Morreu o dominicano frei Bernardo Domingues

| 22 Fev 19

Morreu nesta sexta-feira, 22 de fevereiro, aos 88 anos, frei Bernardo Domingues, da Ordem dos Pregadores (dominicanos), que no próximo mês de maio completaria 62 anos de sacerdócio. Frei Bernardo estava internado no Instituto Português de Oncologia, do Porto, há dois meses.

Nascido em 1931, em Vilar, Terras de Bouro (distrito de Braga) numa família de sete irmãos, Domingos de nome próprio, tornou-se frade dominicano (tal como o seu irmão Bento Domingues), adotando o nome de Bernardo e sendo ordenado em 1957.

Licenciou-se em Filosofia, em Madrid, em 1964, e em Toulouse preparou o doutoramento que viria a obter em 1988, na universidade de S. Tomás de Aquino, com a tese “O mundo e Deus confrontam-se na obra de Emmanuel Mounier”. Mas antes, ainda em Toulouse, diplomou-se em Psicopedagogia. Em Dublin, obteve o grau de “Lector in Sacra Theologia” e, em Roma, em 1992, obteve o grau de mestre.

Considerado um dos maiores teólogos portugueses, tinha a Filosofia, a Psicopedagogia e a Teologia como principais áreas de estudo. Fez parte da história das Equipas de Nossa Senhora em Portugal, tendo acompanhado aquele movimento católico internacional para casais desde a sua fundação, sobretudo no Porto, onde foi conselheiro espiritual de vários grupos. Foi ainda professor de Educação Moral e Religiosa em escolas do ensino secundário.

O corpo está desde as 15 horas desta sexta-feira na Igreja Paroquial de Cristo Rei, no Porto. O funeral realiza-se no sábado às 14h30.

Artigos relacionados

Breves

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Afeganistão

Talibãs obrigam mulheres a cobrir-se

O Ministério afegão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício colocou cartazes por toda a capital, Cabul, ordenando às mulheres que se cobrissem. “O que eles estão a tentar fazer é espalhar o medo entre as pessoas”, disse uma estudante universitária, defensora dos direitos das mulheres.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix novidade

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

Viver no ritmo certo novidade

Enquanto pensava no que iria escrever este mês, havia uma palavra que não saía da minha mente: “descanso”. Obtive a confirmação desta quando, por coincidência ou não, este foi o tema escolhido pela Aliança Evangélica Europeia para a sua semana universal de oração, realizada de 9 a 16 de janeiro de 2022. Os líderes evangélicos apelam a que todos possam viver no ritmo de Deus porque estamos a ser engolidos por uma onda de homens e mulheres sobrecarregados, completamente esgotados e sem força para lutar mais pela vida.

Uma Teofania nos corações humanos

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

Cultura e artes

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix novidade

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This