Mudanças na nunciatura da Santa Sé em Lisboa por causa da JMJ

| 19 Jul 20

Nunciatura apostólica da Santa Sé em Lisboa

Nunciatura apostólica da Santa Sé em Lisboa. Foto da imagem do Google Maps.

 

O colombiano Mauricio Rueda Beltz, que há quatro anos era responsável pelas viagens internacionais do Papa, será o novo conselheiro da nunciatura apostólica (embaixada) da Santa Sé em Lisboa, a partir de final de Agosto. A notícia veio este sábado, 18 de Julho, no Avvenire, diário da Conferência Episcopal Italiana, confirmando assim uma das hipóteses que tinha sido antecipada há dias pelo Il Sismografo, conforme o 7MARGENS noticiara.

O jornal italiano diz que a “transferência” de monsenhor Mauricio Rueda para Lisboa é “particularmente significativa”. Responsável, no âmbito da secção da Secretaria de Estado do Vaticano para os assuntos gerais, pelas viagens internacionais do Papa durante os últimos quatro anos, a sua mudança para Lisboa significa também, adianta o Avvenire, que devido ao coronavírus, nos “próximos meses (pelo menos dezoito, ao que parece), não são esperadas” novas viagens.

A notícia do Il Sismografo dizia que Mauricio Rueda poderia vir como conselheiro ou substituir o núncio – hipótese menos provável, já que Ivo Scapolo foi nomeado para Portugal no final de Agosto do ano passado. Agora, o jornal católico afirma que ele virá como conselheiro, substituindo monsenhor Amaury Medina Blanco, que irá para Sarajevo. A mesma informação tinha sido confirmada na sexta-feira, ao final do dia, por uma fonte bem colocada em Roma: “Irá como conselheiro”, garantiu um responsável do Vaticano ao 7MARGENS.

Colocando em Lisboa – uma das nunciaturas a que a diplomacia da Santa Sé dá tradicionalmente importância – a pessoa que até agora tem tratado da preparação e organização das viagens do Papa, o Vaticano está também a dar um sinal de que pretende acompanhar de bem perto a organização da Jornada Mundial da Juventude, inicialmente prevista para 2022 e adiada para 2023, por causa da covid-19.

A mudança pode significar ainda, adiantam fontes eclesiásticas ao 7MARGENS, que o Papa pretende acompanhar essa preparação através de alguém da sua confiança pessoal – o que não acontecerá com o actual núncio Ivo Scapolo, que saiu do Chile debaixo de acusações, até hoje não esclarecidas, mas que o próprio já desmentiu, de encobrimento de casos de abusos e de não ter gerido bem a informação que chegou (ou não) ao Papa, acerca do tema.

Recorde-se que, em Janeiro de 2018, o Papa esteve no Chile, tendo na ocasião defendido o bispo Juan Barros, nessa altura acusado de encobrimento de abusos sexuais do padre Fernando Karadima. Depois disso, Francisco decidiu enviar os arcebispos Charles Scicluna e Jordi Bertomeu para falar com as vítimas e chamou depois todos os bispos chilenos a Roma, a quem pediu um forte exame de consciência.

O encontro culminou com o pedido de demissão de todos os bispos, tendo o Papa aceite vários deles, incluindo o de Juan Barros. Ainda em Setembro desse ano, Karadima acabaria irradiado do sacerdócio, uma vez provadas as acusações que contra ele eram feitas. Vários responsáveis da Igreja Católica no Chile criticaram na época a gestão do caso feita pelo actual núncio em Lisboa, que na altura ocupava o mesmo cargo em Santiago do Chile.

 

Uma diplomacia cada vez mais internacional

De acordo com o Avvenire, há outras mudanças importantes que a circular assinada (mas ainda não publicada) pelo secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin em breve confirmará: os dois eclesiásticos envolvidos na complexa investigação da venda de um palacete em Londres – Alberto Perlasca e Mauro Carlino –  irão regressar às suas dioceses (Como e Lecce, respectivamente, ambas em Itália).

Outro dado relevante é a confirmação da tendência de internacionalização do corpo de diplomatas da Santa Sé, que até um passado muito recente era quase só composto de italianos. O Avvenire nota que, em 1978, 55 dos 75 representantes pontifícios (73,3%) eram italianos. Agora, os núncios italianos são “apenas” 38 em 99 (ou seja, 38,4%).

No entanto, os números deste ano contrariam a tendência: quatro dos sete novos diplomatas do Vaticano são originários de Itália (os outros três são da Roménia, Albânia e Polónia). Os italianos estão destinados às representações diplomáticas da Santa Sé nas Honduras, Madagáscar, Congo e Tanzânia.

 

Artigos relacionados

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

A Igreja Católica assinala neste domingo, 18 de Outubro, o Dia Mundial das Missões. A esse propósito e com esse pretexto, o padre Tony Neves, dos Missionários Espiritanos, escreveu uma análise da Fratelli Tutti em chave missionária. A nova encíclica do Papa Francisco, divulgada há duas semanas, já foi objecto de várias leituras no 7MARGENS. Tony Neves considera-a “um texto inspirador para estes tempos de pandemia mundial”. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Papa aceita demissão de bispo polaco acusado de encobrir abusos sexuais novidade

O Papa Francisco aceitou o pedido de resignação de Edward Janiak, bispo de Kalisz (Polónia), depois de, no passado mês de junho, ter ordenado o seu afastamento da diocese por suspeitas de encobrimento de abusos sexuais de menores. A renúncia de Janiak, aos 68 anos, sete anos antes do previsto no Código de Direito Canónico, sugere que as suspeitas se terão confirmado.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Entre margens

Dormir com o inimigo novidade

O segmento evangélico americano pautou-se durante largas décadas por ensinar aos fiéis a integridade pessoal. A lógica era que o homem nascido de novo (born again) seria transformado à imagem de Cristo e viveria uma nova ética, sendo bom cidadão, bom profissional, parte duma família funcional, promotor da paz e cultivando o amor e o perdão para com o seu semelhante. Billy Graham foi o seu profeta maior, com uma postura de integridade e semeando uma mensagem de esperança num mundo do pós-guerra, devastado física e moralmente.

Eliminar a pobreza, sanar o tecido social

Voltou a haver pobreza em Portugal como não havia, diz-se, desde há 100 anos. Não sei se será bem assim, mas que há mais pobreza, há. Vê-se muito mais gente nas ruas a pedir ajuda, envergonhada, aviltada, desconfortável com a sua nova situação. Gente que, talvez até há menos de um ano, não esperava chegar ao ponto de se ver obrigada a ir para a rua pedir para comer. Frequentemente, gente de meia-idade ou bem mais velha.

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco