22 de julho, festa de Santa Maria Madalena

Movimento católico quer “narrativa completa” do dia da Ressurreição

| 21 Jul 2023

Maria Madalena imaginada pelo pintor italiano Rutilio Manetti em 1620

Maria Madalena imaginada pelo pintor italiano Rutilio Manetti em 1620.

 

Para celebrar a figura de Santa Maria Madalena como primeira testemunha da Ressurreição de Jesus e como “apóstola dos apóstolos”, o Papa Francisco elevou a memória desta importante mulher dos evangelhos à categoria de “festa”, celebrada a 22 de julho, com dignidade idêntica às festas dos apóstolos e evangelistas. Alguns setores católicos entendem que se deve ir mais longe, tirando consequências deste exemplo quanto ao lugar que as mulheres ocupam e deveriam ocupar na vida atual da Igreja.

Muitos cristãos continuam longe da figura de Maria Madalena ou de Jesus com ideias que caíram por terra, como por exemplo a de que se tratou de uma prostituta que se veio a arrepender, quando encontrou Jesus. No entanto, nada, na Bíblia, permite tirar conclusões nesse sentido.

Como refere uma carta datada do último domingo, 16 de julho, assinada pelo arcebispo Arthur Roche, secretário do Dicastério para o Culto Divino, “a tradição ocidental, em especial desde o tempo de Gregório Magno, identificou Santa Maria Madalena; a mulher que ungiu os pés de Cristo com perfume na casa de Simão, o fariseu; e [Maria] a irmã de Lázaro e Marta, como sendo a mesma pessoa”. Esta interpretação “continuou a influenciar os autores eclesiásticos ocidentais, a arte cristã e os textos litúrgicos relativos a esta Santa”, acrescenta aquele responsável.

O que é certo é que ela se encontrava entre os discípulos, esteve presente no momento em que Jesus foi crucificado e foi a primeira a descobrir o túmulo vazio, a encontrar o Ressuscitado e a corresponder ao pedido para que fosse anunciar essa boa nova. Daí o epíteto de “apóstola dos apóstolos”, que foi proposto por S. Tomás de Aquino e que, nos últimos anos, tem vindo a ser recuperado.

Nesta linha, o movimento católico FutureChurch, sediado nos estados Unidos da América, tem em curso um abaixo-assinado para que, no mais importante dia (litúrgico) do ano – o domingo de Páscoa – haja uma leitura completa da narrativa que diz respeito a Maria Madalena (ou de Magdala).

Segundo se pode ler no texto, nas celebrações desse domingo, é lido o capítulo 20 do evangelho de João, mas apenas a parte dos versículos 1 a 9. O que é solicitado aos responsáveis eclesiásticos – designadamente ao Sínodo dos Bispos que se reúne em primeira sessão em outubro próximo – que seja também incluída a proclamação dos versículos 11 a 20, que atualmente só acontece na terça-feira seguinte, quando o número de frequentadores da eucaristia é muito menor. Neles é que sobressai o papel de Maria Madalena: os discípulos tinham voltado para casa, mas, segundo o relato evangélico, ela ficou junto ao túmulo a chorar, quando lhe aparece Jesus que a incumbe de levar a boa nova aos discípulos.

 

“Foi a uma mulher que Cristo apareceu”

Angelo Bronzino (1503-1572), Noli me tangere, Museu do Louvre, Paris

Aquele movimento partilha da ideia de que qualquer discussão sobre o papel das mulheres na Igreja deve começar com estes dois factos, sublinhados pelo padre jesuíta James Martin, consultor do Dicastério para a Comunicação: “Foi a uma mulher, e não a um homem, que Cristo ressuscitado escolheu aparecer pela primeira vez; e foi uma mulher que, durante algum tempo, foi a única recetora, portadora e proclamadora da boa nova da Ressurreição.”

Na linha de ação que o Papa Francisco tem vindo a impulsionar, no sentido de criar uma presença mais incisiva das mulheres na Igreja, o Future Church entende que “é tempo de contar a história completa do testemunho apostólico” de Maria Madalena em cada Páscoa, para que “todos os católicos possam ser inspirados pela Boa Nova da sua fé, coragem e ministério”.

A oportunidade do abaixo-assinado tem que ver com o Sínodo dos Bispos, visto que o Instrumentum Laboris que orientará os trabalhos dos participantes aborda a necessidade de uma maior inclusão das mulheres na vida, no ministério e no governo da Igreja.

O movimento norte-americano, com membros em diferentes partes do mundo, desenvolveu preparativos para a festa de Santa Maria Madalena deste ano, colocando-os sob a égide da sinodalidade que, segundo afirma, foi praticada pelo próprio Jesus, “através do exemplo (…), ensinando através de parábolas; procurando as periferias, cujas vozes tinham sido ignoradas ou silenciadas; colocando cada pessoa que encontrava no seu caminho no centro do seu ministério”.

O FutureChurch sustenta que poderá ter sido uma “falha” na história da sinodalidade o facto de os outros apóstolos “terem ignorado o testemunho de Maria Madalena”. “Ainda hoje vivemos com a ferida desse ‘erro’ na nossa Igreja”, observa o Movimento, que apela a uma maior igualdade para as mulheres na Igreja para que se possa “Alargar o Espaço da Nossa Tenda”, onde caibam “tantas mulheres ignoradas e desacreditadas”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This