França

Muçulmanos discriminados no ensino superior

| 22 Fev 2022

 

Um estudo recente realizado em França por duas agências de investigação concluiu que pessoas com nome e apelido muçulmanos que se candidatam a programas de pós-graduação são mais discriminados do que aqueles com nomes etnicamente franceses.

O estudo foi realizado pela Agência de Monitorização da Discriminação e Igualdade no Ensino Superior (ONDES) e da Universidade Gustave-Eiffel, através do envio de mais de 1.800 inquéritos enviados por correio electrónico, em Março do ano passado, a directores de educação de 607 programas de pós-graduação de 19 universidades. O objectivo, diz o Muslim News, do Reino Unido, era verificar se há discriminação das escolas de ensino superior em relação a pessoas com deficiência ou de origem estrangeira. 

Apesar de afirmarem que respeitam a diversidade, os investigadores registaram que quem tem um nome muçulmano tinha 12,3% menos probabilidades de receber respostas a mensagens de correio electrónico enviadas aos seus programas de pós-graduação. O pior era no direito (33,3% menos de respostas) seguido da ciência, tecnologia e saúde (21,1%); situação menos grave (7,3%) registava-se nos campos da língua, literatura, arte, humanidades e ciências sociais.

Em relação às pessoas portadoras de deficiência física, os investigadores não registaram qualquer discriminação.

O Muslim News recorda que a questão dos direitos dos muçulmanos tem sido objecto de debate e tensão em França, nos últimos anos, até porque também não têm faltado episódios de violência terrorista reivindicada pelo autodenominado Estado Islâmico. Foram os casos dos ataques ao jornal Charlie Hebdo (Janeiro de 2015, doze mortos), à discoteca Bataclan (Novembro 2015, 130 mortos), ao professor Samuel Paty (Outubro de 2020) e na basílica de Notre Dame em Nice (três mortes).

No mesmo jornal, recorda-se ainda princípio da laicité, que vem da Revolução Francesa e segundo a qual o Estado adopta uma perspectiva distante das religiões e uma posição neutra, que “não reconhece diferenças religiosas entre os cidadãos”. 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This