Grande amigo da Igreja Católica

Morre líder dos imãs da Guiné-Bissau

| 21 Ago 21

Ustas Abubacar Djaló, foto direitos reservados

Ustas Abubacar Djaló era considerado “um símbolo da união entre os muçulmanos e cristãos na Guiné-Bissau”. Foto: Direitos reservados.

 

Ustas Abubacar Djaló, presidente da União Nacional dos Imãs da Guiné-Bissau e grande amigo dos católicos guineenses, morreu na quinta-feira passada, em Bissau, vítima de covid-19, noticiou este sábado, dia 21 de agosto, o Vatican News.

O imã Abubacar Djaló dinamizava um programa semanal na emissora católica da Guiné-Bissau, a Rádio Sol Mansi. O jornalista daquela rádio, Casimiro Jorge Cajucam, escreve no Vatican News que Djaló “era um grande parceiro da Igreja Católica na Guiné-Bissau”.

Cajucam destaca a colaboração do imã na “promoção da paz e da tolerância religiosa e aponta-o como “um símbolo da união entre os muçulmanos e cristãos na Guiné-Bissau. Ele fazia a ponte entre a comunidade muçulmana guineense e a católica. Em várias ocasiões foi convidado pelo bispo emérito, D. José Camnate Na Bissing, para participar nos eventos da Igreja Católica. E também convidou o bispo a tomar parte em cerimónias muçulmanas.”

 

Na Terra Santa o ecumenismo é uma realidade

Semana da unidade dos cristãos

Na Terra Santa o ecumenismo é uma realidade novidade

A Terra Santa “é o lugar onde as comunidades cristãs estão mais próximas da unidade”, afirmou Francesco Patton, padre franciscano responsável pelos locais santos da Palestina. “Na Terra Santa falamos menos sobre a teoria do ecumenismo e praticamos mais a unidade” – salientou Patton a propósito da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que decorre entre 18 e 25 de janeiro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix novidade

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This