Com bispo como vice-presidente

Mulher leiga preside à comissão organizadora do Sínodo da Igreja da Irlanda

| 26 Ago 2021

nicola brady irlanda foto Joachim Gerhardt

Nicola Brady é secretária-geral do Conselho das Igrejas da Irlanda e tem trabalhado na área de construção da paz a partir da fé. Foto © Joachim Gerhardt.

 

Os bispos católicos da Irlanda nomearam uma mulher leiga para dirigir a realização do sínodo nacional da Igreja daquele país, que decorrerá até 2026. A escolha da Conferência Episcopal recaiu sobre Nicola Brady, atualmente com responsabilidades em vários domínios, sendo secretária-geral do Conselho das Igrejas da Irlanda e co-secretária do Encontro Inter-Igrejas Irlandês, além de diretora de duas instituições ligadas ao trabalho de reconciliação de comunidades que passaram por experiência de guerras.

Nicola é bacharel em Estudos Europeus pelo Trinity College de Dublin e doutorada pela mesma instituição. Na sua tese doutoral, examinou a resposta da hierarquia católica à violência política na Irlanda do Norte (1921-1973) e no País Basco (1936-1975). A sua experiência, no país e no estrangeiro, incide em particular na área de construção da paz a partir da fé, incluindo a defesa dos direitos humanos, apoio às vítimas/sobreviventes, facilitação do diálogo cívico e envolvimento das comunidades.

Tal como noutras partes do mundo, o episcopado da Irlanda anunciou na sua reunião de inverno de 2020 o desejo de realizar um sínodo, que se desenvolverá em várias etapas. A comissão organizadora agora criada e presidida por Nicole Brady é ainda constituída por dois vice-presidentes, Andrew O’Callaghan, um leigo casado e com atividade no setor da contabilidade e consultoria (PwC), e o bispo de Limerick, Brendan Leahy, e professor de teologia (estudioso de Urs von Balthasar), com experiência no âmbito do ecumenismo.

Em declarações publicadas pelo jornal La Croix, que deu a notícia no seu site internacional, a líder da comissão organizadora salientou que “o caminho sinodal é um desenvolvimento importante e cheio de esperança na vida da Igreja Católica na Irlanda”, manifestando-se “grata pela oportunidade de ajudar a orientar e moldar este trabalho”.

A Conferência Episcopal Irlandesa identificou sete áreas para “ouvir o que o Espírito Santo está a dizer à Igreja na Irlanda”, uma das quais é “honrar a contribuição das mulheres”. O jornal cita um estudo que apurou que 74% das mulheres católicas irlandesas consideram que a Igreja não as trata com “muito respeito”, em comparação com 6% das mulheres protestantes. A ex-presidente irlandesa e canonista Mary McAleese descreveu a Igreja Católica como “a principal portadora global do vírus da misoginia”. Uma pesquisa de 2018 descobriu que 55% concordaram com McAleese na opinião de que a Igreja não trata as mulheres da mesma forma.

 

Modelo atual de Igreja Católica na Irlanda é ‘insustentável’

Uma recente entrevista do arcebispo de Dublin, Dermot Farrell, pode dar contributos para o tipo de desafios que o Sínodo Nacional terá de equacionar. Respondendo a perguntas da revista Siolta, do Seminário Maior de Maynooth, o arcebispo considerou que a expressão católica da fé “se desvaneceu” na Irlanda, traduzindo-se numa crise da Igreja, que se manifesta sobretudo entre os mais jovens.

Nas declarações citadas pelo jornal The Tablet, o arcebispo Dermot Farrell reconheceu que “o modelo atual de igreja é insustentável”. A crise já vem de trás, exprime-se num clero envelhecido, nas poucas novas vocações e num “declínio no número de pessoas que praticam ativamente a sua fé”.

Nos anos mais recentes, o escândalo dos abusos sexuais “prejudicou a credibilidade da Igreja” e contribuiu para o agravamento da crescente “invisibilidade da fé na Irlanda”, segundo o arcebispo Farrell. A “transmissão da fé aos jovens” é, por isso, para este responsável eclesiástico, “um dos desafios mais graves que a Igreja enfrenta hoje”.

“Uma Igreja em crise exige criatividade. Este tempo de números reduzidos pode muito bem oferecer a oportunidade de sermos criativos e re-imaginar a Igreja institucional. Não fomos abandonados por Deus. Deus pode ser encontrado nesta situação ”, disse ele.

Em concreto, o entrevistado, que é também vice-presidente da Conferência Episcopal, defende “um programa eficaz de catequese” que repense de cima a baixo e substitua o tipo de catequese ainda vigente, o qual supõe ainda a educação cristã na família. “Com o declínio gradual da socialização familiar na religião, o papel do catequista qualificado será essencial”, observou o arcebispo.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This