Minoria religiosa

Muçulmanos ucranianos lutam contra exército russo

| 29 Abr 2022

comunidade muçulmana reunida no centro cultural islamico de lviv ucrania, foto FB

Comunidade muçulmana reunida no Centro Cultural Islâmico de Lviv, na Ucrânia. Foto © Cetro Cultural Islâmico de Lviv.

 

São uma ínfima minoria, mas diz o imã Murad Suleimanov da mesquita do Centro Cultural Islâmico de Lviv (Ucrânia): “Nós [muçulmanos] fazemos parte deste país” e, por isso “devemos fazer algo”. Esse “algo” tem consistido em resistir à ocupação russa e participar no esforço de guerra. Mesmo se, na Rússia, os responsáveis oficiais das comunidades muçulmanas apoiam Putin.

Entrevistado pelo Washington Post, o imã Suleimanov refere que os muçulmanos ucranianos estão a lutar na linha de frente e entendem os seus esforços de guerra como um dever religioso e uma afirmação da sua identidade ucraniana.

Esta comunidade religiosa do país tem uma longa história de sofrimento às mãos dos governantes de Moscovo. Desde a deportação à força no quadro da limpeza étnica da Crimeia levada a cabo pelos soviéticos em 1944, até aos dias de hoje. Seis das 15 repúblicas da antiga União Soviética eram de maioria muçulmana. Na Rússia atual, vivem 20 milhões de muçulmanos.

 

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã novidade

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This