Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

| 24 Jun 20

João de Almeida. Arquitecto

João de Almeida. Foto: DIreitos reservados

 

 

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida” (texto disponível apenas para assinantes). O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos, na sequência de vários problemas de saúde. Tinha sido internado na madrugada de domingo, no Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

João Paiva Raposo de Almeida nasceu em Lisboa em 1927, dedicou a sua vida sobretudo à arquitectura e também à pintura. Na década de 1950, foi um dos fundadores do MRAR, com os colegas Nuno Portas e Nuno Teotónio Pereira, um movimento essencial na renovação da linguagem das artes e da arquitectura em Portugal, no que à expressão religiosa diz respeito.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, “lamenta profundamente” a morte de João de Almeida, de acordo com notícia da agência Lusa citada na Rádio Renascença.

No seu livro MRAR – Movimento de Renovação da Arte Religiosa – os anos de ouro da Arquitetura Religiosa em Portugal no século XX, o também arquitecto João Alves da Cunha recorda o início do curso na Escola de Belas Artes de Lisboa, onde foi discípulo de Leopoldo de Almeida, Lagoa Henriques e Frederico George. Após ano e meio, João de Almeida decidiu mudar para arquitectura, interrompendo o novo curso para fazer três anos de estágios em Paris, Basileia e Trier.

Em Paris, João de Almeida esteve com os padres dominicanos Marie-Alain Couturier e Pie-Raymond Régamey, os responsáveis da revista L’Art Sacré, que nessa época era uma referência da renovação da arte contemporânea. Foi precisamente o padre Régamey que lhe sugeriu a ida para Basileia, onde se encontrou com Hermann Baur, figura incontornável da arquitectura sacra na Europa Central, que desenhou quase 30 projectos de igrejas em França, Suíça e Alemanha.

Num catálogo de uma exposição dedicada à sua obra, João Pedro Cunha recorda que pela casa de Baur passavam artistas como Albert Schilling, Maria Helena Vieira da Silva, Arpad Szènes e ainda o teólogo, futuro cardeal, Hans-Urs von Balthasar.

João de Almeida. Igreja Santo António de Moscavide

Interior da Igreja Santo António de Moscavide, uma das obras de João de Almeida. Foto © Rui Martins/SNPC

 

“Regressou a Portugal no final de 1952 para entrar no Seminário dos Olivais, em Lisboa, onde esteve até à sua ordenação sacerdotal em 1958”, recorda Alves da Cunha. Entretanto, com o material que trouxe, João de Almeida organizou, com colegas e amigos, a Exposição de Arquitectura Religiosa Contemporânea, em 1953, para a qual escreveu o texto “O sentido da moderna arquitectura religiosa na Suíça”. Da exposição nasceria o MRAR, que juntaria, além de arquitectos, outros artistas como José Escada, Manuel Cargaleiro, Eduardo Nery, Madalena Cabral, entre outros.

Terminou o curso de arquitectura no Porto, mas foi de novo em Lisboa que apresentou o seu projecto final: a igreja da Sagrada Família, em Paço de Arcos, com a qual recebeu a classificação de 20 valores. Nesse mesmo ano, deixaria o ministério de padre, indo para Barcelona estagiar com Oriol Bohigas.

Igreja de Santo António de Moscavide. João de Almeida

Exterior da Igreja de Santo António de Moscavide. Foto © Joao.pimentel.ferreira/Wikimedia Commons

 

Entre a sua vastíssima obra, destacam-se, na arquitectura religiosa, a Igreja de Santo António, (Moscavide, com Freitas Leal), a Igreja do Seminário de Penafirme (remodelação, com Freitas Leal) e a Igreja da Sagrada Família, em Paço de Arcos. João Alves da Cunha sublinha também o enorme contributo de João de Almeida para a renovação da ourivesaria sacra, já que foi autor de “dezenas de cálices, várias píxides, sacrários, castiçais e uma belíssima custódia em prata”.

No campo civil, fundou, com Pedro Emauz Silva, o ateliê ArquiIII, responsável pela reabilitação dos Paços do Concelho de Lisboa, renovação do Museu Nacional de Arte Antiga e reconversão do Convento das Bernardas (Lisboa) e do Convento das Chagas (Vila Viçosa). O ateliê venceu um Prémio Valmor em 1990, com as Residências Príncipe Real (Rua do Século, em Lisboa) e uma menção honrosa do mesmo galardão com o Edifício Administrativo da Expo 98.

João de Almeida foi ainda o autor dos projectos museográficos de grandes exposições como Feitorias da Flandres (Museu Nacional de Arte Antiga, 1992) e Triunfo do Barroco (Centro Cultural de Belém, 1993).

No final de 2012, a Fundação Medeiros e Almeida, onde era um dos administradores, em Lisboa, organizou uma exposição retrospectiva da sua obra completa.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Cada vez mais crimes de violência contra crianças; houve 689 crimes com bebés até aos três anos

APAV divulga estatísticas de 2022 e 2023

Cada vez mais crimes de violência contra crianças; houve 689 crimes com bebés até aos três anos novidade

Em 2022 e 2023, registaram-se em Portugal mais de dez mil crianças vítimas de crimes e outras formas de violência, sendo a esmagadora maioria desses atos crimes de violência doméstica (62,6 por cento) e crimes sexuais (30,4).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Cerveja artesanal, restauros ao vivo e túneis secretos: assim se revitaliza a igreja do Castelo

Lisboa

Cerveja artesanal, restauros ao vivo e túneis secretos: assim se revitaliza a igreja do Castelo

São necessários 200 mil euros para preservar o património cultural e religioso da igreja do Castelo, em Lisboa. Missão impossível? Não na perspetiva do seu pároco, Edgar Clara, que acaba de apresentar um plano de atividades para angariar o dinheiro que é preciso: dele fazem parte sessões de restauro ao vivo, visitas guiadas à igreja e ao bairro do Castelo de São Jorge, e o lançamento da cerveja artesanal “Santa Cruz”, em cujo fabrico até deu uma mãozinha.

É notícia

Entre margens

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

O inferno ficou oco

O inferno ficou oco

O Ratazano, quando subia à superfície e suportava a claridade por mais de um qualquer tempo, quase sempre procurava buracos para se esconder e respirar a sombra. Também os havia lá em cima, os buracos. Bem escondidos, mas havia-os. Ah, se os havia. Eram restos guardados em surdina para a oportunidade do futuro. E a lucidez coitada, tão ingénua, não se dava conta. Mas o Ratazano, esse sim, descobria tudo quanto era viscoso. Faro apurado. [Texto alegórico de Ana Sofia Brito]

As narrativas do evangelho

As narrativas do evangelho

"Viver é narrar." O impacto desta sentença nas nossas vidas impregna algo tão desconfortável quanto intrigante. De facto, a narração é algo importante, pois através dela o mundo não nos é apresentado apenas em sua pura dureza,...

Cultura e artes

Uma estranha serenidade…

Uma estranha serenidade… novidade

Talvez o leitor já tenha tido a estranha sensação de conversar com um monge e sair dessa conversação cheio de interrogações, mas também de entrar em si com o sentimento de uma estranha serenidade. Uma sensação enigmática que nos desloca da nossa condição habitual e doméstica, para um outro nível de relação com os demais, uma outra maneira de habitar o mundo e de nos sentirmos a nós próprios. [Texto de João Paulo Costa a propósito do filme de Wim Wenders Perfect Days]

Sete Partidas

Hospitalidade, foco e atenção

Hospitalidade, foco e atenção

Numa entrevista a Tolentino Mendonça ouvi uma palavra que, não sei bem porquê, não ouvia, ou não pensava, há muito tempo. Hospitalidade. “Modo generoso e afável de receber ou tratar alguém.” Assim diz o dicionário Priberam. A palavra ficou. Anda aqui por dentro, “da cabeça para o coração e do coração para a cabeça”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This