1956-2022

Morreu Ana Luísa Amaral. “Quando escrevo o poema não penso o que vou fazer”

| 6 Ago 2022

Ana Luísa Amaral, na feira do livro de Gotemburgo (na Suécia), em 2013. Foto © Mattias Blomgren, CC BY-SA 3.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0>, via Wikimedia Commons

Ana Luísa Amaral, na feira do livro de Gotemburgo (na Suécia), em 2013. Foto © Mattias Blomgren, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons.

 

A poeta Ana Luísa Amaral, recentemente galardoada com o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana, morreu na sexta-feira, aos 66 anos, revelou este sábado, 6, a Universidade do Porto (UP). Em comunicado, a UP explica que a poeta “faleceu durante a noite de ontem [sexta-feira], dia 5 de agosto, vítima de doença prolongada”. 

A Universidade recorda a também investigadora e professora da Faculdade de Letras da UP como “uma autora extraordinária, uma académica distinta e uma cidadã empenhada”.

“A sua obra literária irá certamente garantir que o nome de Ana Luísa Amaral perdurará para todo o sempre, mas quem teve o privilégio de a conhecer de perto terá a memória de uma pessoa generosa e uma ativista dedicada às causas da igualdade e da solidariedade social”, refere o reitor da UP, António de Sousa Pereira, citado na nota de pesar.

Na entrevista que deu ao Expresso (no podcast O Poema Ensina a Cair), em maio de 2019, a poeta revelava as suas paixões. “Tenho as minhas grandes paixões: Emily Dickinson, William Blake, William Shakespeare. Peço desculpa por ir tão para trás, porque realmente estes são os grandes para mim.”

Nessa mesma entrevista, Ana Luísa Amaral confessava que tinha uma pilha de poemas por publicar, postos de lado. Ou por não prestarem, e ria-se, ou por não caberem num livro. E explicava-se: “Uma coisa é escrever poesia, outra coisa é fazer livros. Fazer um livro de poemas, para mim, pressupõe oferecer uma certa ordem aos poemas, digamos assim. É-me mais fácil escrever poemas do que fazer livros, devo dizer. Um livro para mim tem de ter uma coerência interna, e aí sim eu penso o que vou fazer com os poemas. Quando escrevo o poema não penso o que vou fazer.”

Já em 2021, ao Público, dizia que a poesia não era uma carreira. “Isto não é a minha carreira, que essa foi na universidade, é aquilo que eu faço porque tenho mesmo de fazer: poesia.”

Em abril de 2020, Teresa Vasconcelos escrevia no 7MARGENS, a propósito do livro Ágora, que “Ana Luísa Amaral é uma mulher de fé. Ela vive e acredita no ‘para além de’, ela propõe a sua imensa criatividade em alternativa à destruição e à morte. Ana Luísa Amaral possui uma inquietação de mulher-mística.”

Distinguida com vários prémios literários nacionais e internacionais, Ana Luísa Amaral nasceu em Lisboa em 1956, mas cedo adotou o Porto e Leça da Palmeira, em Matosinhos, como residência.

O corpo de Ana Luísa Amaral está em câmara ardente desde as 17h00 de sábado, na Capela do Corpo Santo, em Leça da Palmeira. O funeral realiza-se este domingo de manhã, às 11h15, no Tanatório de Matosinhos.

A seguir, fica a ligação para um poema de Ana Luísa Amaral, também já publicado no 7MARGENS:

As pequenas gavetas do amor

 

Luigino Bruni: “Se organizarmos a JMJ Lisboa como há dez anos, será um falhanço total”

Diretor d'A Economia de Francisco, ao 7M

Luigino Bruni: “Se organizarmos a JMJ Lisboa como há dez anos, será um falhanço total” novidade

Professor de Economia Política da Universidade Lumsa de Roma, e consultor do Dicastério para os Leigos, Luigino Bruni é um apaixonado pela Bíblia e pelo cruzamento entre disciplinas como a Ética e a Economia. No final do encontro global d’A Economia de Francisco, que decorreu entre os passados dias 22 e 24 de setembro em Assis, falou ao 7MARGENS sobre o balanço que faz desta iniciativa, e deixou alguns conselhos aos organizadores da Jornada Mundial da Juventude 2023, que irá realizar-se em Lisboa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Prémio D. António Francisco homenageou pediatria e Serviço Nacional de Saúde

São João e Centro Materno Infantil

Prémio D. António Francisco homenageou pediatria e Serviço Nacional de Saúde novidade

A ala pediátrica do Centro Hospitalar Universitário de São João e o Centro Materno Infantil do Norte (CMIN) receberam, ao início da tarde desta segunda-feira, o Prémio D. António Francisco correspondente à edição deste galardão para o ano de 2020. Em virtude da pandemia, o prémio só agora foi entregue, em cerimónia que decorreu no Palácio da Bolsa, no Porto. Ambas as entidades foram consideradas pelo júri como cumprindo “de forma exemplar os valores do Prémio”, que com esta atribuição fqaz também um “reconhecimento público ao Serviço Nacional de Saúde, pelo esforço desenvolvido na resposta à pandemia”.

Agenda

Fale connosco

Autores