Thich Nhat Hanh

Morreu o mestre budista da paz e da consciência atenta

| 23 Jan 2022

Thich Nhat Hanh, mestre budista, celebrava 95 anos de vida. Foto © Duc

 

Era considerado um dos nomes do budismo mais influentes internacionalmente: Thich Nhat Hanh “morreu pacificamente” este sábado, 22 de janeiro, aos 95 anos, segundo anúncio feito pela comunidade a que pertencia.

Considerado um dos maiores mestres do budismo, este monge tinha regressado ao seu país natal há cerca de três anos, depois de quase 40 de exílio em França e encontrava-se no templo Tu Hieu, considerado o centro do budismo vietnamita, na cidade de Hue, onde faleceu.

O seu exílio foi a consequência da luta pacífica que travou para exigir o fim da guerra do Vietname. Em 1966, foi recebido em audiência pelo Papa Paulo VI, para o sensibilizar para a paz no seu país. E Martin Luther King, que Nhat Hanh apoiou, chegou a propor, no ano seguinte, o seu nome para Nobel da Paz.

Contudo, a sua forma de viver a religião de forma ativa começou ainda nos anos 50 do século passado. Durante esses anos, escreve este domingo, 23, The Washington Post, “ele desenvolveu o conceito de ‘budismo comprometido’, no qual os ensinamentos da sua fé poderiam ser usados ​​para promover práticas humanísticas na educação, saúde e política”. “As suas ideias não eram populares entre os monges budistas tradicionais, que normalmente se mantinham fora da vida pública e praticavam a sua fé em mosteiros”, observa aquele diário.

Na guerra, ele e os monges que o seguiram, assim como uma organização juvenil de caráter social e cívico que criou, ajudaram as populações, sem terem aderido a qualquer dos lados em luta. Um dia, tiveram de remar por um rio acima com atiradores de ambos os lados.

“Quando as bombas começam a cair sobre as pessoas, tu não podes ficar no espaço da meditação o tempo todo”, disse ele ao Los Angeles Times em 2010. “Meditação é sobre a consciência do que está a acontecer, não apenas com o teu corpo e sentimentos, mas também ao teu redor.”

A União Budista Portuguesa (UBP) evocou, em comunicado enviado ao 7 MARGENS, a morte de Thich Nhat Hanh, manifestando “reconhecimento pela vida deste Mestre”. A UBP partilhou também uma mensagem da comunidade de Plum Village, que o monge fundou e onde viveu, na qual se sublinha: “Quer o tenhamos encontrado em retiros, em conversas públicas, ou através dos seus livros e ensinamentos online – ou simplesmente através da história da sua incrível vida – podemos ver que Thay (Thich Nhat Hanh) tem sido um verdadeiro bodhisatva, uma imensa força de paz e cura no mundo.”

Dominando vários idiomas, Nhat Hanh orientou retiros e workshops em vários países ocidentais, trabalhando de forma aprofundada o conceito de mindfulness (característica e qualidade de quem está completamente atento aos, e focado nos, seus pensamentos, atos e ambientes, em cada momento). Muitas desses atividades resultaram dos (e deram origem aos) mais de cem livros que publicou. Entre estes, há vários publicados em Portugal por editoras como a Sextante, Presença, Pergaminho, Sinais de Fogo e, no Brasil, pelo menos uma dezenas de títulos na Vozes.

O caminho para atingir a mindfulness seria, segundo o monge, a respiração consciente (noutras alturas, acrescentava também a caminhada consciente).

Desde que teve um derrame, em 2014, Thich Nhat Hanh não conseguia falar e deslocava-se em cadeira de rodas.

No YouTube encontram-se vários vídeos de palestras e formações deste mestre budista.

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This