Mundial de futebol no Qatar: não chutar para canto os direitos dos trabalhadores, pede a Amnistia

| 19 Nov 20

Construção do Lusail Stadium em Doha (Qatar), que receberá o jogo de abertura e a final do próximo Mundial de Futebol, em 2022: há casos de trabalhadores que estão meses sem receber. Foto © David Ramos – FIFA/via Getty Images /Amnistia Internacional

 

As reformas legais introduzidas recentemente pelo Qatar já oferecem esperança aos trabalhadores migrantes, particularmente aos que se encontram presos em condições de trabalho abusivas. Mas, para que sejam eficazes, requerem a existência de mecanismos de controlo e responsabilização rigorosos – incluindo por parte da FIFA, a entidade organizadora do torneio. Ou seja, os direitos de milhares de pessoas não podem ser chutados para canto.

O alerta é da Amnistia Internacional (AI) que, num relatório e um comunicado divulgados neste quarta-feira, 18 de Novembro, e enviados ao 7MARGENS, analisa o modo como estão a ser tratados os imigrantes que trabalham nas obras de preparação das estruturas que acolherão a fase final do Mundial de Futebol no Qatar.

“Em última análise, o Qatar precisa de tomar medidas sérias contra os empregadores que abusam dos direitos dos trabalhadores migrantes”, diz a Amnistia, numa das conclusões do relatório “Verificação da realidade”.

Entre as medidas que considera necessárias e urgentes, a AI aponta cinco âmbitos de acção: protecção legal, protecção salarial, protecção dos trabalhadores de serviço doméstico, fim da impunidade dos prevaricadores e levantamento da proibição dos sindicatos.

“Nos últimos anos, o Qatar introduziu uma série de grandes reformas, incluindo a alteração de leis para dar liberdade de circulação aos trabalhadores e permitir-lhes maior mobilidade profissional”, comenta Steve Cockburn, responsável pela área da Justiça Económica e Social da Amnistia Internacional. “Também prometeu melhores salários e acesso à justiça em casos de abuso. Mas muitos trabalhadores migrantes ainda não beneficiaram destas mudanças. Até estas reformas serem plenamente aplicadas, muitos permanecerão presos num ciclo de exploração”, denuncia o responsável, em comunicado da Amnistia.

Aplicar as reformas legais já introduzidas, descriminalizar a acusação de “fuga” dos trabalhadores e concretizar a proibição de confiscação de passaportes e respectiva punição dos empregadores que o fazem são algumas das medidas de protecção legal ainda necessárias, diz a organização de defesa dos direitos humanos.

As reformas legais e positivas já introduzidas têm esbarrado na falta de concretização e na relutância de muitos empregadores, diz a Amnistia. “O Qatar precisa de fazer muito mais para garantir que a legislação tenha um impacto tangível na vida das pessoas.”

No âmbito salarial, a AI detectou casos como os da centena de trabalhadores migrantes empregados na construção de um estádio do Campeonato do Mundo que trabalhou durante sete meses sem remuneração, apesar de a situação ser conhecida das autoridades. Agora, a maioria já foi paga, mas “o caso evidenciou falhas contínuas” tanto das autoridades do Qatar como da FIFA, acusa a organização.

Nesta matéria salarial, diz a AI que é preciso “assegurar o pagamento de salários dignos e resolver a dívida dos trabalhadores”. Para isso, acrescenta a AI, torna-se necessário concretizar o Sistema de Protecção Salarial já previsto, alargando-o também ao serviço doméstico, reforçar as medidas de protecção dos trabalhadores contra práticas abusivas de recrutamento; e “rever urgentemente o nível do salário mínimo proposto para os trabalhadores migrantes a fim de assegurar que este seja adequado para fazer face ao custo de vida”.

 

A FIFA também é responsável

Tabalhadores migrantes descansam após um dia de trabalho em colchões de espuma, entre 1 e 8 centímetros de espessura, num dormitório de campo de trabalho na zona industrial de Doha (foto de 2011): na sua maioria, os migrantes são na maioria oriundos do Sul da Ásia. Foto © Sam Tarling/ via Amnistia Internacional.

 

Outro capítulo é o do fim da impunidade, onde a Amnistia diz que é necessário reforçar e aplicar “leis e reformas laborais, nomeadamente assegurando um trabalho regular e rigoroso”, fazendo inspecções em todos os sectores, incluindo para o serviço doméstico. Neste campo, é ainda sugerida a investigação minuciosa de “empregadores abusivos”, acompanhando as denúncias de abuso e exploração para assegurar a sua investigação e julgamento; e a penalização de empregadores e patrocinadores que não respeitem as leis.

Finalmente, além de alertar para a necessidade de levantar a proibição dos sindicatos e as reservas ao cumprimento de tratados internacionais, a AI recorda ao Qatar que deve também proteger os trabalhadores de serviço doméstico.

Numa investigação recente, a Amnistia Internacional verificou que, neste sector, continua-se a trabalhar, no Qatar, cerca de 16 horas por dia, sem dia de descanso, apesar da introdução de uma lei que estipula um limite de dez horas e um dia de folga por semana. As mulheres entrevistadas descreveram abusos físicos e psicológicos, e nenhum dos empregadores tinha sido responsabilizado.

Para ultrapassar casos como esses, os trabalhadores de serviço doméstico, sugere a AI, devem ser incluídos no sistema de protecção salarial, e apoiados através de abrigos de refúgio e da responsabilização de empregadores abusivos, incluindo com processos penais.

“Como organizador do Campeonato do Mundo [de Futebol], a FIFA tem também a responsabilidade de assegurar que os direitos humanos sejam respeitados no contexto da preparação e da realização do torneio”, diz a Amnistia. Isso inclui a responsabilização dos seus parceiros a pressionar o Qatar para a reforma do seu sistema laboral.

Também com esse objectivo, mais de 20 secções nacionais da AI estão a escrever às associações nacionais de futebol chamando-as a desempenhar um papel activo na garantia dos direitos dos trabalhadores migrantes, anuncia a organização. “As associações de futebol deveriam exortar a FIFA a usar a sua voz, privada e pública, para instar o governo do Qatar a cumprir o seu programa de reformas laborais antes do início do Campeonato do Mundo”, evitando que milhares de pessoas continuem “sujeitas a abusos”.

 

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento novidade

Há tempos e momentos que são mais propícios à reflexão e à interiorização, oferecendo-nos oportunidades de pensar, ou repensar, atitudes pessoais e realidades coletivas. E são estas oportunidades de refletir que, normalmente, nos abrem perspetivas de mudança, de ver novas formas de viver, de olhar novas respostas para combater injustiças, pobrezas e violações dos Direitos Humanos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação de um homem ao pagamento de mais de 60 mil euros à ex-companheira pelo trabalho doméstico que esta desenvolveu ao longo de quase 30 anos de união de facto. (Público, 24-2-2021)
No acórdão, datado de 14 de Janeiro (…), o STJ refere que o exercício da actividade doméstica exclusivamente ou essencialmente por um dos membros da união de facto, sem contrapartida, “resulta num verdadeiro empobrecimento deste e a correspectiva libertação do outro membro da realização dessas tarefas”.

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

Guardar o jardim do mundo novidade

Nestes tempos em que o início da Quaresma coincide com um estranho confinamento, explicado por uma pandemia que há um ano nos atinge e que vai afetar pelo segundo ano consecutivo a nossa Páscoa, importa recordar mais uma vez o que o Papa Francisco nos afirmou na encíclica Laudato Si’. Esta pandemia será ultrapassada, com mais ou menos esforço, mesmo que tenhamos de continuar a lidar com o vírus.

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Viagem ao Sul novidade

Hoje conto-vos acerca da nossa viagem ao Sul, na semana de Acção de Graças em pleno Novembro de 2020. Um dos aspectos interessantes de viver nos Estados Unidos é a possibilidade de, sem sair das fronteiras do país, encontrarmos de tudo um pouco: desde o inverno gélido de Washington DC aos cenários verdes e húmidos da Geórgia, passando pela secura e aridez do Mississípi.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This