Presidente da AIS alerta

Myanmar: “O sofrimento atingiu um ponto crítico”

| 21 Nov 2023

Violência aumenta em Myanmar. Foto © ACN

“Lamentavelmente, surgiram relatos de incidentes angustiantes no interior de lugares sagrados, tendo mesmo algumas igrejas sido transformadas em zonas de conflito” em Myanmar, denuncia a Fundação AIS.  Foto © ACN

 

Uma “nova espiral de violência” em Myanmar está a preocupar a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS). De acordo com a presidente da organização, Regina Lynch, já nem as igrejas são seguras para aqueles que ali procuram refúgio e muitas têm sido evacuadas.

“O sofrimento atingiu um ponto crítico, levando um número cada vez mais elevado de civis a procurar refúgio nas igrejas como abrigo seguro, mas, lamentavelmente, surgiram relatos de incidentes angustiantes no interior de lugares sagrados, tendo mesmo algumas igrejas sido transformadas em zonas de conflito e instituições religiosas evacuadas à força”, denuncia a responsável internacional da fundação pontifícia, num comunicado enviado esta terça-feira, 21 de novembro, às redações.

“Por favor, não nos esqueçamos de rezar por Myanmar. Entre os muitos conflitos que existem atualmente no mundo, a população de Mianmar sente-se sozinha no meio do seu sofrimento, por isso a nossa solidariedade é um farol de luz na escuridão que está a enfrentar”, acrescentava.

O relatório do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (OCHA), atualizado também nesta terça-feira, confirma que “a escalada do conflito é agora a maior em intensidade e a mais extensa geograficamente desde o golpe militar no início de 2021” em Myanmar (antiga Birmânia), que depôs a líder eleita Aung San Sii Kyi.

“Os confrontos armados expandiram-se para mais áreas, incluindo centros urbanos densamente povoados, representando um risco acrescido para a segurança das populações civis em todo o país”, pode ler-se no documento.

De acordo com este relatório, há já mais de 286 mil pessoas deslocadas só em consequência da intensificação dos combates desde 26 de outubro. Além disso, 187 civis, incluindo homens, mulheres e crianças, terão morrido e outros 246 ficaram feridos.

Em fevereiro deste ano, o número de civis mortos às mãos da junta militar de Myanmar tinha atingido os  3.000 [ver 7MARGENS].

Myanmar: 3 mil mortos e 15.900 detidos pela junta militar em 2 anos

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This