Como resistiu Moçambique ao Idai, no olhar de fotojornalistas

| 24 Ago 19 | Cinema, televisão e média, Cooperação e Solidariedade, Destaques, Newsletter, Sociedade - homepage, Últimas

Sobreviventes do Idai passando entre água e lama, naquilo que era a Estrada Nacional 6, que liga a Beira a Maputo e que ruiu deixando uma cratera de 250 metros, em Muda (João Semedo, Beira), a 23 de Março, oito dias depois do ciclone ter devastado a região. Foto © Daniel Rocha (Público

 

Resistir ao Idai é o título de uma exposição de fotografias sobre a tragédia que varreu o centro de Moçambique em março deste ano, presente no salão nobre da Casa da Imprensa, em Lisboa, até ao próximo dia 5 de setembro de 2019 (de segunda a sexta, 14h30-19h30).

A exposição mostra fotos escolhidas de nove jornalistas portugueses de diferentes órgãos de comunicação social portugueses enviados a Moçambique, num total de 25 imagens, organizadas para integrar o Prémio Estação Imagem 2019 Coimbra – Festival Internacional de Fotojornalismo que decorreu naquela cidade de 23 de abril a 21 de junho de 2019.

Crianças no infantário orfanato provincial Os Continuadores, na Beira (Moçambique), fotografadas a 3 de Abril: a instituição acolhe 78 crianças cujas primeiras urgências eram bens alimentares, produtos de higiene e muita atenção. Foto © Leonel de Castro/Global Imagens

 

No texto de apresentação da exposição, o jornalista José Augusto Moreira escreve: “A vida é mais forte do que a calamidade, e, mesmo para aqueles a quem nada sobrou, a perspectiva de futuro é sempre (…) a mais encorajadora. O balanço pode até ter que esperar pela próxima geração para ser finalizado, mas para uma população que já antes vivia a rondar o nada, a prioridade é recomeçar, a única opção é olhar em frente. E somar a nada é sempre muito.” Aos sobreviventes, acrescenta, a esperança “dá força e a falta de alternativas, alento. Resistir é o que resta.
 Os números oficiais indicam mais de 700 mortos, acima de 300 mil famílias despojadas de bens e de abrigo, e mais de 1,5 milhões de pessoas afectadas, em consequência direta do Idai. É claro que há também um tempo para o alívio do choro, mas o que é preciso é andar em frente. Caminhar em busca do futuro”.

Os fotógrafos participantes são André Catueira (agência Lusa), António Silva (Lusa), Daniel Rocha (Público), João Porfírio (Observador), Leonel de Castro (Global Imagens), Luís Barra (Visão), Miguel Lopes (Lusa), Tiago Miranda (Expresso) e Tiago Petinga (Lusa). O 7MARGENS falou com Leonel de Castro e Daniel Rocha – que nos cederam algumas das fotos feitas durante a reportagem em Moçambique – sobre a experiência que tiveram ao fazer este trabalho.

Uma mulher com o seu filho, na vila de Buzi, uma das zonas mais atingidas pelo ciclone e na ocasião (26 de Março) ainda isolados pelas cheias. Foto © Daniel Rocha (Público

 

“Mais fácil encontrar uma coca-cola que uma vacina”

Retratando a mesma tragédia, os ângulos de abordagem pretendem mostrar a humanidade e a rotina de muitos moçambicanos após o acontecimento, quase como se nada tivesse acontecido.

“Uma das fotos selecionadas para a exposição foi a de uma menina que baloiça num cenário de natureza morta de um parque infantil perto da ria da Beira, com um olhar distante e meditativo”, diz o fotojornalista da Global Imagens. “Esta foto é simbólica, diferindo em interpretação entre cada pessoa, da liberdade. Quase num gesto natural, continuou a brincar com o que tem, esquecendo o que passou.”

Numa rua da cidade da Beira, dia 29 de Março. Foto © Leonel de Castro/Global Imagens 

Outra das fotos expostas é a de Daniel Rocha, que retrata uma criança em primeiro plano, caminhando pela rua e sorrindo, com uma escultura de uma garrafa de Coca-Cola a ornamentar o centro de uma rotunda. “Essa foto simboliza uma promessa falhada” afirma o fotojornalista do Público. “Em países como Moçambique, é mais fácil encontrar uma Coca-Cola à venda do que uma vacina contra a varíola. É um contraste entre o corporativismo e um contrassenso. A expressão da criança apresenta muita humanidade diante do que o rodeia.”

Para ambos os fotojornalistas, situações como a que se viveu em Moçambique devem forçar as empresas a adotar funções sociais, dando espaço à identidade de cada país em vez de se sobrelotarem com a iconografia ocidental. “Mais do que tudo isto”, coincidem, ambos “queremos que o nosso trabalho seja uma memória do que aqui aconteceu e uma lembrança para as gerações futuras”.

“As empresas deveriam adotar funções sociais, dando espaço à identidade de cada país em vez de se sobrelotarem com a iconografia ocidental”. Foto © Daniel Rocha (Público

 

Três perguntas a Daniel Rocha e Leonel de Castro: As pessoas, antes da tragédia 

7M – Como olharam a experiência que tiveram? Quais foram os sentimentos que vos surgiram naquele cenário?

Daniel Rocha (D.R.): Senti uma grande empatia. Procurei mostrar o que se passava, ser testemunha e não explorar aquela situação com o intuito de desvirtuar o que aconteceu. Quis, acima de tudo, mostrar a dignidade daquelas pessoas depois do desastre.

Leonel de Castro (L.C.): O sentimento, nestas situações, nunca é positivo. Quando um fenómeno da natureza, desta escala, causa mortes, pessoas desalojadas e vilas inteiras destruídas por um ciclone, não é sem dúvida um cenário feliz de se ver.

Centro de acomodação de João Segredo, no distrito de Nhamatanda, com 826 famílias compostas por 4130 pessoas, fotografado a 4 de Abril. Foto © Leonel de Castro/Global Imagens 

 

7M – O que procuraram representar naquele cenário em primeiro lugar?

D.R. – No meu trabalho,tento sempre incluir as pessoas na tragédia em primeiro lugar. Tento não ir com preconceitos na cabeça quando começo um trabalho deste tipo. Ambiciono mostrar que as pessoas, mesmo nas piores situações, continuam a sua vida. Com isso, pretendo ajudar a que a comunidade portuguesa e a internacional sejam mais pró-ativas.

L.C. – Em primeiro lugar, as pessoas. Pretendi mostrar as más condições em que aquelas pessoas viviam, as epidemias rampantes, tentando ao mesmo tempo, através destas imagens, levar a uma consciencialização da comunidade internacional. É difícil descrever o estado em que se encontrava aquela região, alagada e destruída e a chegada de bens alimentares, por vezes tardios ou insuficientes. Em segundo lugar, para mim, a ideia foi relatar o que aconteceu. O fotojornalismo procura aproximar-se o mais possível da realidade, sem embelezar o que está presente na imagem. Mostrar uma visão nua e crua, se me faço entender.

Uma criança e adultos a tomar banho no rio Buzi, na zona onde a EN 6 ruiu, tentando aos poucos retomar alguma normalidade nas suas vidas (imagem captada a 26 de março). Foto © Daniel Rocha (Público

 

7M – Qual é o papel do fotojornalista?

D.R. – Não ter preconceitos. Ter empatia com a situação e com o que aconteceu.

L.C. – Eu considero-me um fotógrafo de causas sociais. É importante que o nosso trabalho vá ao encontro da vida das pessoas, sinalize problemas e os denuncie para que assim ajude a minimizar as dificuldades. 

Tratar das crianças mais pequenas era uma das prioridades no infantário Os Continuadores, que acolhe 78 crianças. Foto © Leonel de Castro/Global Imagens

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar novidade

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro novidade

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Taizé e os jovens: uma experiência que marca

Ao longo dos anos em que tenho participado nos encontros de Taizé, no âmbito da minha docência na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, acompanhando e partilhando esta experiência com algumas centenas de alunos, tenho-me interrogado acerca do que significa aquilo a que chamamos “espiritualidade de Taizé” – que, no meu entender, é o que leva, ano após ano, milhares de jovens, a maioria repetidas vezes, à colina da pequena aldeia da Borgonha (França).

A escultura que incomoda a Praça de São Pedro

Foi na Praça de São Pedro, dentro desses braços que abraçam o mundo inteiro, que o Papa Francisco quis colocar um conjunto escultórico dedicado aos refugiados, o “anjo inconsciente”. De bronze e argila, representa uma embarcação com algumas dezenas de refugiados, tendo à frente uma mulher grávida ao lado de uma criança, de um judeu ortodoxo e de uma mulher muçulmana com o seu niqab.

Cultura e artes

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
14
Sáb
3º Concerto de Natal da Academia de Música de Santa Cecília @ Basílica do Palácio Nacional de Mafra
Dez 14@21:00_22:30

Entrada gratuita mediante o levantamento de bilhetes nos Postos de Turismo de Mafra e Ericeira

 

A Academia de Música de Santa Cecília, escola de ensino integrado de música, apresenta o seu terceiro concerto de Natal nos dias 14 e 15 de Dezembro, no Palácio Nacional de Mafra, classificado recentemente como Património Cultural Mundial da UNESCO.

Neste concerto participa um coro constituído por 250 crianças e jovens dos 10 aos 17 anos e uma orquestra de cordas de alunos da escola, a soprano Ana Paula Russo e ainda o conjunto, único no mundo, dos seis órgãos da Basílica de Mafra.

No programa estão representados vários compositores nacionais e estrangeiros, destacando-se a obra “Seus braços dão Vida ao mundo”, sobre um poema de José Régio, da autoria da jovem Francisca Pizarro, aluna finalista do Curso Secundário de Composição da Academia de Música de Santa Cecília.

O concerto assume especial importância não apenas pela singularidade do conjunto dos seis órgãos do Palácio Nacional de Mafra mas também pela dimensão do número de jovens músicos envolvidos.

A relevância do concerto manifestou-se em edições anteriores (2016 e 2017), pela sua transmissão integral na RTP2, tendo o concerto de Natal de 2017 sido difundido em directo para a União Europeia de Rádio. O concerto tem o patrocínio da Câmara Municipal de Mafra.

Programa do concerto

Arr. Carlos Garcia (1983)
Ó Pastores, Pastorinhos (tradicional de Alferrarede)

Francisca Pizzaro (2001)
Seus braços dão Vida ao mundo (sobre um poema de José Régio), obra em estreia absoluta, encomendada para a ocasião; Francisca Pizarro é aluna do curso secundário de Composição da AMSC

Arr. Fernando Lopes-Graça (1906-1994)
O Menino nas Palhas (tradicional da Beira Baixa)

Eurico Carrapatoso (1962)
Dece do Ceo (sobre um poema de Luís de Camões)

Arr. Carlos Garcia
Gloria in excelsis Deo (tradicional francesa) *

Franz Xaver Gruber (1787-1863) Arr. Carlos Garcia
Stille Nacht

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Alleluia, do moteto Exsultate, jubilate

Tradicional francesa
Quand Dieu naquit à Noël

Louis-Claude Daquin (1694-1772)
Noël X

Arr. Malcolm Sargent (1895-1967)
Zither Carol (tradicional da República Checa)

Tradicional do País de Gales
Deck the Halls

John Henry Hopkins Jr. (1820-1891); Arr. Martin Neary (1940)
We three Kings

Arr. Mack Wilberg (1955)
Ding! Dong! Merrily on High (tradicional francesa)

Arr. David Willcocks (1919-2015)
Adeste Fideles (tradicional), com a participação do público.

CANTORES E MÚSICOS
Ana Paula Russo, soprano

Ensemble Vocal da AMSC
Coro do 2º Ciclo da AMSC
Coros do 3º Ciclo e Secundário da AMSC

Orquestra de Cordas da AMSC
Pedro Martins, percussão

Rui Paiva, órgão da Epístola
Flávia Almeida Castro, órgão do Evangelho
Carlos Garcia, órgão de S. Pedro d’Alcântara
João Valério (aluno da AMSC), órgão do Sacramento Liliana Silva, órgão da Conceição
Afonso Dias (ex-aluno da AMSC), órgão de Sta. Bárbara

Carlos Silva, direcção da orquestra

António Gonçalves, direcção

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco