Grande amigo da Igreja Católica

Morre líder dos imãs da Guiné-Bissau

| 21 Ago 21

Ustas Abubacar Djaló, foto direitos reservados

Ustas Abubacar Djaló era considerado “um símbolo da união entre os muçulmanos e cristãos na Guiné-Bissau”. Foto: Direitos reservados.

 

Ustas Abubacar Djaló, presidente da União Nacional dos Imãs da Guiné-Bissau e grande amigo dos católicos guineenses, morreu na quinta-feira passada, em Bissau, vítima de covid-19, noticiou este sábado, dia 21 de agosto, o Vatican News.

O imã Abubacar Djaló dinamizava um programa semanal na emissora católica da Guiné-Bissau, a Rádio Sol Mansi. O jornalista daquela rádio, Casimiro Jorge Cajucam, escreve no Vatican News que Djaló “era um grande parceiro da Igreja Católica na Guiné-Bissau”.

Cajucam destaca a colaboração do imã na “promoção da paz e da tolerância religiosa e aponta-o como “um símbolo da união entre os muçulmanos e cristãos na Guiné-Bissau. Ele fazia a ponte entre a comunidade muçulmana guineense e a católica. Em várias ocasiões foi convidado pelo bispo emérito, D. José Camnate Na Bissing, para participar nos eventos da Igreja Católica. E também convidou o bispo a tomar parte em cerimónias muçulmanas.”

 

Pregos no caixão

Pregos no caixão novidade

Como resultado de uma evolução e saturação pessoais, cheguei ao ponto de ter medo, no próprio e exacto sentido da palavra, cada vez que vejo um padre ou um bispo aparecer na TV ou ser transcrito num jornal, porque é imensa a possibilidade de das suas bocas sair forte asneira e de os seus gestos e trejeitos serem comprometedores.

“Só posso agir como cristão, como me dita a consciência”

Aristides com honras de Panteão

“Só posso agir como cristão, como me dita a consciência” novidade

Domingo, 17 de Outubro, no programa Página 2, da RTP2, António Moncada Sousa Mendes, autor do livro Aristides de Sousa Mendes – Memórias de um Neto evocou a memória do seu avô. Foi um depoimento também a referir essa perspectiva e a recordar o longo caminho de Aristides até este dia que o 7MARGENS pediu ao neto do primeiro português a ser declarado Justo Entre as Nações.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Pandemia teve impacto devastador sobre liberdade de informação

Relatório da Amnistia Internacional

Pandemia teve impacto devastador sobre liberdade de informação novidade

“Os ataques à liberdade de expressão por parte de governos, combinados com uma enchente de desinformação por todo o mundo durante a pandemia da covid-19, tiveram um impacto devastador sobre a capacidade das pessoas para acederem a informação precisa e oportuna, que as ajudasse a lidar com a crescente crise de saúde global.” A conclusão é da Amnistia Internacional.

Os dias não têm 24 horas

Os dias não têm 24 horas novidade

E se de repente nos viessem dizer que cada dia passaria a ter apenas 16 ou 17 horas? Com a falta de tempo de que sempre nos queixamos iríamos, decerto, apanhar um susto. Não saberíamos como resolver tamanho corte e, com imensa probabilidade, entraríamos em stresse, esse companheiro que nos boicota a vida num padrão que, como alguém disse, se traduz por excesso de presente.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This