Dias 22 e 23 de junho

Música de quarteto, património e vinhedos de Ferreira do Alentejo no Festival Terras sem Sombra

| 19 Jun 2024

Quartetto di Venezia, Música, Festival Terras Sem Sombra

Quartetto di Venezia, que atua no Festival Terras Sem Sombra, em Ferreira do Alentejo, dia 22 Junho 2024. Foto: Direitos reservados

O Quartetto di Venezia, considerado um dos expoentes da música transalpina, atuará no Lagar do Marmelo, em Figueira dos Cavaleiros no próximo sábado, 22, à noite, num novo concerto do Festival Terras Sem Sombra, desta vez em Ferreira do Alentejo. Durante o fim de semana, haverá ainda atividades ligadas à salvaguarda do património (sábado à tarde) e à defesa da biodiversidade (manhã de domingo, dia 23).

“O perfeito domínio técnico e a força das suas interpretações, caraterizadas pelo impulso para um valor absoluto de si mesmos como verdadeiros intérpretes, colocam o Quartetto di Venezia num lugar cimeiro na sua categoria e entre os poucos dignos de assumir o papel dos grandes quartetos do passado”, afirma o violinista Bruno Giuranna a propósito do ensemble constituído por Andrea Vio, Alberto Battiston, Mario Paladin e Angelo Zanin.

O Quartetto di Venezia tem-se apresentado em festivais e palcos conceituados em Itália e um pouco por todo o mundo. Para além de obras mais conhecidas, cuja interpretação lhe tem valido prémios internacionais, o seu repertório integra outras raramente executadas, como os quartetos de G. F. Malipiero. Entre outras distinções, é, desde 2017, o quarteto residente da Fondazione Giorgio Cini, em Veneza. O ensemble irá apresentar, na noite de 22 de Junho, pelas 21h30 um concerto com obras de Ludwig van Beethoven, Gian Francesco Malipiero e Johannes Brahms. Sob o tema “A Arte do Quarteto: Uma Viagem Musical de Dois Séculos (Beethoven, Malipiero, Brahms)”, o concerto decorre na sala das máquinas do Lagar da Herdade do Marmelo.

Já na tarde de sábado, 22, pelas 15h, o Festival organiza uma visita ao património material e imaterial da Santa Casa da Misericórdia local. Com ponto de encontro na Igreja da Misericórdia, a ação começa por debruçar-se sobre esta obra de meados do século XVI, um exemplo da evolução da arquitetura tardo-manuelina. O espaço acolhe, presentemente, o Núcleo de Arte Sacra do Museu Municipal, dedicado à ação assistencial e religiosa desenvolvida pela Misericórdia e que continua o trabalho da instituição medieval que a antecedeu, a Confraria do Espírito Santo. Destaca-se o arquivo, que permite reconstituir muitos aspetos pouco conhecidos do passado da região, entre epidemias, guerras e catástrofes naturais. A viagem conta, também, com uma aproximação ao trabalho atual da Santa Casa, nas suas diversas respostas sociais ao serviço da comunidade. A atividade é orientada por Maria João Pina, diretora do Museu Municipal de Ferreira do Alentejo, e José António Falcão, historiador de arte.

Na manhã de domingo, 23, às 9h30, os interessados são convidados para uma jornada dedicada às relações entre biodiversidade e sustentabilidade, entre vinhedos: “Quando a Biodiversidade e a Indústria Cooperam – Iniciativas Sustentáveis na Herdade Vale da Rosa”. A organização fala de um momento para conhecer de perto, guiados pelos intervenientes locais, o trabalho no terreno de uma empresa portuguesa exportadora: a Herdade Vale da Rosa. Com o ponto de encontro na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Ferreira do Alentejo, a atividade é guiada por António Silvestre Ferreira, administrador da Sociedade Agrícola de Vale da Rosa, e Ivone Torrado, doutorada em Engenheira Biológica.

A 20.ª temporada do Festival Terras sem Sombra, subordinada este ano ao tema “Liberdade, quem a tem chama-lhe sua: Autonomia, Emancipação e Independência na Música (Séculos XII/XXI)”, prossegue a 29 e 30 de Junho no concelho de Coruche, numa incursão para além do território alentejano.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica?

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica? novidade

Na música, um dos ministérios mais estruturantes da liturgia católica, este paradigma mantém-se, embora com nuances particulares: salvo algumas (felizmente, cada vez mais) exceções, o ministério do canto, domingo a domingo, é, em Portugal, sustentado maioritariamente por mulheres e a regência dos coros é, preferencialmente, entregue a homens

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This