Para resolver o conflito

Movimento por Cabo Delgado quer iniciativas urgentes

| 28 Jun 21

Cabo Delgado-Helpo 3

Plataforma pede ações urgentes para a zona de Cabo Delgado, em Moçambique. Foto © Helpo

 

O Movimento por Cabo Delgado, constituído por três dezenas de organizações da sociedade civil portuguesa, reclama uma ajuda humanitária urgente para a província moçambicana, vítima de um conflito que provocou mais de 700.000 deslocados e mais de 2000 mortes.

A organização considera que são várias as motivações do conflito, mas, “além de uma dimensão religiosa instrumental, a maior causa assenta no esquecimento, na ausência de desenvolvimento e na ausência de esperança a que a população de Cabo Delgado tem sido votada pelo seu próprio Estado, pelos países parceiros e por toda a comunidade internacional”, afirma, em comunicado enviado ao 7MARGENS.

Com um grupo promotor constituído pela Cáritas Portuguesa, pelo Centro Missionário Arquidiocesano de Braga, pela Comissão Nacional Justiça e Paz, pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, pela Fundação Fé e Cooperação, pela Fundação Gonçalo da Silveira e por Rosto Solidário (afecto à congregação Passionista), o Movimento por Cabo Delgado contactou os grupos parlamentares, os eurodeputados portugueses e o Presidente da República a solicitar reuniões de trabalho.

O objectivo é fazer lembrar que a situação de Cabo Delgado não está resolvida e que é urgente que lá chegue a ajuda humanitária. As reuniões têm vindo a decorrer desde Abril, estando agendado para o próximo mês o encontro com o Presidente da República.

“A nossa missão”, indica o Movimento por Cabo Delgado, “é ser voz” dos que dela precisam: “dos deslocados que continuam a chegar diariamente aos distritos do sul, em especial Ancuabe, Pemba, Montepuez e Mueda”, que continuam a passar fome e se encontram num estado psicológico de grande fragilidade, “por verem os seus familiares perderem a vida à sua frente, por terem perdido todos os seus bens”; “das crianças deslocadas que se perderam das suas famílias, que perderam o acesso à educação, que têm de se tornar pequenos adultos e resistir”; “das organizações humanitárias no terreno que precisam de todo o apoio na ajuda da construção de uma nova vida para os deslocados que se encontram nos centros de reassentamento de Mecufi, Ancuabe, Montepuez, Chiure, Namuno e Balama e que precisam de um abrigo digno, de poder prover o seu sustento através do trabalho numa nova machamba, através de trabalho de carpintaria, através de trabalho em costura e muito mais”; “de meninas e jovens que continuam a ser raptados pelos chamados insurgentes”.

No território de Cabo Delgado, recorda o movimento, “existem riquezas infindáveis no subsolo, que estão a ser exploradas por grandes multinacionais, e ao mesmo tempo é das províncias moçambicanas com um menor nível de desenvolvimento social”.

 

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This