Música sacra e espirituais negros em concertos pelo Coro da Nova

| 31 Mai 19 | Cultura e artes, Música, Últimas

O Coro da Nova (Universidade Nova de Lisboa) realiza dois concertos da Primavera neste fim-de-semana (sexta, 31 de Maio, às 21h, na reitoria da Universidade Nova; e domingo, 2 de Junho, às 17h30, na Igreja da Graça). Com um programa inteiramente a capella  dedicado à música sacra, aos polifonistas portugueses e europeus e aos espirituais negros, os concertos têm entrada livre e serão dirigidos pelo maestro João Valeriano.

Entre as peças que o Coro da Nova interpreta destacam-se o responsório O Vos Omnes, de Tomás Luís de Victoria (1548-1611), polifonista espanhol, protegido de Filipe II, um dos compositores sacros mais importantes do seu tempo na Europa; o motete Oculi Mei, de Estévão de Lopes Morago (1575-1630) polifonista espanhol que estudou na Catedral de Évora, com Filipe de Magalhães, e viveu a maior parte da sua vida em Portugal, sendo um dos mais importantes compositores da polifonia ibérica; ou ainda o motete Ave Verum Corpus,que Mozart (1776-1791) compôs poucos meses antes da morte. Trata-se de uma pequena peça que Mozart escreveu sobre o texto latino do mesmo nome para o seu amigo Andre Stoll, que era então diretor musical da paróquia de Santo Estêvão, em Baden (Áustria).

O Coro da Nova interpretará ainda peças de Claudio Monteverdi (1567-1643), compositor italiano que esteve na vanguarda do desenvolvimento da linguagem musical no seu tempo, na transição entre a Renascença e o Barroco, do compositor austríaco Anton Bruckner (1824-1896) e ainda dois espirituais negros, entre outras.  

Criado em 1988, por alunos das várias faculdades da Universidade Nova de Lisboa, o Coro da Nova executa um repertório diversificado que inclui obras corais sinfónicas do reportório barroco e clássico, polifonia dos séculos XVI, XVII e XVIII, bem como música popular harmonizada de autores portugueses e estrangeiros.

O maestro João Valeriano, que já dirigiu vários coros, é o responsável deste agrupamento desde 1994. Uma obra da sua autoria, aMissa Pro Defunctis, foi apresentada em 2002, em primeira audição, no Museu Gulbenkian, pelo Coro de Câmara de Lisboa.

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco