Morte de imigrante em centro de detenção: Tribunal inglês condena Ministério do Interior

| 15 Abr 21

prisao centro detencao Foto Direitos reservados

A ministra do Interior, Priti Patel, foi considerada diretamente responsável por não assegurar que as mortes em centros de detenção são investigadas com rigor. Foto: Direitos reservados.

 

Oscar Lucky Okwurime foi encontrado morto na sua cela no centro de detenção de imigrantes de Harmondsworth (perto do aeroporto londrino de Heathrow), a 12 de setembro de 2019. O seu amigo Ahmed Lawal, também nigeriano, acompanhou os seus últimos dias e era uma testemunha vital para se saber como Okwurime tinha sido tratado pelos serviços de imigração britânicos. Mas o Ministério do Interior acelerou o processo da sua deportação, procurando executá-la em cinco dias. Lawal recorreu para o tribunal e este ordenou a suspensão da tramitação. Nesta quarta-feira, 14 de abril, dois juízes do tribunal de imigração condenaram a forma como o processo foi conduzido e declararam a ministra do Interior, Priti Patel, diretamente responsável por não assegurar que as mortes em centros de detenção são investigadas com rigor.

De acordo com o relato do caso feito pelo jornal The Guardian, o inquérito judicial à morte de Okwurime mostrou que esta não foi uma morte natural, tendo sido provocada por uma hemorragia interna que podia ter sido evitada caso lhe tivesse sido prestada a assistência médica recomendada pela hipertensão medida e registada a 22 de agosto de 2019.

Contudo, nenhum seguimento médico foi dado àquela constatação de vulnerabilidade e, pelo contrário, os serviços do centro de detenção nunca mais voltaram a medir-lhe a tensão arterial.

Os juízes condenaram não apenas a negligência que levou à morte do imigrante nigeriano, como a tentativa de expulsar do país uma testemunha vital para o esclarecimento de uma morte ocorrida num centro de detenção.

O Ministério do Interior britânico ainda não tinha, ontem, tornada pública qualquer reação à sentença que o The Guardian classifica como “um marco histórico” no quadro da legislação da imigração no Reino Unido.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This