Minoria religiosa

Muçulmanos ucranianos lutam contra exército russo

| 29 Abr 2022

comunidade muçulmana reunida no centro cultural islamico de lviv ucrania, foto FB

Comunidade muçulmana reunida no Centro Cultural Islâmico de Lviv, na Ucrânia. Foto © Cetro Cultural Islâmico de Lviv.

 

São uma ínfima minoria, mas diz o imã Murad Suleimanov da mesquita do Centro Cultural Islâmico de Lviv (Ucrânia): “Nós [muçulmanos] fazemos parte deste país” e, por isso “devemos fazer algo”. Esse “algo” tem consistido em resistir à ocupação russa e participar no esforço de guerra. Mesmo se, na Rússia, os responsáveis oficiais das comunidades muçulmanas apoiam Putin.

Entrevistado pelo Washington Post, o imã Suleimanov refere que os muçulmanos ucranianos estão a lutar na linha de frente e entendem os seus esforços de guerra como um dever religioso e uma afirmação da sua identidade ucraniana.

Esta comunidade religiosa do país tem uma longa história de sofrimento às mãos dos governantes de Moscovo. Desde a deportação à força no quadro da limpeza étnica da Crimeia levada a cabo pelos soviéticos em 1944, até aos dias de hoje. Seis das 15 repúblicas da antiga União Soviética eram de maioria muçulmana. Na Rússia atual, vivem 20 milhões de muçulmanos.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This