Max Stahl

Morreu o jornalista que filmou o massacre de Santa Cruz

| 29 Out 2021

Imagem do massacre filmado por Max Sthal

 

O jornalista britânico-timorense Max Stahl, que filmou o massacre de Santa Cruz, em Díli, em Novembro de 1991 – e cujas imagens fizeram que a ocupação indonésia de Timor-Leste saltasse para a ribalta dos noticiários internacionais – morreu na quarta-feira, 27, num hospital da cidade australiana de Brisbane, informaram as agências internacionais.

Christopher Wenner, o seu nome de origem, adoptou depois o nome profissional de Max Stahl. A sua ligação a Timor-Leste começou no final de Agosto de 1991, quando entrou no território como turista, com a ideia de fazer um documentário para um canal inglês de televisão. 

Para concretizar o objectivo, entrevistou clandestinamente vários membros e líderes da resistência timorense à ocupação. Permanecendo em Timor, Stahl acabaria por estar no cemitério de Díli a acompanhar uma romagem em memória do jovem Sebastião Gomes, da Rede Nacional de Estudantes de Timor-Leste, que tinha sido morto pelos militares indonésios.

A dada altura, muitos dos jovens que acompanhavam o funeral manifestaram-se contra os militares que os vigiavam e estes começam a disparar indiscriminadamente, matando pelo menos 271 pessoas no local e provocando a morte a mais 127 nos dias seguintes – os corpos de muitos destes nunca foram entregues aos seus familiares.

Max Stahl, ou Christopher Wenner. Foto © Ju. Fernandes, Presidência de Timor-Leste, Public domain, via Wikimedia Commons

Max Stahl filmou os acontecimentos, escondendo-se atrás de algumas das campas do cemitério. O jornalista ocultou as cassetes com o filme na própria necrópole, voltando mais tarde para as recuperar. Quando as imagens chegaram ao estrangeiro é que a dimensão do que se passara se tornou verdadeiramente conhecida, contribuindo decisivamente para a internacionalização da causa de Timor. 

Stahl seria depois condecorado com a Ordem da Liberdade, a mais importante distinção de Timor-Leste, sendo-lhe ao mesmo tempo atribuída a nacionalidade timorense.

Max Stahl, 67 anos, tido ido para a Austrália há já algum tempo, para poder fazer tratamentos médicos.

 

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This