Após assembleia da CEP

“Modelo de reparações financeiras” às vítimas de abusos divulgado na próxima semana

| 5 Abr 2024

Grupo Vita, abusos sexuais

Grupo Vita na apresentação do primeiro relatório sobre abusos sexuais na Igreja, a 12 de dezembro de 2023, com a presença do presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, o bispo José Ornelas. Foto © Ecclesia/MC

 

Um “modelo de reparações financeiras” às vítimas de abusos sexuais no seio da Igreja Católica deverá ser apresentado na próxima semana pela Conferência Episcopal Portuguesa. A informação foi adiantada por Rute Agulhas, coordenadora do Grupo Vita. em declarações à Rádio Renascença,  nesta quinta-feira, 4 de abril.

Na próxima segunda-feira, inicia-se a Assembleia Plenária dos Bispos Portugueses, que tem na agenda a temática dos abusos, e Rute Agulhas espera que saia desta reunião um consenso acerca do referido modelo. “A minha expectativa é que, durante a próxima semana, se possa chegar a um consenso e a um acordo relativamente aos passos e à forma de concretizar e de operacionalizar o modelo das reparações financeiras”, afirmou a psicóloga.

Para a responsável do Grupo Vita, é “prematuro” falar em valores das indemnizações. “Cada caso é um caso e cada situação tem de ser avaliada em concreto, as suas especificidades, as situações vivenciadas e o impacto dessas mesmas situações na pessoa; pelo que o nosso modelo foi e continua a ser o modelo casuístico”, sublinhou Rute Agulhas.

Segundo dados revelados esta quinta-feira pelo Grupo Vita, existem 19 alegadas vítimas de abusos sexuais que querem ser indemnizadas pela Igreja Católica, entre 86 denúncias recebidas.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This