Contra conteúdo de ódio

Muçulmanos australianos processam Twitter

| 26 Jun 2022

rede social twitter foto c roman okopny

Foto © Roman Okopny

 

A Australian Muslim Advocacy Network (AMAN), um grupo de defesa dos muçulmanos australianos, apresentou uma queixa contra o Twitter na Comissão de Direitos Humanos de Queensland, acusando o site de não tomar medidas contra contas que incitam ao ódio, noticiou The Guardian na sua edição de dia 26 de junho.

Uma das contas contra as quais o AMAN protesta foi citada no manifesto do extremista que matou 77 pessoas na Noruega em 2011, mas apesar de vários pedidos, o Twitter recusou-se a excluir a conta e os comentários sobre os posts que “difamam e denigrem” os muçulmanos. Os comentários referidos na queixa referem-se ao Alcorão como “esta memória satânica” e ao Islão como “o culto mais violento e sexualmente perverso”. Outros escrevem que “o Ramadão significa matar infiéis” e que o Alcorão deve ser referido como “manual terrorista”.

A AMAN acusou o Twitter evocando a Lei Antidiscriminação de Queensland, acusando-o de incitar o ódio enquanto editor de contas de terceiros, bem como de discriminação por se recusar a agir contra conteúdo de ódio. Entre julho de 2020 e julho de 2021, a AMAN diz ter apresentado reclamações ao Twitter sobre 445 itens, incluindo 29 tweets que alega incitar ao ódio e 416 comentários e citações nesses tweets. O Twitter não excluiu esses comentários e confirmou por escrito em julho de 2021 que as contas foram avaliadas como sendo “consistentes com suas políticas”.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This