Padre Arlindo Magalhães (1944-2023)

Morreu um pioneiro da formação católica em catecumenato

| 18 Jan 2023

Arlindo Magalhães, Comunidade Serra do Pilar

O padre Arlindo Magalhães presidindo à eucaristia na Comunidade Serra do Pilar. Foto: Direitos reservados

 

O padre Arlindo de Magalhães Ribeiro da Cunha, que ficou conhecido pela atividade pastoral inovadora na Comunidade Cristã da Serra do Pilar (Gaia, diocese do Porto), mas também como investigador de temáticas ligadas à história e arte cristãs, morreu nesta quarta-feira, 18 de janeiro.

O padre Arlindo Magalhães, ou simplesmente padre Arlindo, como era conhecido, foi ordenado em 1967 e iniciou, em novembro de 1974, o ministério de presbítero na igreja do antigo Mosteiro da Serra do Pilar, sobranceiro ao Douro, junto à ponte D. Luís, inaugurando uma experiência comunitária que marcou muitas pessoas e a população da zona, do ponto de vista eclesial, mas também social e cultural

Em 1996, Arlindo Magalhães doutorou-se em Teologia Dogmática na Universidade Pontifícia de Salamanca, com uma tese centrada na figura e no culto de S. Gonçalo de Amarante. Foi, até à aposentação, professor na Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa no Mestrado Integrado de Teologia (cadeiras de Teologia Pastoral e Teologia e História das Religiões, entre outras).

É autor de numerosos livros, capítulos e artigos de divulgação, nomeadamente em torno da figura de S. Gonçalo e do caminho de Santiago de Compostela. Foi um colaborador ao longo de décadas da revista dos franciscanos Mensageiro de Santo António, em temáticas como o património artístico, a pastoral, a espiritualidade e a história da Igreja. Colaborou também no jornal Voz Portucalense, nomeadamente com crónicas sobre cinema, área que o apaixonava.

Foi convidado para múltiplas iniciativas, para apresentar e debater a formação laical, a partir do projeto de catecumenato que pôs de pé na Comunidade da Serra do Pilar. Num artigo publicado pelo jornalista António Marujo no jornal Público, em 1995, e agora reeditado no 7MARGENS, são evocados os 20 anos sobre o arranque e o subsequente percurso dessa Comunidade.

Nos últimos anos, a saúde começou a ser um fator de perturbação do seu quotidiano, o que de certa forma o foi limitando. Desde sábado último, encontrava-se hospitalizado, em coma induzido, na sequência de uma queda que dera em casa.

O corpo de Arlindo Magalhães estará a partir das 11 horas desta quinta-feira, 19, na igreja da Serra do Pilar, estando previsto, no local, um momento de oração, às 21h30, promovido pela Comunidade Cristã de que ele era presbítero. A celebração das exéquias será na sexta-feira, dia 20, às 10 horas, presidida pelo bispo do Porto, Manuel Linda.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre”

Face a "descredibilização" dos presbíteros

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre” novidade

Reconhecendo que o contexto da Igreja universal “é caracterizado pela descredibilização do clero provocada por diversas crises, pela redução do número de vocações ao sacerdócio ministerial e pela situação sociológica de individualismo e de crescente indiferença perante a questão vocacional”, os representantes do Clero diocesano de Angra (Açores) defendem o incremento da “pastoral vocacional assente na comunidade, sobretudo na família e no testemunho do padre”.

Por uma transumância outra

Por uma transumância outra novidade

Este texto do Padre Joaquim Félix corresponde à homilia do Domingo IV da Páscoa na liturgia católica – último dia da semana de oração pelas vocações – proferida nas celebrações eucarísticas das paróquias de Tabuaças (igreja das Cerdeirinhas), Vilar Chão e Eira Vedra (arciprestado de Vieira do Minho).  

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This