Moçambique: sobe o número de mortos, mobiliza-se a solidariedade

| 21 Mar 19

As inundações na cidade da Beira. Foto © Programa Alimentar Mundial- WFP/Photolibrary

 

Na noite de quarta-feira, o número de mortos em Moçambique, Zimbabwe e Malawi, vítimas do ciclone Idai, ultrapassava já os 300. O número, que cresce todos os dias, foi dado pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, que alertou ainda para o número de 350 mil “em situação de risco” ao decretar o estado de emergência nacional.

A cidade da Beira é a mais afetada, como dá conta a Cruz Vermelha Internacional, que indicou que pelo menos 400.000 pessoas estão desalojadas naquela área (a cidade tinha pouco mais de meio milhão de habitantes). O país cumpre desde esta quarta-feira três dias de luto nacional, até sexta, 22.

A ajuda a Moçambique tem chegado de toda a parte: na terça-feira, saiu de Portugal uma missão de reconhecimento no âmbito de um grupo interministerial criado pelo Governo português. Na noite de quarta, um corpo de intervenção rápida das Forças Armadas seguiu também para a Beira.  

Do Banco Mundial chegará um financiamento de 90 milhões de dólares, aprovado na terça-feira no âmbito do programa de gestão de acidentes e riscos, e destinado a melhorar a eficácia da proteção e ajuda às pessoas perante desastres naturais. O Fundo de Gestão de Desastres permitirá o fortalecimento da prontidão do país para responder a catástrofes e criação de resistência às questões climáticas e reforço e modernização das vulneráveis infraestruturas de educação.

Muitos bens alimentares começaram a chegar no domingo e continuarão a chegar, segundo a representante do Programa Alimentar Mundial em Moçambique, Karin Manente: depois de um primeiro voo com 22 toneladas de alimentos que chegou no domingo, estava previsto um outro com mais 40 toneladas. 

De Portugal, há outros apoios já anunciados: a Ordem dos Médicos, em parceria com a Câmara Municipal do Porto, o Instituto Camões e a Direcção-Geral da Saúde, apoiará com ajuda médica e medicamentosa. Ao mesmo tempo, pretende recrutar vários médicos que aceitem ir para Moçambique durante um mês. 

A Câmara Municipal de Lisboa também anunciou que vai conceder um apoio no valor de 150 mil euros a Moçambique, “havendo igualmente disponibilidade imediata de envio de equipas multidisciplinares de técnicos para apoio a necessidades básicas no terreno”. Também a diocese de Braga doará 25 mil euros e a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre destinará, para já, outros 30 mil euros para ajudas, através das comunidades cristãs, sobretudo para necessidades imediatas: toldos, equipamentos básicos para habitação (como pratos, copos, baldes, etc.), alimentos e logística para deslocações. Outras organizações como a Cáritas já tinham anunciado outras ajudas, e também na quarta-feira o Papa apelou a que a comunidade internacional apoie de forma clara as vítimas da tempestade. 

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, 14 de março, deixando os cerca de 500 mil residentes na segunda maior cidade do país sem energia nem comunicações. 

A tempestade atingiu também o Zimbabwe (onde se contabilizam pelo menos 100 mortos, 200 feridos e 200 desaparecidos) e o Malawi, onde se contam até à data 112 mortos.

Nesta quarta-feira, 20, as Nações Unidas, que já consideraram este desastre como a maior tragédia de sempre no hemisfério sul, fizeram saber que necessitam de mais apoio monetário dos estados-membros, mesmo se não se consegue para já contabilizar os estragos materiais da catástrofe: “Deixámos claro que a quantidade de dinheiro que temos em mãos agora é insuficiente para ir ao encontro das necessidades no terreno, por isso vamos voltar a dirigir-nos ao Estados-membros para pedir mais ajuda”, disse Farhan Haq, porta-voz do secretário-geral, em conferência de imprensa na sede da ONU, em Nova Iorque.

Artigos relacionados

Breves

Asteroide batizado com nome de astrónomo jesuíta do Vaticano

O asteroide, designado 119248 Corbally, tem cerca de um quilómetro e meio de diâmetro e foi descoberto a 10 de setembro de 2001 por Roy Tucker, engenheiro recentemente reformado, que trabalhou na construção e manutenção dos telescópios usados pelo padre jesuíta.

“Lei de naturalização dos sefarditas” num debate em vídeo

“A lei de naturalização dos sefarditas” é o tema de um debate promovido pela Associação Sedes, nesta quinta-feira, dia 2 de Julho, entre as 18h e as 20h. A iniciativa conta com a participação de Maria de Belém Roseira e José Ribeiro e Castro, dois dos mais destacados opositores à proposta de alteração à lei da nacionalidade apresentada pela deputada Constança Urbano de Sousa (PS).

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia 

Entre margens

Economista social ou socioeconomista? novidade

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

O valor da vida não tem variações

Na verdade, o valor da vida humana não tem variações. Não é quantitativo (não se mede em anos ou de acordo com qualquer outro critério), é qualitativo. A dignidade da pessoa deriva do simples facto de ela ser membro da espécie humana, não de qualquer atributo ou capacidade que possa variar em grau ou que possa ser adquirido ou perder-se nalguma fase da existência. Depende do que ela é, não do que ela faz ou pode fazer.

Iniciativa Educação: Uma janela aberta à aprendizagem

Há uns anos – ainda era professora do ensino secundário –, uma pessoa amiga tinha duas filhas com personalidades muito diferentes. Foi chamada à escola do 1º ciclo do ensino básico. A professora disse-lhe que a filha mais nova não conseguira chegar aos objectivos propostos e que caberia a ela, mãe e responsável pela educanda, decidir se a filha deveria passar para o ano seguinte ou não.

Cultura e artes

Arte, literatura e renovação cristã

Se falo de um renovador da arte a partir de uma perspetiva cristã, devo recordar o exemplo de Graham Greene (que o arquiteto João de Almeida bem conhecia e admirava). E dou o exemplo de Monsignor Quixote (1982, tradução portuguesa: Europa-América, 1984), o relato de uma viagem à Espanha pós-franquista, num tempo de diálogo com o comunismo e de renovação do catolicismo pós-conciliar.

Aos 101 números, “Le Monde des Religions” deixa de se editar em papel

“Nas nossas sociedades em que o religioso é constantemente tema de debate, em que a busca de sentido se torna cada dia mais premente, Le Monde des Religions propõe uma descodificação das religiões, espiritualidades e sabedorias da humanidade, numa abordagem laica e não confessional”. A constância e a premência referidos no início do texto agora em destaque no site da revista francesa poderiam indiciar um reforço do trabalho editorial, mas na realidade anunciam apenas o fim da publicação da revista em papel.

Vaticano pede aos media que dêem “notícias justas e precisas” sobre as questões religiosas

A delegação da Santa Sé pediu aos media que não se escondam “atrás da liberdade de expressão como justificação para a discriminação, hostilidade ou violência contra uma religião ou seus membros”. O apelo foi feito durante uma reunião sobre a liberdade de expressão, dinamizada pela Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que decorreu esta terça-feira em Estrasburgo.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco