Mundial de 2022: FIFA diz que mais de 6500 migrantes mortos na construção civil são “um número baixo”

| 24 Fev 21

Futebol, Qatar, FIFA, Trabalho

Obras de um dos estádios de futebol para o Mundial do Qatar, em 2022: o trabalho é muitas vezes feito em condições que levam à morte, acusa a Amnistia. Foto © Amnistia Internacional

 

Desde que o Qatar recebeu da FIFA a incumbência de organizar a fase final do Campeonato do Mundo de futebol, em 2010, terão morrido para cima de 6500 trabalhadores migrantes, de algum modo ligados à construção de sete estádios e outros equipamentos que esse mega-evento comporta.

Os dados foram revelados pelo jornal britânico The Guardian, que vem acompanhando há anos a problemática das condições de trabalho das centenas de milhares de migrantes, sobretudo de países da Ásia como a Índia, o Nepal ou o Bangladesh. Ainda que o número de imigrantes no pequeno país do Golfo Pérsico seja superior a dois milhões, representando cerca de 90 por cento da mão-de-obra, e que nem todos estejam ligados ao setor da construção e obras públicas, trata-se de um número de mortos bastante significativo.

No entanto, quer as autoridades do país quer a FIFA, a Federação Internacional de Futebol, entendem que o problema não é grave e que os números são normais. O Governo diz que estão “dentro do esperado, atendendo à dimensão e à demografia da população”. A FIFA vai mais longe: o número de acidentes “tem sido baixo, se comparado com outros grandes projetos de construção em todo o mundo”. Aparentemente, é possível desvalorizar assim a tragédia de tantas vidas e não haver reações significativas a tais declarações.

De resto, desde os primeiros anos dos preparativos para o Campeonato do Mundo que com frequência os media e organizações de direitos humanos têm alertado para as deficientes condições de trabalho. Basta dizer que, segundo um relatório da Amnistia Internacional relativo a 2019, eram identificadas situações como “trabalho [potencialmente] sob condições de stress térmico” (calor excessivo) significativo, em pelo menos quatro meses do ano, originando problemas cardiovasculares, que em muitos casos levavam à morte.

Situações de trabalhadores a quem os salários não eram pagos, agravadas pelo atraso considerável dos tribunais de trabalho foram outros problemas que levaram, ainda segundo a Amnistia, a uma greve de centenas de trabalhadores migrantes, em 2019.

Muitos destes problemas, que eram denunciados pela imprensa, provocaram uma reação do Governo local, que anunciou medidas de melhoria. Algumas delas surgiram mesmo de um acordo firmado pelo Estado do Qatar com a Organização Internacional do Trabalho em anos recentes, como foi o caso do “salário mínimo não discriminatório”. E, em 2019, o Ministério do Desenvolvimento Administrativo, Trabalho e Assuntos Sociais do Qatar prometeu abolir o sistema de kafala (patrocínio), segundo o qual os trabalhadores migrantes dependem do seu empregador para quase todos os aspetos da sua presença no país, como a autorização de saída ou mudança de empregador.

Sendo reconhecido o esforço em melhorar as situações mais gritantes de violação de direitos humanos e do trabalho, não é seguro que as medidas anunciadas sejam de facto implementadas de forma sistemática e controlada. Um caso gritante é o do stress térmico. Quando, perante uma investigação do jornal The Guardian de que centenas de milhar de trabalhadores imigrantes estavam a trabalhar sob temperaturas de até 45° em horários de até 10 horas por dia, no pico dos preparativos do Campeonato do Mundo da FIFA de 2022, o Governo replicava que havia determinado uma proibição de trabalho em áreas de exterior sem sombra entre as 11h30 e 15h de meados de junho a agosto. Porém, o jornal, baseado nas bases de dados dos serviços de meteorologia, ao longo de um período de nove anos, mostrou que a medida não acautela a segurança dos trabalhadores, nem no horário nem no período do ano considerado.

 

Responsabilidades da FIFA
Futebol, Qatar, FIFA, Trabalho

Nos seus documentos, a FIFA nunca fala dos trabalhadores que morreram e relativiza as suas condições de trabalho. Foto: Amnistia Internacional

 

Além de considerar que 6.500 mortos em dez anos seja um número baixo, como se se tratasse de meros números e não de pessoas que ajudaram a resolver um problema que o Qatar sozinho nunca seria capaz de resolver, o site da organização do campeonato passa ao lado desta tragédia ou limita-se a olhar para alguns dos aspetos positivos que certamente existem.

Um texto que se relaciona com este assunto, datado de 1 de setembro de 2020 e intitulado “O país anfitrião do campeonato do mundo da FIFA anunciou mudanças importantes nas suas leis de trabalho” refere a publicação de uma lei sobre direitos dos trabalhadores, múltiplas vezes anunciada em anos anteriores pelo governo do Qatar. Considera-a “um importante marco” que “demonstra a capacidade do Campeonato do Mundo da FIFA para promover mudanças positivas e construir um legado duradouro” no país anfitrião, anotando esse reconhecimento da parte de diversas organizações internacionais não-governamentais.

No mês seguinte, há também uma notícia que relata a visita do presidente da FIFA, Gianni Infantino, ao Qatar, para se inteirar do estado dos preparativos. Nela se evidencia o entusiasmo quer da FIFA quer dos organizadores locais perante o estado da construção das infraestruturas, “quase a 90% da conclusão, em todos os projetos”. Em nenhum momento surge uma palavra que seja de reconhecimento do papel dos trabalhadores e ao menos uma homenagem a tantos deles que ficaram pelo caminho.

 

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Breves

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja novidade

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão novidade

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver? novidade

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Leprosários novidade

A mais recente Responsum ad dubium[1] da Congregação para a Doutrina da Fé relativa à bênção de uniões homossexuais tem feito correr rios de tinta. Se, por um lado, haja quem veja um retrocesso no caminho de inclusão delineado pelo Papa Francisco, outros encaram esta resposta como um travão necessário à prática de bênçãos a casais homossexuais, em total coerência com a linha da doutrina moral da Igreja.

Para condenar não me chamem

Após vinte e dois anos de trabalho dentro de uma prisão ainda me pergunto: que falta faz um padre na prisão? Talvez seja necessário responder antes a uma outra: para que serve a prisão? O sistema prisional devia ter dois objetivos fundamentais: proteger a sociedade de condutas criminosas e proporcionar aos reclusos uma hipótese de reabilitar as suas vidas.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This