Igreja Católica (…) aproveitando algumas benesses materiais dessas políticas e acordos, e tendo como fundamento teológico as perspetivas da ‘salvação das almas’, da implantação da Igreja e da adaptação, deixou-se submeter aos interesses coloniais do Estado Novo”.

Esta é, porém, apenas uma parte da realidade que José Nunes estudou. Na verdade, em sintonia com “os ventos soprados de toda a África”, que apontavam noutra direção, o que começava a ganhar vigor e visibilidade era a luta dos povos colonizados pela sua independência política e, no terreno religioso, teologias críticas e da libertação que levaram a que “numerosos missionários interviessem na luta anti-colonial, tendo muitos deles sofrido perseguição, prisão, exílio”.

Esta corrente teológica e missionária, nota José Nunes, não foi exclusiva da Igreja Católica: “as Igrejas Protestantes, menos protegidas pelo regime, tinham até mais condições para investir na luta anticolonial”. Líderes negros como Agostinho Neto, Jonas Savimbi e Holden Roberto, por exemplo, eram filhos de influentes pastores protestantes.

O autor recorda também, neste contexto “o enorme significado, e suas posteriores consequências”, da iniciativa do Papa Paulo VI de receber, no Vaticano, em 1 de Julho de 1970, os líderes políticos das colónias portuguesas em África: Marcelino dos Santos (FRELIMO), Agostinho Neto (MPLA) e Amílcar Cabral (PAIGC).

A Igreja, que foi suporte do colonialismo, “contribuía, assim, decisivamente, para o desmoronar do império colonial português”, em que tiveram papel extraordinariamente corajoso grupos significativos de missionários e mesmo um número reduzido de bispos, como D. Sebastião Soares de Resende e D. Manuel Vieira Pinto.

O estudo fornece, no texto, evidências deste processo histórico em que a ação missionária da Igreja (ou das igrejas) foi, também ela, campo do vendaval de mudança que afetou as sociedades africanas.

José Nunes nasceu em 1956, em Lisboa. Fez a primeira profissão na Ordem dos Pregadores em 1977, tendo sido ordenado presbítero em 1984. Doutorou-se em Teologia Pastoral na Universidade Pontifícia de Salamanca e foi missionário em Angola durante nove anos. Em 1994, começou a lecionar na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. É, desde 2017, o prior provincial da Ordem dos Pregadores (Dominicanos) em Portugal.

 

Pelo seu interesse, divulgamos aqui o texto integral que serviu de base à conferência de frei José Nunes na Universidade do Minho.

 

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This