Museu Judaico e parcerias com entidades judaicas para assinalar 200 anos do fim da Inquisição

| 31 Mar 21

Museu Judaico de Lisboa-Tikva © Libeskind (1)

O futuro Museu Judaico de Lisboa foi desenhado pelo arquiteto Daniel Libeskind, autor dos museus judaicos de Berlim, São Francisco e Copenhaga. Foto: © Daniel Libeskind.

O futuro Museu Judaico de Lisboa, intitulado de Tikvá – que significa “esperança” em hebraico –, vai situar-se em Belém. Desenhado pelo arquiteto Daniel Libeskind, autor dos museus judaicos de Berlim, São Francisco e Copenhaga, bem como dos memoriais do Holocausto nos Países Baixos, no Canadá e nos Estados Unidos, o museu pretende ser um lugar de preservação e divulgação da memória e da vivência judaica em Portugal, sobretudo em Lisboa.

A assinatura do protocolo entre a Câmara Municipal de Lisboa e a Associação Hagadá, responsável pela criação, instalação e gestão do núcleo museológico, decorreu esta quarta-feira, 31 de março, exatamente 200 anos depois das Cortes do Reino terem decidido extinguir a Inquisição em Portugal. “O museu contará uma história única de quase dois mil anos de longevidade e pluralidade de culturas que conferem ao judaísmo português um carácter peculiar e muito rico”, sublinhou, no termo da cerimónia, Esther Mucznik, presidente daquela associação.

O museu, que deverá ser apoiado pelo dono da Herdade da Comporta em pelo menos dois milhões de euros, de acordo com O Jornal Económico, deverá estar concluído em 2024 e ficará junto ao Tejo, entre a Torre de Belém e a Fundação Champalimaud.

Em 2016, a construção do museu foi anunciada para o Largo de São Miguel, em Alfama, tendo as obras de demolição/construção arrancado pouco depois. Contudo, devido à oposição da associação representativa dos moradores do bairro, as obras foram suspensas e posteriormente canceladas por ordem do tribunal. A associação de moradores defendia que a arquitetura do edifício não se adequava ao património edificado de Alfama e que era importante preservar prédios cuja demolição estava prevista.

 

Porto recorda rabi Yahia Ben Yaish
Capa do opúsculo sobre rabi Yahia Ben-Yahia, escrito por Barros Basto

Capa do opúsculo sobre o rabi Yahia Ben-Yahia, escrito por Barros Basto.

Antecipando o dia da comemoração dos 200 anos do fim da Inquisição em Portugal, a Sociedade Histórica da Independência de Portugal e a Comunidade Judaica do Porto celebraram na terça-feira, 30, um protocolo de parceria, amizade e cooperação para aprofundar o conhecimento da história de Portugal.

A Sociedade Histórica é presidida por José Ribeiro e Castro e a Comunidade Judaica do Porto tem como vice-presidente da direção Isabel Lopes, que assinou o protocolo juntamente com o rabino-chefe da cidade, Daniel Litvak.

Isabel Lopes aproveitou a cerimónia para recordar que “quando o rabi D. Yahia Ben Yaish combateu ao lado de D. Afonso Henriques, ao serviço do qual terá morrido, por todo o território já se estendiam, desde longa data, comunidades judaicas.” Do seu ponto de vista, “o Museu Judaico do Porto e o Palácio da Independência são ótimos locais para refletir sobre os desafios que Portugal enfrentou, enfrenta e enfrentará”.

 

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago

Em ano Xacobeo

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago novidade

A cidade de Braga foi palco, nesta sexta-feira, 17, da declaração oficial de reconhecimento do Caminho Minhoto Ribeiro por parte dos arcebispos de Braga e de Santiago de Compostela, depois de esse processo ter decorrido já por parte das autarquias do lado português e galego. Na conferência que decorreu em Braga, cidade que é ponto de partida dos dois itinerários que compõem este Caminho, foi igualmente feita a apresentação da investigação documental que fundamenta este novo percurso, a cargo do professor e historiador galego Cástor Pérez Casal.

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

A votar, a votar!

[Segunda leitura]

A votar, a votar! novidade

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This