Mulheres jornalistas asseguram 48% das notícias televisivas

| 10 Mar 21

Global Media Monitoring Report mulheres nas notícias. Foto © Equipa do GMMP no Zimbabué

A equipa de voluntários do Global Media Monitoring Report a verificar a representação das mulheres nas notícias (29 de setembro de 2020). Foto © Equipa do GMMP no Zimbabué.

As mulheres jornalistas são autoras de quase metade (48%) das notícias e reportagens apresentadas nas estações televisivas de todo o mundo, revelam os dados preliminares do estudo internacional conduzido pelo Projeto de Monitorização Global dos Media (GMMP, na sua sigla inglesa).

Mas a paridade de género surge desequilibrada quando se analisa a presença das mulheres nas notícias sobre a covid-19: elas estão presentes, enquanto sujeito ou fonte, em apenas 28% das peças informativas difundidas pelas televisões.
O estudo analisou edições de rádios, jornais, sítios noticiosos e televisões difundidos ao longo do dia 19 de setembro de 2020 e os seus resultados finais serão apresentados ainda antes do final deste semestre.

Desde 1995 que um levantamento deste tipo é realizado de cinco em cinco anos pela organização Who Makes The News.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This