França

Muçulmanos discriminados no ensino superior

| 22 Fev 2022

 

Um estudo recente realizado em França por duas agências de investigação concluiu que pessoas com nome e apelido muçulmanos que se candidatam a programas de pós-graduação são mais discriminados do que aqueles com nomes etnicamente franceses.

O estudo foi realizado pela Agência de Monitorização da Discriminação e Igualdade no Ensino Superior (ONDES) e da Universidade Gustave-Eiffel, através do envio de mais de 1.800 inquéritos enviados por correio electrónico, em Março do ano passado, a directores de educação de 607 programas de pós-graduação de 19 universidades. O objectivo, diz o Muslim News, do Reino Unido, era verificar se há discriminação das escolas de ensino superior em relação a pessoas com deficiência ou de origem estrangeira. 

Apesar de afirmarem que respeitam a diversidade, os investigadores registaram que quem tem um nome muçulmano tinha 12,3% menos probabilidades de receber respostas a mensagens de correio electrónico enviadas aos seus programas de pós-graduação. O pior era no direito (33,3% menos de respostas) seguido da ciência, tecnologia e saúde (21,1%); situação menos grave (7,3%) registava-se nos campos da língua, literatura, arte, humanidades e ciências sociais.

Em relação às pessoas portadoras de deficiência física, os investigadores não registaram qualquer discriminação.

O Muslim News recorda que a questão dos direitos dos muçulmanos tem sido objecto de debate e tensão em França, nos últimos anos, até porque também não têm faltado episódios de violência terrorista reivindicada pelo autodenominado Estado Islâmico. Foram os casos dos ataques ao jornal Charlie Hebdo (Janeiro de 2015, doze mortos), à discoteca Bataclan (Novembro 2015, 130 mortos), ao professor Samuel Paty (Outubro de 2020) e na basílica de Notre Dame em Nice (três mortes).

No mesmo jornal, recorda-se ainda princípio da laicité, que vem da Revolução Francesa e segundo a qual o Estado adopta uma perspectiva distante das religiões e uma posição neutra, que “não reconhece diferenças religiosas entre os cidadãos”. 

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This