Multiculturalidade e condição feminina: algumas questões

| 20 Nov 19

Nas margens da filosofia (XI)

O texto de Guilherme Lopes publicado dia 15 no 7MARGENS dá-nos conta da posição do imã da Mesquita Central de Lisboa quanto à proibição de Fatima Habib participar numa competição de basquetebol com os braços tapados e a cabeça coberta. Alega o xeque David Munir que nunca tal tinha sido exigido à atleta, considerando abusiva esta determinação da equipa de arbitragem e acusando-a de má fé, e referindo a possibilidade de uma manifestação de solidariedade com a jogadora em competições futuras. É uma atitude que nos faz pensar e que levanta questões prementes em sociedades multiculturais como é a nossa. De facto, nela constatamos a existência  de conflitos entre o direito à diferença, exigido pelas culturas minoritárias, e a criação de plataformas de convívio, de modo a que vários grupos culturais habitem um mesmo espaço e se relacionem pacificamente, evitando fricções.

Admitimos sem problema que as sociedades são regidas por diferentes valores e que há maneiras próprias de viver num mesmo espaço. O que nem sempre é pacífico, pois há certos direitos que embora se imponham como legítimos quando tomados cada um por si, poderão entrar em colisão quando se trata de convivência intercultural. Exemplificamos com a reivindicação dos direitos das mulheres, que frequentemente se torna um factor de antagonismo e de dissidência. Daí as questões que se levantam a quem se debruça sobre estudos multiculturais:

– Até que ponto os movimentos feministas que lutam pela autonomia e libertação das mulheres colidem com os direitos, igualmente legítimos, de autonomia e de especificidade das culturas minoritárias?

– Como resolver o choque de mentalidades entre os vários grupos de etnias e religiões e as sociedades ocidentais onde pretendem viver?

– Como ultrapassar a barreira de costumes ancestrais que estruturam as diversas culturas dando-lhes originalidade e consistência, quando certas práticas parecem obsoletas ou mesmo degradantes para a condição feminina, tal como ela é presentemente entendida pela maioria de europeus e americanos?

O caminho traçado desde as pretensões das primeiras feministas pelo direito ao voto, até às teses das actuais “filosofias de género” pode ser comparado a uma corrida em que progressivamente os vários obstáculos foram ultrapassados visando a conquista de um novo estatuto para a condição feminina.

Só que este percurso aparentemente linear se revelou sinuoso e internamente conflitual. Paralelamente aos novos direitos adquiridos foram surgindo questões que os puseram em causa, como por ex: será que os direitos das mulheres tal como foram pensados no Ocidente irão afectar a identidade dos grupos minoritários pondo em causa a multiculturalidade? Como sair da cómoda posição relativista em que se nega a possibilidade de detectar valores universais, aceitando-se que cada cultura tem os seus? Como evitar a tentação de considerar que os valores ocidentais são superiores aos das outras culturas e que, como tal, devem ser acatados pelos grupos étnicos que, ao abandonarem os seus países, deverão adaptar-se a novas formas de vida? Deveremos fechar os olhos a situações comuns em certas culturas como os casamentos forçados, a menoridade das noivas e esposas, a subordinação das mulheres a maridos, pais, irmãos e parentes masculinos, a perseguição às raparigas e mulheres que estudam, a aceitação de castigos físicos, as práticas como a mutilação genital, a imposição da burka, do tchador ou do simples véu?

Verificamos que a relação entre os diferentes feminismos e a multiculturalidade está longe de ser pacífica e que há dissidências fundas entre as estudiosas destas temáticas. Assim, Susan Moller Okin denuncia a situação crítica da maioria das mulheres que integram culturas étnicas. Para a filósofa, o estatuto destas mulheres no seio dos seus grupos impede que se assumam como donas do seu destino (mistresses of their own destiny).[1]

Circunscritas ao estatuto de esposas e de mães, o seu horizonte de expectativa reduz-se a um bom casamento, quase sempre concertado pela família. Este é o seu ideal de realização, sendo raras as que conseguem orientar-se para outros interesses que não os privados e familiares. Okin critica os poderes que são conferidos a comunidades fechadas, ignorando-se os abusos nelas ocorridos relativamente à população feminina. Uma das suas lutas tem sido o direito que deve ser conferido a cada um (e a cada uma) de poderem escolher livremente a sua vida, dentro ou fora do grupo a que pertencem. E verifica que essa escolha é muito mais difícil para as mulheres do que para os homens.

Outra é a posição de Monique Deveaux que nos propõe uma abordagem de conciliação entre os valores defendidos pelas culturas maioritárias e as minorias que nelas habitam, tentando estabelecer pontes à custa de algumas concessões, com o objectivo muito pragmático de alcançar entendimentos recíprocos. Deveaux apela para um reconhecimento mútuo das instituições do país de acolhimento e dos grupos acolhidos. Em A Deliberative Approach to Conflicts of Culture[2], a autora centra-se no universo sul-africano e debruça-se sobre um caso concreto – os casamentos concertados pelos pais, uma prática que a Constituição sul-africana pós-apartheid procurou combater. Segundo Deveaux, mais do que impedi-la ou dificultá-la interessa negociar sem impor normas pois a abordagem dos conflitos deve solucionar-se de um modo não impositivo.[3] Contrariando a tese de que “West is best”, as mulheres do Terceiro Mundo deveriam contrapor as suas propostas às feministas ocidentais, dispensando soluções já gastas e mostrando-se criativas e autónomas na escolha do seus próprios caminhos.

É de louvar o respeito que Monique Deveaux demonstra pelo grupo e pelos seus membros, considerando-os determinantes nas decisões a tomar. Mas será lícito sacrificar os direitos das mulheres à coerência e à autonomia das culturas? Certos costumes só compulsivamente desaparecem. Se a metodologia proposta das concessões mútuas fosse aceite como critério determinante de diálogo intercultural ainda hoje estariam em vigor práticas como a escravatura ou o apartheid, cuja manutenção convinha a determinados grupos.

É tempo de chamar a filosofia a debruçar-se sobre estas questões, analisando-as sem preconceitos e tentando resolvê-las por meio de uma argumentação objectiva. Nunca esquecendo as pessoas concretas – neste caso as mulheres. Por isso termino com o testemunho de uma estudante iraniana que foi estudar para França, onde finalmente conseguiu libertar-se do véu: “Dos treze aos vinte e três anos fui reprimida, condenada a ser uma muçulmana, uma mulher submetida e prisioneira debaixo de um véu negro. Dos treze aos vinte e três anos. E não deixaria ninguém dizer que foram os anos mais belos da minha vida”. (Chahdortt Djavann)[4]

Como diz o adágio popular: “contra factos não há argumentos.”

 

Notas

[1] Susan Moller Okin, “Is Multiculturalism Bad for Women?” in J. Cohen, M. Howard and Martha Nussbaum (eds.), Is Multiculturalism Bad for Women?, Princeton University Press, 1999, pp. 9-24.

[2] Monique Deveaux,”A Deliberative Approach to Conflicts of Culture”, in Political Theory, vol. 31, 6 (December 2003), pp. 780-807.

[3] Monique Deveaux, “A Deliberative Approach to Conflicts of Culture”, p. 785.

[4] Chahdortt Djavann, Bas les voiles, Paris, Gallimard, 2003, p. 7.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco