Reconstrução da catedral

Mobiliário litúrgico de Notre Dame já tem artista escolhido

| 12 Jul 2023

A “nobre simplicidade” dos ritos da liturgia deveria ainda ter em conta, na conceção e confeção das diferentes peças, o respeito pelo lugar, a sua história, a consideração do espírito da liturgia católica, segundo os significados e as normas estabelecidas na sequência do Concílio Vaticano II, e serem facilmente utilizáveis pelos ministros e assembleias que se reunirão na catedral. Foto: captura de ecrã do site da Diocese de Paris.

 

A Comissão Nacional de Património e Arquitetura da França prevê dar esta quinta-feira, 13, o seu parecer de natureza consultiva sobre o projeto de mobiliário litúrgico para a catedral de Notre Dame, apresentado por um famoso designer francês, escolhido pelo arcebispo de Paris, Laurent Ulrich.

A encomenda, que incidia especificamente sobre o altar, o batistério, o ambão, a cátedra episcopal e o tabernáculo, peças de grande significado e visibilidade, foi objeto de uma consulta para manifestação de interesse, à qual responderam 69 artistas (Nicolas Alquin e Marc Alechisnki em conjunto, Guillaume Bardet, Pascal Convert, Laurent Grasso e Constance Guisset).

O arcebispo, assessorado por um comité artístico alargado que tinha constituído em outubro de 2023, escassos meses depois de ele próprio ter tomado posse, escolheu cinco finalistas, em janeiro de 2023. Esses cinco trabalharam até ao final de maio para concretizar o seu projeto por escrito, com desenhos e maquetas, em estreita interação com o comité e o arcebispo. Tratava-se de tornar claro o objetivo e a utilização, bem como a localização de cada uma das peças. Além da razão de ser de cada uma, “o conjunto deve constituir uma harmonia que mostre que é o próprio mistério da fé cristã que está a ser expresso, bem como a vida sacramental única dos fiéis”, explica o prelado diocesano.

A “nobre simplicidade” dos ritos da liturgia deveria ainda ter em conta, na conceção e confeção das diferentes peças, o respeito pelo lugar, a sua história, a consideração do espírito da liturgia católica, segundo os significados e as normas estabelecidas na sequência do Concílio Vaticano II, e serem facilmente utilizáveis pelos ministros e assembleias que se reunirão na catedral.

Mais ainda: não bastaria pensar no passado e no lugar específico no presente, mas também nas gerações futuras. “É preciso pensar num mobiliário que seja uma obra de arte para hoje, mas que possa ser considerado duradouro: os altares românicos, ou os da época clássica, foram muitas vezes utilizados durante séculos”, realçou Laurent Ulrich.

A escolha do arcebispo, anunciada na véspera da festa de S. João Batista, recaiu no artista Guillaume Bardet. Segundo o jornal La Croix international, a escolha causou surpresa e mesmo consternação em alguns setores, dado o caráter minimalista da proposta que apresentou. Mas o arcebispo justificou-a em público, referindo a coerência, a aposta no bronze (visto que “entra em diálogo franco com o edifício de pedra”) e a legibilidade imediata de cada uma das peças. Exemplificando, Ulrich apontou o caso do “bloco do altar”, que surge como “uma pedra retirada da terra para o sacrifício”, preparando-se como “mesa fraterna para a Ceia do Senhor”.

O hierarca enalteceu ainda a pureza das linhas e a simplicidade de onde emana “uma força tranquilizadora”. O que o leva a achar que “pouco a pouco, estas obras deixarão a sua marca” e “tocarão também os visitantes da nossa catedral”.

Guillaume Bardet, autor da proposta, sublinhou esta linha de simplicidade, em entrevista ao La Croix , acrescentando que “era importante deixar essas peças falarem por si mesmas, tanto para cristãos como para não cristãos, e assim manter uma forma de simplicidade num espaço tão ricamente decorado”.

É de referir que, em contratos de menor dimensão e significado, o arcebispo Ulrich adjudicou a à designer Ionna Vautrin o projeto para 1500 cadeiras para a nave principal da catedral, e a Sylvain Dubuisson o novo relicário da Coroa de Espinhos de Cristo. Os trabalhos relativos ao som, à luz e ao equipamento audiovisual estão igualmente já a decorrer, de forma que tudo esteja instalado no outono de 2024.

A jornalista e ex-correspondente no Vaticano do La Croix International, Isabelle de Caulmy, escreveu numa nota editorial, que não poder deixar de se “alegrar ao ver a Igreja continuar a investir na arte moderna, em diálogo aberto com a cultura contemporânea”. “Já não tem a força do passado, quando era a principal fonte de inspiração dos artistas. Mas os artistas, crentes ou não, continuam interessados ​​em trabalhar para locais sagrados, sinal de que há algo aqui que vai além da instituição religiosa”, observou.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This